CBN - A rádio que toca notícia

POSIÇÃO

País ainda não 'passou a limpo' período da ditadura, diz procuradora

A procuradora conta que a revelação do documento da CIA comprova a tese da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos e dos próprios familiares, o que não é possível ser comprovado a partir de documentos do governo brasileiro, pois estes foram destruídos

13/05/18, 14:55

A

presidente da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, a procuradora regional da República Eugênia Gonzaga, disse hoje (11) que o Brasil ainda não "passou a limpo" o período da ditadura militar no país, que vigorou entre 1964 e 1985. Ao comentar o documento confidencial da CIA (Serviço de Inteligência dos Estados Unidos) que revela que o ex-presidente Ernesto Geisel (1974-1979) autorizou a execução sumária de militantes opositores ao regime, ela disse também que o país ainda vive em "total negação" do período. “Tudo isso é dolorido e ao mesmo tempo vergonhoso, porque demonstra que o país não passou a limpo esse período. A gente ainda vive em uma situação de total negação desse período, de ocultação”, disse Eugênia.

"É uma comprovação bastante forte que a tortura, a política de terrorismo de estado, era realmente autorizada pelo mais alto escalão, não era simplesmente um exagero da 'turma do porão', como eles chamam os agentes da repressão”, disse a procuradora. “São provas importantes de que realmente havia uma política de Estado de exterminação dessas possíveis oposições, uma política de também acobertar a verdade do período. Por exemplo, a morte do delegado Sérgio Fleury não é explicada até hoje, mas nitidamente ali é uma queima de arquivo. Então temos, no período do general Geisel, uma prova de que ele realmente autorizava que essas pessoas emblemáticas fossem exterminadas”, acrescentou.

A procuradora conta que a revelação do documento da CIA comprova a tese da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos e dos próprios familiares, o que não é possível ser comprovado a partir de documentos do governo brasileiro, pois estes foram destruídos: “Os arquivos brasileiros foram destruídos ou estão sob a guarda de particulares que não revelam. O que temos são depoimentos e a estratégia do Exército que demonstra que os agentes não agem sob vontade própria, sempre agem por um comando superior.”

Geisel e "porão da ditadura"

O professor de Sociologia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Marcelo Ridenti, destacou que pesquisadores do tema, há muito tempo, já trabalhavam com a ideia de que o governo Geisel tinha conhecimento e envolvimento com o chamado “porão da ditadura”, no entanto, não havia provas, apenas depoimentos. “O que o governo dele [de Geisel] fez foi, de certa maneira, reestabelecer o alto comando, o próprio presidente da República ter o comando de tudo que se passava no país inclusive na esfera repressiva. O que não quer dizer que deixou de haver tortura ou que deixou de haver execuções, mas elas teriam que ser claramente colocadas dentro de uma hierarquia. Poderia executar, mas teria que ter o aval do governo”, explicou.

Para Ridenti, Geisel havia constatado que setores do aparelho repressivo estavam ganhando força independentemente da hierarquia militar e seu objetivo, ao definir que o alto comando do Exército deveria aprovar as execuções, era manter a disciplina nas Forças Armadas. “Já estava institucionalizada [a tortura e a execução] de certa maneira, era uma política de Estado, mas que estava fugindo do controle da hierarquia militar. Isso para ele não interessava pela própria sobrevivência da instituição das forças armadas que depende da hierarquia. Esse que era o eixo para ele, não era a defesa dos direitos humanos”, avaliou.

Ditadura militar

O coordenador de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo, Martim de Almeida Sampaio, chamou a revelação do memorando da CIA de “bombástica”. Para o especialista, o documento abre uma porta importante na história brasileira, que contradiz a versão oficial de que a violência e os assassinatos praticados pelos órgãos de repressão daquela época estavam fora do controle do alto comando do regime militar.

Sampaio traçou um paralelo com os dias atuais, em que uma parcela da sociedade passou a manifestar apoio ao retorno da ditadura. Para ele, a principal explicação para isso é a falta de informação: “algumas pessoas defendem a ditadura por oportunismo, porque lá se deram bem, ganharam dinheiro, exerceram poder. A maioria, os jovens e outras pessoas, por ignorância mesmo”, declarou. “Criou-se a aura da honestidade desses presidentes [do período militar], de que a ditadura era honesta, que houve um excesso ou outro, mas não era a política. Na verdade, esse documento é bombástico, derruba toda essa tese e implica diretamente os ex-presidentes na execução dos opositores”, disse o especialista.

Anistia Internacional

Para a coordenadora de pesquisa da Anistia Internacional, Renata Neder, o documento é mais uma prova dos graves crimes e violações de direitos humanos cometidos durante o regime militar, como tortura, desaparecimentos forçados e execuções extrajudiciais. Ela destaca que inúmeros casos já estão amplamente documentados e denunciados por sobreviventes, familiares de vítimas, organizações de direitos humanos, pesquisadores e Comissões da Verdade que se instauraram no país.

Renata defende que esses crimes sejam levados a julgamento e avalia como "um entrave" a legislação brasileira que anistiou os agentes do Estado que cometeram violações aos direitos humanos. "Em 2014, a Anistia Internacional fez uma campanha reivindicando que a legislação brasileira fosse alterada para permitir que os casos pudessem ser levados à Justiça. Não basta verdade e reparação, é essencial garantir Justiça e responsabilização dos perpetradores das violações e do próprio Estado brasileiro. A impunidade dos crimes cometidos pelo Estado no passado alimenta a violência do Estado no presente”.

Fonte: JL/Agência Brasil
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
28/02/19, 14:05 | LEGISLATIVO - Nova Câmara: 50 deputados federais são réus em processos criminais; Piauí fica fora
28/02/19, 13:52 | CRMES - Consultor de segurança do governador do Rio é preso em operação contra policiais suspeitos de extorsão
28/02/19, 13:36 | ESPORTE - Com Vinícius Júnior na lista, Tite convoca Seleção Brasileira
27/02/19, 21:31 | INVESTIGAÇÃO - Polícia Federal abre inquérito sobre laranjas ligados a ministro do partido de Bolsonaro
27/02/19, 21:06 | PARLAMENTO - Comissão do Senado aprova audiência pública com Sérgio Moro
27/02/19, 21:01 | PARLAMENTO - Alvaro quer criminalizar pesquisa eleitoral 15 dias antes das eleições
27/02/19, 20:46 | JUDICIÁRIO - STF decide que Estados devem indenizar cidadãos por erros de cartórios
27/02/19, 20:21 | ENCONTRO - Prefeitos anunciam apoio ao Projeto de Lei Anticrime
27/02/19, 20:04 | REPRESENTAÇÃO - Procurador do DF envia à PGR suspeitas sobre Jair Bolsonaro por improbidade e peculato
27/02/19, 17:17 | EDUCAÇÃO - Provas do Enem serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro
27/02/19, 17:13 | INTERNACIONAL - Delegações estrangeiras abandonam reunião da ONU sobre Venezuela
27/02/19, 17:10 | DEFESA - Líder diz que governo não quer desfigurar reforma da Previdência
27/02/19, 16:35 | POLÊMICA - Ex-Miss Bumbum é noemada assessora de Ministério de Bolsonaro
27/02/19, 16:20 | POLÍTICA - Bolsonaro diz que vai escalar o filho Carlos para defender a Previdência
27/02/19, 16:18 | SAÚDE - SUS terá nova modalidade de compra para medicamentos de doenças raras
27/02/19, 15:50 | DECISÃO - TJ de SP arquiva ação contra Haddad por corrupção e lavagem
27/02/19, 15:47 | ACUSAÇÃO - Ex-advogado de Trump o chama de ‘racista, canalha e fraude’
27/02/19, 15:39 | ACIDENTE - Morre maquinista resgatado após mais de sete horas preso em ferragens
27/02/19, 14:27 | POLÍTICA - Aprovação do governo Bolsonaro é a menor em 1º mandato desde 2003
27/02/19, 13:37 | DIREITOS HUMANOS - Agressão contra a mulher é uma violência de repetição, diz socióloga
27/02/19, 13:17 | MOVIMENTO - Indicação ao Nobel da Paz coloca Lula entre grandes líderes mundiais
27/02/19, 13:08 | ECONOMIA - Desemprego sobe para 12% em janeiro e atinge 12,7 milhões, diz IBGE
27/02/19, 12:50 | DENÚNCIAS - Delatores da OAS acusam Rodrigo Maia, Paes, Cabral e Lindbergh de caixa dois
27/02/19, 12:42 | NEGOCIATA - Em reunião com Bolsonaro e deputados, Onyx oferece cargos e emendas
27/02/19, 12:29 | PREVIDÊNCIA - Aposentado que ficar viúvo será duplamente afetado pela Reforma da Previdência
26/02/19, 22:29 | POLÊMICA - Bancada militar da Câmara quer manter benefícios na reforma da Previdência
26/02/19, 21:52 | POLÍTICA - Reforma da Previdência divide opiniões: 43,4% aprovam; 45,6% não, diz CNT/MDA
26/02/19, 21:45 | IMPROBIDADE - MPF pede explicação a ministro da Educação sobre carta para escolas
26/02/19, 21:40 | DISCURSO - Bolsonaro diz que aguarda que Congresso altere reforma da Previdência
26/02/19, 21:27 | DECISÃO - Fux nega pedido do ministro do Turismo para transferir ao STF caso dos supostos 'laranjas' do PSL
« Anterior 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 | 391 - 420 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site