CBN - A rádio que toca notícia

HISTÓRIA

Avó, filha e neta relatam os horrores da Segunda Guerra Mundial

No campo de concentração, ela foi separada dos pais e do irmão e colocada junto a três primas

10/11/12, 10:36

Noemi Jaffe (à esq.), Lili e Leda, que lançam o livro "O que os Cegos Estão Sonhando?"

U
ma imagem assombra Noemi Jaffe desde a infância: a mãe em Auschwitz, ajoelhada sobre cascalhos, sustentando uma pedra na cabeça.

Lili tinha 17 anos. Era 6 julho de 1944, e ela chegara com os pais e o irmão havia dois dias no campo de extermínio nazista na Polônia. Da família, só os filhos sobreviveram.

Noemi, 50, escritora e colaboradora da Folha, odiou durante toda a vida o oficial nazista que aplicara tal castigo e sempre quis saber mais sobre o passado da mãe.

Já Lili, hoje uma simpática senhora de 86 anos moradora de Higienópolis, zona oeste de São Paulo, preferiu esquecer tudo. No fim da guerra, em 1945, ela escreveu um diário sobre o período em que esteve cativa. Depois, diz não ter pensado mais a respeito do assunto.

No braço, ela conserva tatuada a inscrição A 16334, método que os alemães usavam para identificar os prisioneiros.

Talvez, porém, esquecer ou lembrar tudo sejam tarefas igualmente irrealizáveis. Dessa inviabilidade nasceu o livro "O que os Cegos Estão Sonhando?", escrito a seis mãos por avó, filha e neta.

O título reúne o diário de Lili e as reflexões de Noemi e sua filha, Leda, 23, sobre a tragédia. As duas visitaram Auschwitz em 2009 para coletar informações.

DESTINO

Se para filha e neta a herança da guerra é algo a um só tempo incontornável e incompreensível, Lili diz acreditar que foi simplesmente algo traçado por seu destino. Para ela, Acreditar ou não no destino é uma das muitas diferenças entre Lili e Noemi. Para a filha, apenas circunstâncias acidentais podem explicar, por exemplo, por que a mãe sobreviveu enquanto outras milhões de pessoas morreram em campos de concentração.

Já para Lili, é mais do que óbvio que nada é casual.

"Tudo já estava determinado, não podemos escapar do que foi traçado . Quem iria dizer que eu estaria viva até hoje, que teria uma família tão bonita?", pergunta Lili.

É possível que nem ela mesma. Mas, revendo a sua trajetória, parece claro para Lili que foi graças à guerra e ao diário, hoje parte do acervo do Museu do Holocausto (em Israel), que conheceu o seu futuro marido e veio parar no Brasil. ENem ela vivia em sua cidade natal, Szenta (atual Sérvia), mesma poderia imaginar quando foi presa pelos nazistas, em sua cidade, Szenta (atual Sérvia), em abril de 1944.

Até chegar a Auschwitz, trajeto intercalado com paradas em escolas e fábricas, foram dias de viagens sem água ou comida.

No campo de concentração, ela foi separada dos pais e do irmão e colocada junto a três primas. Foi para proteger uma delas que Lili assumiu uma falta que não cometeu, furtar margarina da cozinha do campo, e recebeu o castigo que tanto perturbou Noemi.

Além da pedra carregada por duas horas na cabeça, os diários relatam a fome e o frio intensos, as doenças e o permanente desconforto.

Tanto quanto o relato, espanta a sobriedade com que a jovem Lili escrevia, escapando de sentimentalismos ou autocomiseração. "Era algo terrível mas, ainda assim, ríamos", escreveu.
No fim da guerra, após um período na Suécia, retornou à Sérvia, onde conheceu Aron Jaffe, outro judeu sobrevivente do horror da guerra. O rapaz caiu de amores por ela, mas, para Lili, tudo não passava de amizade.

Pouco depois, Aron teve que partir para a Hungria. Certa de que nunca mais o veria, ela o presenteou com o seu diário. Aron então preencheu as páginas restantes com juras de amor a ela (esses trechos não fazem parte do livro).

MEMÓRIA LITERÁRIA

Um ano mais tarde, o destino, como ela gosta de dizer, fez com que Lili também fosse para a Hungria, reencontrasse Aron e casasse com ele.

Parte da família do marido já morava no Brasil, e o casal tomou o mesmo rumo.

Em casa, a história dos pais e do diário guiou também a memória da filha. "O diário me constituiu", diz. "Era como um dever lembrar o que ela esqueceu. Meu gosto por literatura vem da necessidade de guardar."

Leda, filha de Noemi e, como ela, escritora, enxerga na literatura uma forma de refletir sobre a tragédia.

"Quando estive em Auschwitz, me questionava: o que eu faço com todo esse passado? Escrever também é uma maneira de lidar com o inexplicável."

Hoje o diário faz parte do acervo do Museu do Holocausto, em Israel. Noemi conta que as funcionárias ficaram eufóricas quando souberam.

Fonte: JL/Folha
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
02/05/18, 17:08 | OPERAÇÃO ARARATH - PGR denuncia ministro da Agricultura, Blairo Maggi, por corrupção
02/05/18, 16:07 | SEGURANÇA - Plano nacional fortalecerá polícias militares e corpos de bombeiros
02/05/18, 16:02 | ESTATÍSTICA - Mortes nas rodovias federais aumentaram 2% no 1º de maio
02/05/18, 15:59 | CRIME - Polícia prende dois em shopping de Teresina por estelionato
02/05/18, 14:58 | POLÍTICA - Policiais federais embarcam na política e sonham com ‘bancada da Lava Jato’
02/05/18, 14:52 | TECNOLOGIA - 65 bilhões de mensagens são enviadas pelo WhatsApp diariamente
02/05/18, 14:42 | DESABAMENTO - Acidente doméstico é principal hipótese de incêndio de prédio em SP
02/05/18, 14:40 | ECONOMIA - Conta de luz: maio começa com bandeira tarifária mais cara
02/05/18, 14:15 | ARTIGO - Crimes imprescritíveis e a corrupção
02/05/18, 13:45 | PRESTAÇÃO DE CONTAS - Partidos terão de devolver R$ 13 milhões aos cofres públicos; veja a lista
02/05/18, 07:52 | ARTIGO - Reflexões: “Dia do Trabalho e não Dia do Trabalhador”
01/05/18, 22:29 | POLÊMICA - Restrição do foro pelo STF deve provocar debate sobre prisão de parlamentar
01/05/18, 21:28 | RECURSOS PÚBLICOS - População pede que prefeito divulgue relação e números da dívida de Luzilândia
01/05/18, 21:17 | MOVIMENTO - Protesto em Brasília lembra Marielle e critica reforma trabalhista
01/05/18, 21:06 | MUNDO - Atos violentos marcam manifestação do Primeiro de Maio em Paris
01/05/18, 21:00 | MOVIMENTOS - Em no todo o país, o 1° de maio em defesa dos direitos trabalhistas
01/05/18, 20:34 | INCIDENTE - Há pelo menos três versões para o incêndio de prédio em SP
01/05/18, 20:26 | ENTREVISTA - Prefeito diz que SP tem 70 prédios em situação semelhante
01/05/18, 20:13 | DESABAMENTO - Bombeiros não localizaram 45 moradores em incêndio em SP
01/05/18, 13:47 | PROPINA - Temer refaz agenda, preocupado com depoimento da filha Maristela à PF
01/05/18, 13:31 | POLÍCIA - Mulher morta no PI pelo namorado sofreu uma semana de agressões
01/05/18, 13:21 | CRIMINALIDADE - Polícia prende quinto integrante de quadrilha suspeita de roubos a bancos no PI
01/05/18, 11:46 | PROTESTO - Diretora pede “Lula Livre” ao receber prêmio de Cinema no México
01/05/18, 11:35 | INCÊNDIO - Incêndio em SP destrói igreja e deixa o altar e a torre
01/05/18, 11:02 | DESVIOS - PF investiga 660 brasileiros com contas secretas na Suíça
01/05/18, 10:23 | INCÊNDIO - Temer é vaiado e hostilizado ao visitar prédio que desabou em SP
01/05/18, 09:07 | RECURSOS PÚBLICOS - Em 2017, Governo Federal repassou mais de R$ 46 milhões para Luzilândia
01/05/18, 08:11 | CORRUPÇÃO - Envolvido no caso Odebrecht, ex-presidente do Peru sai da prisão
01/05/18, 08:08 | COMEMORAÇÃO - 1º de maio: veja como países celebram o Dia do Trabalho
01/05/18, 07:26 | ACIDENTE - Prédio de 26 andares em chamas desaba no centro de São Paulo
« Anterior 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 | 391 - 420 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site