CBN - A rádio que toca notícia

NOVO GOVERNO

Metade do ministério de Bolsonaro vem de família de políticos ou militares

Entre os seis ministros de origem militar, quatro descendem de oficiais da polícia ou das Forças Armadas, assim como o vice-presidente, o general Hamilton Mourão. Os cinco parlamentares que se afastaram do Congresso para ser empossados vêm de famílias com tradição política

05/01/19, 19:10

M

uitos dos nomes são novos na política. Mas os sobrenomes nem tanto. O presidente Jair Bolsonaro pode ter inovado ao não pedir aos partidos a indicação de ministros, mas em ao menos um ponto o seu ministério repete os anteriores: o peso da tradição familiar fala alto.

Levantamento feito por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), publicado com exclusividade pelo Congresso em Foco, mostra que pelo menos metade dos 22 novos auxiliares diretos do presidente procedem de famílias de políticos ou militares.

São filhos, netos e sobrinhos de oficiais, parlamentares, ex-governadores, entre outras autoridades. Há, ainda, representantes de famílias com forte presença no Judiciário, na diplomacia e na elite empresarial.

“O antigo e o arcaico prosseguem no Brasil quando se deveria aparentemente renovar. É a continuidade do antigo regime. São famílias que já estavam no poder há 50 ou mais de 100 anos, tanto no meio empresarial, no agroindustrial, na burocracia, na elite política, militar ou da magistratura”, observa o cientista político e social Ricardo Costa Oliveira, professor da UFPR responsável pela pesquisa e principal referência no estudo sobre a genealogia do poder no país. “A política é um negócio de família no Brasil”, resume.

Entre os seis ministros de origem militar, quatro descendem de oficiais da polícia ou das Forças Armadas, assim como o vice-presidente, o general Hamilton Mourão. Os cinco parlamentares que se afastaram do Congresso para ser empossados vêm de famílias com tradição política.

“A maioria do ministério tem fortes vínculos familiares de grande importância social e política. Poucos são novos emergentes. De origem popular mesmo, só a pastora Damares Alves [ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos]. Há uma reprodução do poder tradicional muito intensa no Brasil”, explica Ricardo Oliveira. “Há uma mentalidade política, uma tradição militar que são herdadas da família, dos pais, dos valores, das visões de mundo deles”, considera.

Clã Bolsonaro

O modelo continua se reproduzindo. Filho de uma dona de casa e de um dentista prático, o novo presidente inaugurou o seu próprio clã político, com os filhos Carlos, vereador no Rio, Flávio, deputado estadual e senador eleito, e Eduardo, reeleito deputado federal com a maior votação da história da Câmara.

Aos 20 anos, o quarto filho, Renan, também tem demonstrado gosto pela política. “Tá no sangue dele”, disse à Folha de S.Paulo Ana Cristina Valle, mãe do estudante de Direito e segunda esposa de Bolsonaro. Primeira esposa do presidente e mãe de Flávio, Carlos e Eduardo, Rogéria Nantes foi vereadora no Rio. Mesmo separada há anos de Bolsonaro, Ana Cristina usou o sobrenome do ex-marido na eleição para deputada federal em 2018. Não se elegeu.

Sangue verde oliva

Pelas veias do general Mourão corre sangue verde oliva. Ele é filho do também general de divisão Antonio Hamilton Mourão, que foi adido militar do Brasil nos Estados Unidos. Por causa dos deslocamentos do pai amazonense, o vice-presidente nasceu em Porto Alegre, onde viveu parte da juventude. Também chamado Antonio Hamilton Mourão, o avô dele presidiu o Tribunal de Justiça do Amazonas. A família – ressalte-se – não tem parentesco com outro famoso general, Olimpio Mourão Filho, um dos articuladores do golpe militar de 1964.

O peso da tradição familiar está longe de ser exclusividade do governo Bolsonaro. Repete-se em todo o país e chega com força a Brasília. Na primeira equipe de Michel Temer, 17 ministros eram de família de políticos. Entre os 26 prefeitos de capital, 16 têm parentesco com outros políticos, conforme pesquisa da UFPR. Levantamento exclusivo do Congresso em Foco, publicado no final de 2017, revelou que que quase 70% dos parlamentares têm parentes na política – o dobro da média da Índia, o país conhecido pelas velhas castas.

Veja a genealogia dos ministros de Bolsonaro, segundo pesquisa do Núcleo de Estudos Paranaenses, da UFPR.

Os militares

Augusto Heleno
Um dos principais conselheiros de Bolsonaro, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) é filho de Ary de Oliveira Pereira, promovido de tenente-coronel para o coronel do Exército pelo então presidente Emílio Garrastazu Médici em 1972. Ary também era professor do Exército e morreu ainda na década de 70.

Bento Costa Lima
Ministro de Minas e Energia, o almirante da Marinha é filho do ex-tenente do Exército e ex-promotor militar Bento Costa Lima Leite de Albuquerque. O pai do ministro entrou para o Ministério Público Militar depois de retornar da Itália, onde combateu na Segunda Guerra Mundial. Foi procurador-geral da Justiça Militar em 1955 e faleceu em 1960, quando o almirante ainda era criança. O ministro é neto do desembargador Francisco Leite de Albuquerque, que presidiu o Tribunal de Justiça do Ceará.

Carlos Alberto dos Santos Cruz
O ministro da Secretaria de Governo é filho de Júlio Alcino dos Santos Cruz, oficial da Brigada Militar (o equivalente à Polícia Militar) do Rio Grande do Sul. Outros integrantes da família também ocuparam cargos militares na fronteira do Rio Grande do Sul com países vizinhos.

Fernando Azevedo Silva
General do Exército, o ministro da Defesa é filho do coronel Gilberto Antonio Azevedo Silva, também do Exército. O pai dele organizou o primeiro curso de forças especiais no Brasil após fazer um estágio nos Estados Unidos em 1957.

Os parlamentares

Onyx Lorenzoni
Um dos nomes mais fortes do atual governo, o ministro da Casa Civil tem a mesma profissão do pai e do filho, médico veterinário. A família possui um dos principais hospitais veterinários de Porto Alegre. O avô materno, Major Sátiro Dornelles de Oliveira Filho, foi prefeito de Vacaria, entre 1938 e 1945. Proprietário rural, foi dono do 6º Tabelionato de Notas de Porto Alegre e era casado com Gabriela Duarte, outra família fincada na política de Vacaria. Genealogistas gaúchos apontam parentesco distante entre Onyx e o ex-presidente Getúlio Vargas. Ambos têm Dornelles como sobrenome do meio. O ministro prepara um herdeiro para a política: seu filho Rodrigo Lorenzoni foi candidato a deputado estadual em 2018, mas não se elegeu. Rodrigo presidiu o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul, posto já ocupado pelo pai.

Tereza Cristina
Como deputada, a atual ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento presidiu em 2018 a Frente Parlamentar do Agronegócio, a chamada bancada ruralista. A família da engenheira agrônoma tem forte tradição no agronegócio e na política. É neta e bisneta de dois ex-governadores de Mato Grosso, antes do desmembramento de Mato Grosso do Sul: Fernando Corrêa da Costa e Pedro Celestino. Militar, Celestino foi presidente do estado por dois mandatos: de 1908 a 1911 e de 1922 a 1924. Fernando Corrêa governou entre 1947 e 1951. Também foi prefeito de Campo Grande e senador.

Luiz Henrique Mandetta
Deputado licenciado, o ministro da Saúde tem ramificações com a principal família política de Mato Grosso do Sul. É sobrinho de Terezinha Mandetta, que foi casada com o ex-deputado Nelson Trad, já falecido. É primo do senador eleito Nelsinho Trad, do prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, do deputado reeleito Fábio Trad e do vereador da capital sul-mato-grossense Otávio Trad.

Osmar Terra
O ministro da Cidadania é deputado licenciado pelo MDB do Rio Grande do Sul e médico. Descende de duas famílias gaúchas tradicionais: Terra e Paim. É bisneto do coronel da Guarda Nacional Avelino Paim de Souza e sobrinho-neto do ex-senador Paim Filho.

Marcelo Álvaro Antônio
Deputado mais votado por Minas Gerais em 2018, o ministro do Turismo é batizado, na verdade, como Marcelo Henrique Teixeira Dias. Mas, ao ingressar na política, aproveitou-se da popularidade do pai – o ex-deputado da Arena e do MDB Álvaro Antônio Teixeira Dias – e misturou os dois nomes. A família tem como principal reduto eleitoral a região do Barreiro, em Belo Horizonte. O ministro é da igreja evangélica Maranata.

Justiça, indústria, política e diplomacia

Sergio Moro
O ministro da Justiça e Segurança Pública, que se tornou conhecido nacionalmente ao conduzir os processos da Operação Lava Jato em Curitiba, é filho de um casal de professores do interior do Paraná. Com outros parentes no Judiciário, o ministro é primo do desembargador Hildebrando Moro. Os lanços familiares com a política, porém, vêm de sua esposa, a advogada Rosângela Wolff, descendente de duas tradicionais famílias paranaenses (Wolff e Macedo). Com vários parentes no Judiciário, Rosângela é prima distante do prefeito de Curitiba, Rafael Grecca, e do ex-governador Beto Richa.

Gustavo Bebianno
Ministro da Secretaria Geral da Presidência, advogado, ex-presidente do PSL e amigo de Bolsonaro, Bebianno vem de uma família com forte presença no meio empresarial do Rio de Janeiro. É neto de Ademar Alves Bebianno, que dá nome à estrada velha da Pavuna e que controlava o grupo América Fabril, considerada uma das maiores indústrias do Rio no século passado. Seu bisavô era parente próximo do 1º Visconde de Castanheira de Pera Antonio Alves Bebianno, considerado um dos homens mais ricos de Portugal no século 19.

Ernesto Araújo
O ministro das Relações Exteriores é filho do ex-procurador-geral da República Henrique Fonseca de Araújo, que ocupou o cargo no final dos anos 70. Henrique também foi deputado estadual no Rio Grande do Sul. O ministro tem o mesmo nome de um tio que foi almirante da Marinha e diretor da Escola Superior de Guerra. Os laços familiares de Ernesto também se estendem pelo Itamaraty: é casado com a também diplomata Maria Eduardo de Seixas Corrêa e genro do embaixador Luiz Felipe de Seixas Corrêa, ex-secretário-geral do Ministério das Relações Exterior.

Roberto Campos Neto
Indicado para presidir o Banco Central pelo presidente Jair Bolsonaro, o economista aguarda a aprovação de seu nome pelo Senado, o que deve ocorrer em fevereiro, para assumir o cargo. O avô, Roberto Campos, é considerado um dos maiores pensadores da direita brasileira. O currículo de Roberto Campos é extenso: diplomata, foi assessor econômico de Getúlio Vargas, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) do governo Juscelino Kubitschek e ministro do Planejamento no governo militar de Castelo Branco. Depois de deixar o Executivo, Roberto Campos foi deputado federal e senador. Imortal da Academia Brasileira de Letras, morreu em 2001.

Os não herdeiros

Paulo Guedes
A mãe do superministro da Economia trabalhava no instituto de resseguros e o pai era vendedor de livros. Sua irmã, Elizabeth Guedes, é ligada à educação privada. Não foram encontradas mais informações sobre sua família.

Marcos Pontes
O ministro da Ciência e Tecnologia é tenente-coronel da Aeronáutica. Foi primeiro brasileiro a ir para o espaço. Não foram identificados vínculos familiares com outros militares.

Damares Alves
A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos nasceu no Paraná, mas cresceu em Sergipe e viveu em outros estados do Nordeste. De origem humilde, é filha de um pastor e uma dona de casa. Também é pastora da Igreja do Evangelho Quadrangular.

Ricardo Vélez Rodríguez
Colombiano naturalizado brasileiro, o ministro da Educação é teólogo, filósofo, ensaísta e professor da Escola do Exército. Não foram encontradas outras informações sobre sua família.

Ricardo de Aquino Salles
O ministro do Meio Ambiente é filho de um casal de advogados formados na Universidade de São Paulo (USP). É sócio da mãe em um escritório e neto de um engenheiro urbanista. Não foram encontradas outras informações sobre sua família.

Gustavo Canuto
Ministro do Desenvolvimento Regional, também fez carreira na burocracia em Brasília. Filho de médicos, é servidor efetivo do Ministério do Planejamento, agora incorporado ao Ministério da Economia. Não foram encontradas outras informações sobre sua família.

Tarcísio Gomes de Freitas
Engenheiro militar e capitão da reserva, o ministro da Infraestrutura é consultor legislativo da Câmara. Não foram encontradas outras informações sobre sua família.

André Luiz de Almeida Mendonça
O ministro da Advocacia Geral da União é pastor, mas fez sua carreira como servidor público. Não foram encontradas outras informações sobre sua família.

Wagner Rosário
Único ministro remanescente do governo Michel Temer, o chefe da Controladoria Geral da União foi capitão do Exército e é funcionário de carreira da CGU. Não foram encontradas outras informações sobre sua família.
 
Fonte: JL/Congresso em Foco
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
22/03/19, 21:22 | POLÍTICA - Dois assessores de Bolsonaro doaram mais de R$ 100.000 reais a campanhas da família
22/03/19, 20:45 | CRISE - Bolsonaro compara Maia a namorada que separa e pede diálogo
22/03/19, 20:36 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Ministro do Supremo nega liberdade ao ex-ministro Moreira Franco
22/03/19, 17:45 | ARTIGO - Prisão de Temer não merece comemoração e nem solidariedade
22/03/19, 17:23 | ARTIGO - Entregou o coração da Democracia numa bandeja e foi para a cadeia
22/03/19, 16:53 | ECONOMIA - Devedores contumazes da União poderão ter CNPJ cancelado
22/03/19, 16:47 | POLÍTICA - 'Será necessário o uso da força na Venezuela', diz filho de Bolsonaro
22/03/19, 16:42 | POLÍTICA - Isolado, Temer vivia amargurado desde que deixou a presidência
22/03/19, 16:20 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Michel Temer fica em silêncio em depoimento na Políca Federal no Rio
22/03/19, 16:13 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Desembargador nega liminar em habeas corpus e Temer permanece preso
22/03/19, 13:48 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Veja as 10 investigações e acusações contra o ex-presidente Temer
22/03/19, 13:15 | NOMEAÇÕES - Comissionado que não atender critério de idoneidade será exonerado
22/03/19, 13:12 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Associação dos Delegados da PF defende ação na prisão de Temer
22/03/19, 13:10 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Temer, Moreira e coronel Lima prestam depoimento na PF no Rio
22/03/19, 12:51 | EDITORIAL O GLOBO - Prisão do ex-presidente Temer é demonstração de força da Lava-Jato
22/03/19, 11:58 | PREVENÇÃO - Com alerta de temporais, Governo envia mais 20 bombeiros a Parnaíba-PI
22/03/19, 11:48 | MELHOR AMIGO - Cães permanecem ao lado de motorista após acidente e são resgatados
22/03/19, 11:36 | CRIME - Justiça bloqueia bens de investigados por fraude em licitações de obras no Piauí
22/03/19, 11:30 | ARTIGO - As elites racharam e o pacto que lhes deu poder agora corre risco
22/03/19, 11:23 | POLÍTICA - Rodrigo Maia avisa Guedes que está fora da articulação para Reforma da Previdência
22/03/19, 11:05 | POLÍTICA - Maia se irrita com Carlos e ameaça 'abandonar' Previdência
22/03/19, 10:56 | INVESTIGAÇÃO CRIMINAL - Delação que pode atingir Fux faz STF ligar sinal vermelho
21/03/19, 20:39 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Juiz: Prisão de Temer é para evitar destruição de provas
21/03/19, 20:35 | PRISÃO - Sobre prisão de Temer, Bolsonaro diz: 'Justiça nasceu para todos'
21/03/19, 20:30 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Prisão de Temer deixa a esposa Marcela em estado de choque
21/03/19, 20:17 | QUADRILHA - Coaf detectou tentativa de depósito de R$ 20 milhões em espécie para operador quando Temer ainda era presidente
21/03/19, 17:27 | PRISÃO - Coronel Lima escondeu celulares no sofá quando a PF chegou
21/03/19, 17:21 | LAVA JATO - Temer foi grampeado antes de prisão para identificar endereço
21/03/19, 17:16 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Michel Temer entra com pedido de habeas corpus no TRF-2
21/03/19, 16:08 | POLÍTCA - Prisão de Michel Temer pode ter sido soco no estômago da Reforma da Previdência
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site