CBN - A rádio que toca notícia

REAÇÃO

'Reforma' trabalhista será alvo de disputa nas ruas e nos tribunais

Para representantes de trabalhadores e especialistas em direito, em debate no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, país já provou que é possível criar empregos sem reduzir direitos

13/11/17, 21:53

A

nova legislação trabalhistas sancionada pelo governo Temer, que entrou em vigor no último sábado (11), não está consolidada, e será alvo de disputa jurídica, nos tribunais do trabalho e instâncias superiores, e política, nas ruas, nas fábricas e nas eleições do ano que vem. Essas foram as impressões compartilhadas por especialistas do direito, sindicalistas e políticos, em debate promovido pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, realizado nesta segunda-feira (13), em São Bernardo do Campo. 

As mudanças na legislação, segundo os debatedores, foram feitas sem que os trabalhadores fossem consultados, e atendem, portanto, somente aos interesses da classe patronal, que pretende enfraquecer os sindicatos durante as negociações e criar obstáculos para o acesso à Justiça do Trabalho. O debate sobre o dia seguinte à reforma trabalhista também foi acompanhado de perto pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defende a realização de um referendo revogatório sobre essa e outras medidas do governo Temer. 

Ao contrário do discurso oficial do governo, que alega que as novas regras estimularão a criação de novas vagas de emprego, os participantes foram unânimes em dizer que o que, de fato, vai aumentar com a reforma trabalhista é a precarização das relações do trabalho e a queda dos rendimentos gerais dos salários. 

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, o efeito geral é que, se essa nova legislação não for revogada, todos os trabalhadores com o atual modelo de contratação serão demitidos, e recontratados de maneira precarizada, na forma de terceirizado, autônomo ou intermitente. 

Ele também criticou o dispositivo que consta da nova lei que considera que as negociações coletivas terão prevalência sobre a legislação, até mesmo quando retirarem direitos. Segundo Freitas, negociação sem a presença do sindicato, como legítimo representante dos trabalhadores, não pode ser considerada com uma negociação coletiva. "Não há negociação coletiva sem um sindicato forte", ressaltou. 

Vagner defendeu a união de sindicatos em macro-setores, que reúna todo um determinado seguimento de trabalhadores, para, assim, terem maior poder de negociação e menores custos de manutenção de estruturas de assistência jurídica, por exemplo. 

Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
05/11/17, 14:04 | EDUCAÇÃO - Quase 150 mil candidatos fazem o Enem no Piauí
05/11/17, 13:56 | MUNDO - Arábia Saudita decreta prisão de príncipes e ministros por corrupção
05/11/17, 13:44 | FÉ & ESPERANÇA - Em carta ao Papai Noel, menino de SC pede tratamento para o câncer: 'tenho medo de morrer'
05/11/17, 13:07 | ARTIGO - Direito Penal - doença mental, psicopatia e mente doentia
05/11/17, 11:59 | ECONOMIA - Novo Refis de Temer deixa rombo de R$ 4 bi no Orçamento de 2018
05/11/17, 11:51 | ENTREVISTA - Ministro do STF questiona moralidade da eventual candidatura de Lula
05/11/17, 09:32 | ESPORTE - Kaká ganha placa em seu último jogo pelo Orlando City
04/11/17, 22:11 | PROVAS - Inep não vai recorrer de decisão do Supremo sobre redação do Enem
04/11/17, 22:07 | EDUCAÇÃO - STF nega pedidos para zerar redação do Enem que ferir direitos humanos
04/11/17, 21:57 | POLÍTICA - TSE vai julgar Bolsonaro e Lula por antecipação de campanha eleitoral
04/11/17, 21:52 | CRIME - Homens armados invadem partida de futebol e matam dois no RN
04/11/17, 21:18 | POLÊMICA - Justiça persegue juízes por protestar contra o impeachment, mas esquece os que foram a favor
03/11/17, 15:52 | CRIME - Governo suspende parte das investigações da Lava Jato
03/11/17, 15:42 | MUNDO - Merkel é eleita a mulher mais poderosa do mundo pela 7ª vez
03/11/17, 15:29 | EDUCAÇÃO - Enem: cerca de 5 milhões já consultaram seus locais de prova
03/11/17, 14:54 | ESPORTE - COI lança manual de proteção de atletas contra assédio e abusos
03/11/17, 14:00 | LEGISLAÇÃO - Proibir delações de presos é tentativa da Câmara de destroçar Lava Jato
03/11/17, 13:45 | POLÊMICA - ‘Acabou a ingenuidade’ em casos de corrupção, diz juiz do recurso de Lula
03/11/17, 12:53 | ARTIGO - RELEVÂNCIA DO DIREITO: Juízo de Prelibação e Juízio de Delibação
03/11/17, 12:36 | POLÍTICA - Ex-presidente Lula divide o Brasil, diz jornal 'Washington Post'
03/11/17, 12:32 | CRIME - Réus com dupla nacionalidade atrapalham processos de Moro na Lava Jato
03/11/17, 12:21 | OPINIÃO - LEIA O ARTIGO - Temer: o nada
02/11/17, 18:25 | ECONOMIA - Desigualdade entre homens e mulheres aumenta. Brasil cai 11 posições em ranking
02/11/17, 17:52 | CRIME - Família de capitão teme que clamor social o leve ao suicídio na prisão
02/11/17, 17:42 | EDUCAÇÃO - Revisão para o Enem lota auditório e arrecada alimentos em Teresina
02/11/17, 17:38 | CELEBRIDADES - Gêmeas do nado exibem silhueta em biquíni
02/11/17, 17:20 | MUNDO - Justiça da Espanha decreta prisão de líderes da Catalunha
02/11/17, 17:09 | CRÍTICA - 'Poder não existe para proteger amigos', diz Barroso, sem citar Gilmar
02/11/17, 09:06 | PES - Para 74% da população, Câmara errou ao rejeitar a denúncia contra Temer
02/11/17, 08:57 | CRIME - População faz protesto pela morte de Camilla Abreu e por feminicídios no PI
« Anterior 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site