CBN - A rádio que toca notícia

ARTIGO

Caso Emily: Não se trata de exoneração, mas de anulação do ato

Salvo melhor juízo, e respeitosamente, entendo não se tratar de exoneração, nem tampouco de revogação, mas, sim, de anulação do ato administrativo que nomeou o militar

11/01/18, 09:38
Por Miguel Dias Pinheiro, advogado (foto)
 
O
Comando Geral da Polícia Militar noticiou que encaminhou ao governador do Estado do Piauí, Wellington Dias, a decisão judicial que revogou a liminar que levou o soldado PM-PI, acusado de matar a garota Emily, a integrar o quadro militar mesmo tendo sido reprovado no exame psicológico.

Noticiou-se, também, que ao governador foi sugerido que exonerasse o militar com base na respectiva decisão judicial.

Salvo melhor juízo, e respeitosamente, entendo não se tratar de exoneração, nem tampouco de revogação, mas, sim, de anulação do ato administrativo que nomeou o militar.

A Súmula 473, do Supremo Tribunal Federal, tem a seguinte redação: “A Administração pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornem ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial”.

Observem que a Súmula tem dois núcleos jurídicos distintos. O primeiro, permite que a Administração possa “... anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornem ilegais,...” O segundo núcleo, permite ao gestor “... revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade,...” Em ambos, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial.

No caso concreto do militar que matou a garota, o ato de admissão aos quadros da PM-PI foi, segundo o Judiciário, eivado de vício na origem. Vício que o tornou ilegal por ofensa aos princípios da legalidade, da finalidade, da motivação e do interesse público.

A anulação, na forma da Súmula invocada, implica na invalidade do ato por vício original. Cujo desfazimento deve ser feito “ex tunc”, isto é, com efeitos retroativos, porquanto produziu no tempo efeitos provenientes de direitos inexistentes.

“Contrariu seusu”, a revogação ou exoneração, como queiram chamar, terá sempre efeitos “ex nunc”, ou seja, a partir de então, implicando dizer que o ato de nomeação do policial fora legítimo e não viciado no nascimento. O que não é o caso. Por isso, não se trata de exoneração (ou revogação), mas, de anulação, na forma da primeira parte da Súmula do Supremo Tribunal Federal.

Para argumentar, ocorrendo exoneração (ou revogação) sem preceder-se ao inquérito administrativo, com atenção aos princípios do contraditório, do devido processo legal e da ampla defesa, o ato da autoridade que revogar a nomeação poderá encaminhar-se para o risco da contestação e, por conseguinte, da anulabilidade.

Portanto, é preciso ter em mente essa diferença entre anulação e revogação (ou exoneração) no âmbito do Direito Administrativo. Como regra geral, o ato administrativo vale até que outro o anule ou revogue. Assim, desde o nascedouro, seja o ato administrativo legítimo ou não, ele produz seus efeitos, em face da presunção de legitimidade e de veracidade. Portanto, duas são as maneiras de um ato ser desfeito: pela anulação ou pela revogação (exoneração no campo do pessoal da Administração Pública).

Ainda para argumentar, socorro-me da lição de Douglas Cunha, Professor de Cursos Preparatórios para Concursos, Pós-Graduado em Direito Administrativo, autor do livro “Temas de Direito Administrativo: uma visão rápida e prática”, segundo qual “a anulação é quando o ato afronta a lei, quando foi produzido com alguma ilegalidade. Opera efeito retroativo, “ex tunc”, como se nunca tivesse existido, exceto em relação a terceiros de boa-fé. Entre as partes, não gera direitos ou obrigações, não constitui situações jurídicas definitivas, nem admite convalidação. E revogação é a forma de desfazer um ato válido, legítimo, mas que não é mais conveniente, útil ou oportuno”.

Então, claro, o governador terá duas opções: anular ou revogar o ato (implicando na exoneração). Os efeitos dessa decisão é que não serão os mesmos. Uma opção anula um ato viciado na origem, que não produziu efeitos legais. A outra se revoga (pela exoneração) um ato legítimo (?) que produziu efeitos legais. Evidentemente, a primeira opção será a correta.

Para ficar bem entendido e muito bem claro para todos, vamos à seguinte regra do Direito Administrativo: “Podem ser anulados os atos ‘nulos’ e os atos ‘anuláveis’. Poderão ser revogados os atos que, sem qualquer defeito e, portanto, legítimos e eficazes, não forem mais convenientes à Administração Pública”. Veja que há uma fundamental diferença entre anulação e revogação (que implica em exoneração). O ato nulo não produz efeitos. O revogado, sim. Pronto! Aqui se resume tudo!

Fonte: JL
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
03/07/18, 18:04 | FUTEBOL - Pela primeira vez, Inglaterra vence nos pênaltis em uma Copa
03/07/18, 16:33 | COPA DO MUNDO - Suécia vence Suíça e avança para as quartas de final
03/07/18, 15:08 | ARTIGO - É possível o julgamento de demandas eleitorais repetitivas
03/07/18, 14:43 | ARTIGO - Pena de Morte versus Direito à Vida
03/07/18, 14:25 | TRANSPORTE - Alunos protestam por colegas que não podem ir à aula no PI
03/07/18, 14:20 | CRIME - Eike Batista é condenado a 30 anos por corrupção e lavagem
03/07/18, 14:17 | SAÚDE PÚBLICA - Manaus decreta situação de emergência diante de surto de sarampo
03/07/18, 11:05 | CORRUPÇÃO & PROPINA - TCU pede para Supremo Tribunal regular uso de delações
03/07/18, 10:59 | ECONOMIA - 46% dos usuários do cheque especial recorrem ao limite todos os meses
03/07/18, 10:37 | COPA DO MUNDO - ‘Não sei como pará-lo’, diz jogador belga sobre Neymar
03/07/18, 10:30 | COPA DO MUNDO - Brasil chega às quartas com equilíbrio defensivo e um ataque fatal
03/07/18, 10:09 | COPA DO MUNDO - Três europeus e Colômbia definem últimas vagas para as quartas
03/07/18, 10:07 | VIOLÊNCIA - Falta de segurança custou R$ 365 bilhões ao Brasil em 2017, diz CNI
03/07/18, 09:55 | JUDICIÁRIO - Toffoli cassa decisão de Moro e livra Dirceu de tornozeleira
03/07/18, 09:18 | ECONOMIA - Parecer da LDO veta renúncia fiscal, reduz custeio e congela salários
03/07/18, 09:15 | TECNOLOGIA - Encontro vai discutir uso de "identidades virtuais" no serviço público
03/07/18, 09:12 | ECONOMIA - Inflação medida pelo IPC-S sobe em seis capitais de maio para junho
03/07/18, 08:52 | POLÍTICA - Câmara pode votar nesta quarta projeto da Escola sem Partido
03/07/18, 08:48 | JUSTIÇA - Petrobras perde US$ 622 milhões em processo de arbitragem no exterior
03/07/18, 08:12 | ECONOMIA - Brasil perdeu 6,7 milhões de linhas de celular em um ano
02/07/18, 20:15 | COPA - Repórter da Globo é agredido por torcedores brasileiros na Rússia
02/07/18, 19:27 | LEVANTAMENTO - Número de motos é maior que o de carros em 45% das cidades
02/07/18, 19:03 | COPA DO MUNDO - Mexicanos fazem festa no Rio, mas lamentam derrota para o Brasil
02/07/18, 18:22 | COPA DO MUNDO - Bélgica vira no último lance e tira o Japão do caminho do Brasil
02/07/18, 15:11 | PROTESTO - Em show no Circo Voador, plateia pede “Lula livre”
02/07/18, 14:52 | BENEFÍCIOS - Saiba como fugir dos golpes aplicados nos aposentados
02/07/18, 14:33 | COPA DO MUNDO - Neymar é eleito melhor em campo em votação da Fifa
02/07/18, 13:48 | FUTEBOL - Como artilheiros brasileiros em Copas, Neymar passa Garrincha, Romário e Zico
02/07/18, 13:42 | PESQUISA - Mulheres são minoria nas ciências, diz pesquisadora da Unesco
02/07/18, 13:29 | COPA DO MUNDO - Brasil segura o ataque mexicano e vence por 2 a 0
« Anterior 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site