CBN - A rádio que toca notícia

HISTÓRIA

Ustra: “Herói” de Bolsonaro e Mourão torturava mulheres grávidas

Criméia estava grávida de sete meses e diz que Ustra foi o primeiro a torturá-la no DOI-Codi. Ao saber que ela tinha sido presa com identidade falsa, já que vivia nesta época na clandestinidade após escapar da Guerrilha do Araguaia, Ustra foi até a sua cela aos gritos. A Guerrilha do Araguaia foi o maior combate rural contrário ao regime ditatorial

09/09/18, 15:24

E

x-guerrilheira do PC do B que combateu a ditadura militar (1964-1985), Crimeia Schmidt foi presa em dezembro de 1972 e levada para o DOI de São Paulo que, à época, estava sob o comando de Carlos Alberto Brilhante Ustra, o ex-coronel homenageado pelo deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) em seu voto a favor do impeachment na Câmara no último domingo (17).

Criméia estava grávida de sete meses e diz que Ustra foi o primeiro a torturá-la no DOI-Codi. Ao saber que ela tinha sido presa com identidade falsa, já que vivia nesta época na clandestinidade após escapar da Guerrilha do Araguaia, Ustra foi até a sua cela aos gritos. A Guerrilha do Araguaia foi o maior combate rural contrário ao regime ditatorial.

Ao Blog, Criméia afirmou que foi espancada pelo ex-coronel, neste primeiro momento, até ficar desacordada. “Me espancou muito. Eu cheguei a perder a consciência. Ele me tirou da cela puxando pelos cabelos e me batendo na cara. Aí eu fui sendo arrastada por ele ali no corredor das celas, apanhando. Antes de subir as escadas, eu perdi a consciência e acordei na sala da tortura toda urinada”.

O martírio de Criméia estava só começando. Nos dias seguintes, ela continuou sendo torturada pela equipe de Ustra. “Era espancamento, palmatória nos pés e nas mãos, choque elétrico em partes do corpo durante o interrogatório contínuo. Teve uma vez que eu fiquei o dia, a noite e o outro dia, até bem noite, sendo torturada e interrogada”, conta a ex-militante.

Segundo ela, após aquele primeiro momento onde Ustra participou diretamente da tortura, ele entrava na sala durante as sessões para dar uns “tapas e safanões” nela e saía, deixando o resto sob o comando de sua equipe. Sabia, contudo, de tudo que ocorria contra ela em um órgão de Estado, construído originalmente com a função de proteger os brasileiros. No caso de Criméia, grávida, um médico foi chamado para apontar aos torturadores como eles deveriam proceder durante a tortura.

Ao chegar em casa de uma manifestação pró-Dilma neste domingo (17), a ex-guerrilheira disse que viu Bolsonaro dar o seu voto, definido por ela como chocante e lamentável. “É crime o que ele fez: apologia de Estado totalitarista”.

Segundo a Lei 7.170, de 1983, é “crime fazer, em público, propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social” ou “incitar à subversão da ordem política ou social e à animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições”.

Como informou o Blog esta semana, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) estuda tomar medidas contra Bolsonaro por “clara apologia ao crime”. A OAB-RJ e o Instituto Vladimir Herzog pedem a cassação de seu mandato. A Procuradoria Geral da República vai analisar mais de 17 mil manifestações contra ele recebidas após o voto na sessão do último domingo.

Após ação movida por Criméia e dois de seus parentes, Ustra foi apontado pela Justiça como torturador, o primeiro militar brasileiro nesta condição por crimes durante a ditadura. O ex-coronel faleceu ano passado e o voto de Bolsonaro foi em “sua memória”.

Em 2007, escrevi, como repórter da revista “Época”, a reportagem “Torturado antes de nascer”. Nela, conto a história do filho de Criméia, João Carlos Grabois, que nasceu num hospital de uma guarnição do Exército de Brasília, em 13 de fevereiro de 1973, longe das mãos de Ustra, mas marcado por elas. Na ocasião da matéria, Joca, como é conhecido, acabara de ser reconhecido pelo Estado como preso político da ditadura quando ainda era apenas um feto, em sua vida intra-uterina.

Fonte: JL/Elpaís
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
16/11/18, 13:36 | POLÍTICA - Prefeitas brasileiras sofrem preconceito e desigualdade de gênero
16/11/18, 13:23 | POLÍTICA - Ignorado na composição de ministérios de Bolsonaro, PSL fica dividido
16/11/18, 13:16 | INVESTIGAÇÃO - Corregedor Nacional quer ouvir Sergio Moro e juízes do TRF-4
16/11/18, 12:30 | SAÚDE - Mulheres em situação de violência poderão contar com tratamento odontológico em Teresina
16/11/18, 12:24 | EDUCAÇÃO - Teresina organiza rematrícula dos bolsistas do Bolshoi e lança edital para nova Mãe Social
16/11/18, 12:20 | EVENTO - Teresina participa de Semana da Resiliência Urbana em Barcelona e prepara plano municipal
16/11/18, 10:03 | TRANSIÇÃO - Diretores do BC colocam-se à disposição para permanecer nos cargos
16/11/18, 10:01 | ECONOMIA - Distrito Federal registra desigualdade maior que restante do país
16/11/18, 09:57 | PESQUISA - Periferia das cidades concentra 87% das bibliotecas comunitárias
16/11/18, 09:24 | PEDOFILIA - Inocentado, homem torturado na prisão processa Magno Malta
16/11/18, 09:19 | SAÚDE - Suspensão do Mais Médicos pode elevar morte precoce no Brasil
16/11/18, 09:16 | INTERNACIONAL - Incêndios na Califórnia deixam 66 mortos e 631 desaparecidos
16/11/18, 08:47 | JUDICIÁRIO - STJ autoriza acréscimo de 25% na aposentadoria do INSS de pessoas que precisam de cuidadores
15/11/18, 21:07 | INCÓGNITA - O não-político em Brasília: o que Moro no Ministério da Justiça significa para a Lava Jato
15/11/18, 20:58 | SAÚDE - Prefeitos alertam: saída de cubanos é “desastrosa” para municípios
15/11/18, 20:54 | IMPOSTO - Receita paga amanhã sexto lote da restituição do Imposto de Renda
15/11/18, 20:43 | PROGRAMA - Fim da parceria: médicos cubanos começam a deixar o Brasil no dia 25
15/11/18, 20:28 | BRASILEIRÃO - Dourado marca, César defende pênalti e Flamengo bate o Santos
15/11/18, 20:10 | BRASILEIRÃO - Botafogo vence em Chapecó e se distancia do rebaixamento
15/11/18, 14:48 | SAÚDE - Congresso de Saúde ensina técnica francesa de tratamento de varizes
15/11/18, 14:39 | POLÍTICA - Aliados de Bolsonaro reclamam de falta de interlocução com Onyx
15/11/18, 14:10 | ARTIGO JURÍDICO - A polêmica do cálculo da pensão alimentícia
15/11/18, 13:07 | DEPOIMENTO - 'Sou o dono do sítio ou não?': pergunta Lula para juíza federal
15/11/18, 12:32 | MUNDO - Sobe para 59 o número de mortos nos incêndios na Califórnia
15/11/18, 12:29 | INSEGURANÇA - Brasil registra mais de 38 mil mortes violentas em nove meses
15/11/18, 12:01 | PROGRAMA - Saída de cubanos do Mais Médicos deixa 24 milhões sem atendimento
15/11/18, 11:48 | POLÊMICA - Nordeste teme apagão da saúde com saída de cubanos do Mais Médicos
15/11/18, 10:01 | MEIO AMBIENTE - Desmatamento na Amazônia está próximo de atingir estágio irreversível
15/11/18, 09:56 | PROGRAMA - Programa Mais Médicos perderá 8.600 profissionais cubanos após fala de Bolsonaro
15/11/18, 09:51 | SÍTIO DE ATIBAIA - Lula se mostra perplexo ante arbitrariedades da acusação
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site