CBN - A rádio que toca notícia

HISTÓRIA

Ustra: “Herói” de Bolsonaro e Mourão torturava mulheres grávidas

Criméia estava grávida de sete meses e diz que Ustra foi o primeiro a torturá-la no DOI-Codi. Ao saber que ela tinha sido presa com identidade falsa, já que vivia nesta época na clandestinidade após escapar da Guerrilha do Araguaia, Ustra foi até a sua cela aos gritos. A Guerrilha do Araguaia foi o maior combate rural contrário ao regime ditatorial

09/09/18, 15:24

E

x-guerrilheira do PC do B que combateu a ditadura militar (1964-1985), Crimeia Schmidt foi presa em dezembro de 1972 e levada para o DOI de São Paulo que, à época, estava sob o comando de Carlos Alberto Brilhante Ustra, o ex-coronel homenageado pelo deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) em seu voto a favor do impeachment na Câmara no último domingo (17).

Criméia estava grávida de sete meses e diz que Ustra foi o primeiro a torturá-la no DOI-Codi. Ao saber que ela tinha sido presa com identidade falsa, já que vivia nesta época na clandestinidade após escapar da Guerrilha do Araguaia, Ustra foi até a sua cela aos gritos. A Guerrilha do Araguaia foi o maior combate rural contrário ao regime ditatorial.

Ao Blog, Criméia afirmou que foi espancada pelo ex-coronel, neste primeiro momento, até ficar desacordada. “Me espancou muito. Eu cheguei a perder a consciência. Ele me tirou da cela puxando pelos cabelos e me batendo na cara. Aí eu fui sendo arrastada por ele ali no corredor das celas, apanhando. Antes de subir as escadas, eu perdi a consciência e acordei na sala da tortura toda urinada”.

O martírio de Criméia estava só começando. Nos dias seguintes, ela continuou sendo torturada pela equipe de Ustra. “Era espancamento, palmatória nos pés e nas mãos, choque elétrico em partes do corpo durante o interrogatório contínuo. Teve uma vez que eu fiquei o dia, a noite e o outro dia, até bem noite, sendo torturada e interrogada”, conta a ex-militante.

Segundo ela, após aquele primeiro momento onde Ustra participou diretamente da tortura, ele entrava na sala durante as sessões para dar uns “tapas e safanões” nela e saía, deixando o resto sob o comando de sua equipe. Sabia, contudo, de tudo que ocorria contra ela em um órgão de Estado, construído originalmente com a função de proteger os brasileiros. No caso de Criméia, grávida, um médico foi chamado para apontar aos torturadores como eles deveriam proceder durante a tortura.

Ao chegar em casa de uma manifestação pró-Dilma neste domingo (17), a ex-guerrilheira disse que viu Bolsonaro dar o seu voto, definido por ela como chocante e lamentável. “É crime o que ele fez: apologia de Estado totalitarista”.

Segundo a Lei 7.170, de 1983, é “crime fazer, em público, propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social” ou “incitar à subversão da ordem política ou social e à animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições”.

Como informou o Blog esta semana, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) estuda tomar medidas contra Bolsonaro por “clara apologia ao crime”. A OAB-RJ e o Instituto Vladimir Herzog pedem a cassação de seu mandato. A Procuradoria Geral da República vai analisar mais de 17 mil manifestações contra ele recebidas após o voto na sessão do último domingo.

Após ação movida por Criméia e dois de seus parentes, Ustra foi apontado pela Justiça como torturador, o primeiro militar brasileiro nesta condição por crimes durante a ditadura. O ex-coronel faleceu ano passado e o voto de Bolsonaro foi em “sua memória”.

Em 2007, escrevi, como repórter da revista “Época”, a reportagem “Torturado antes de nascer”. Nela, conto a história do filho de Criméia, João Carlos Grabois, que nasceu num hospital de uma guarnição do Exército de Brasília, em 13 de fevereiro de 1973, longe das mãos de Ustra, mas marcado por elas. Na ocasião da matéria, Joca, como é conhecido, acabara de ser reconhecido pelo Estado como preso político da ditadura quando ainda era apenas um feto, em sua vida intra-uterina.

Fonte: JL/Elpaís
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
17/01/19, 22:02 | INVESTIGAÇÃO CRIMINAL - Fux diz que “protege” processo ao suspender o caso Queiroz
17/01/19, 21:59 | REPERCUSSÃO - Líderes do MBL criticam Flávio Bolsonaro por caso Queiroz
17/01/19, 21:54 | INTERNACIONAL - Atentado com carro-bomba mata ao menos dez em Bogotá
17/01/19, 21:41 | POLÍTICA - Área militar do governo mostra desconforto com suspensão da investigação do caso Queiroz
17/01/19, 21:21 | POLÊMICA - Ministros do STF ficaram surpresos com pedido de Flávio Bolsonaro
17/01/19, 17:59 | CRIME - Bernardo Mello Franco: Flávio Bolsonaro diz que não é, mas age como investigado
17/01/19, 17:48 | CASO QUEIROZ - 'Eu não quero foro privilegiado', disse Jair Bolsonaro ao lado de Flávio em 2017
17/01/19, 17:40 | POLÊMICA - Desembargadora que atacou Marielle diz que Boulos vai ser 'recebido a bala'
17/01/19, 16:41 | ARTIGO JURÍDICO - Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica
17/01/19, 16:22 | POLÊMICA - Liberação da posse de armas é 'projeto de morte mal-intencionado'
17/01/19, 16:17 | POLÊMICA - Ativistas temem explosão da violência no campo com flexibilização da posse de armas
17/01/19, 16:12 | REPERCUSSÃO - Decreto sobre armas pode elevar feminicídios e suicídios, aponta Sou da Paz
17/01/19, 14:35 | DESCASO - Prefeito de Luzilândia comete crime de improbidade e Receita bloqueia recursos
17/01/19, 13:54 | DESCASO - Deputado defensor da liberação da caça de animais vai comandar órgão de proteção florestal
17/01/19, 13:46 | CRIME - Policiais prendem suspeito de ter participado de ataque a Martha Rocha
17/01/19, 13:41 | INVESTIGAÇÃO - BOMBA: Investigado preso por assassinato de Marielle incrimina vereador aliado de Bolsonaro
17/01/19, 13:26 | ECONOMIA - Estados fazem pressão por socorro federal para equilibrar contas
17/01/19, 13:18 | POLÊMICA - Gisele Bündchen diz à ministra da Agricultura que mau brasileiro é quem desmata
17/01/19, 13:11 | CONFLITO - Ministro do STF manda suspender investigação sobre Queiroz, diz MP
17/01/19, 12:52 | CRIME - Procuradora aposentada condenada por torturar criança é presa no Rio
16/01/19, 19:25 | VATICANO - Papa pede a bispos que evitem esconder casos de abusos contra crianças
16/01/19, 19:15 | ECONOMIA - Aposentadoria de quem ganha acima do mínimo sobe 3,43%
16/01/19, 19:10 | ECONOMIA - Contribuição previdenciária vai mudar no salário pago em fevereiro
16/01/19, 18:42 | REFORMA - Sem incluir militares, reforma da Previdência perde, diz Paulo Guedes
16/01/19, 18:37 | POLÊMICA - Decreto sobre posse de armas favorece quem tem antecedentes criminais
16/01/19, 18:01 | ESPORTE - Juventus vence o Milan e é campeão da Supercopa da Itália
16/01/19, 13:32 | NOVA REGRA - Presunção de "efetiva necessidade" de posse de arma viola Constituição
16/01/19, 13:27 | EFEITO REBOTE - Comunidade jurídica diverge quanto à eficácia de decreto de armas
16/01/19, 12:41 | VIOLÊNCIA - Após decreto, interesse por armas cresce em lojas, mas preço assusta
16/01/19, 12:35 | ENTREVISTA - Autor do texto, Moro minimiza alteração no decreto de armas
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site