CBN - A rádio que toca notícia

ARTIGO

O “amicus curiae” no Novo Código de Processo Civil

Muito embora o “amicus curiae” ingresse no processo como terceiro para fornecer subsídios ao julgador, ele “não é um terceiro imparcial”

11/11/17, 18:56
Por Nixonn Freitas Pinheiro, advogado (foto)
 
N
o Direito Processual Civil brasileiro, “amicus curiae” é o “amigo da Corte”, o “amigo do Tribunal” ou o “amigo do Juiz”. É uma expressão em latim utilizada para designar uma pessoa natural ou uma instituição que tem por finalidade fornecer subsídios às decisões judiciais, oferecendo-lhes melhor base para questões relevantes e de grande impacto na sociedade.

Segundo Eduardo Talamini, mestre e doutor em Direito pela USP, “a participação do amicus curiae, com o fornecimento de subsídios ao julgador, contribui para o incremento de qualidade das decisões judiciais. Amplia-se a possibilidade de obtenção de decisões mais justas”.

Com o advento do Novo Código de Processo Civil (CPC), o “amicus curiae” vem definido no art. 138 como um terceiro admitido no processo para fornecer subsídios probatórios e jurídicos na solução de uma causa revestida de especial relevância ou complexidade. Auxilia o órgão jurisdicional no sentido de trazer-lhe mais elementos para decidir. Daí o nome “amigo da Corte”, que pode ser tanto pessoa natural como jurídica.

O que diz a lei: Art. 138 - O juiz ou o relator, considerando a relevância da matéria, a especificidade do tema objeto da demanda ou a repercussão social da controvérsia, poderá, por decisão irrecorrível, de ofício ou a requerimento das partes ou de quem pretenda manifestar-se, solicitar ou admitir a participação de pessoa natural ou jurídica, órgão ou entidade especializada, com representatividade adequada, no prazo de 15 (quinze) dias de sua intimação.

O ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), disse que o “amigo da Corte” não é parte no processo, mas, sim, um auxiliar do juízo, que opina no processo em virtude da pertinência de seus conhecimentos para resolução da controvérsia, aprimorando a prestação da tutela jurisdicional.

Com a inovação trazida pelo Novo CPC, o ingresso do “amicus curiae” se dá por três situações: a pedido de uma das partes; pelo próprio terceiro interessado; ou de ofício pelo juiz. É uma modalidade processual de intervenção que tanto pode ser espontânea (voluntária) quanto provocada (coativa).

Antes do advento do Novo CPC, leis esparsas já traziam a previsão legal de algumas hipóteses de intervenção do “amicus curiae”, como, por exemplo, a disposição do art. 7º, § 2º, da Lei 9.868/1999, que dispõe sobre o processo e julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade e da Ação Declaratória de Constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal, segundo o qual “o relator, considerando a relevância da matéria e a representatividade dos postulantes, poderá, por despacho irrecorrível, admitir, observado o prazo fixado no parágrafo anterior, a manifestação de outros órgãos ou entidades”; e o art. 3º, § 2º, da Lei 11.417/2006 (que regulamenta a Súmula Vinculante), para o qual “no procedimento de edição, revisão ou cancelamento de enunciado da súmula vinculante, o relator poderá admitir, por decisão irrecorrível, a manifestação de terceiros na questão, nos termos do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal”.

A intervenção do “amicus curiae”, diz Eduardo Talamini, cabe quando houver “relevância da matéria, especificidade do tema objeto da demanda ou repercussão social da controvérsia”. Segundo o mestre, são duas as balizas: por um lado, a especialidade da matéria, o seu grau de complexidade; por outro, a importância da causa, que deve ir além do interesse das partes, i.e., sua transcendência, repercussão transindividual ou institucional. (...) A complexidade da matéria justificadora da participação do amicus tanto pode ser fática quanto técnica, jurídica ou extrajurídica.

“Há uma gama mínima de poderes já estabelecida em lei: possibilidade de manifestação escrita em quinze dias (art. 138, caput, do CPC/2015); legitimidade para opor embargos declaratórios (art. 138, § 1º, do CPC/2015); possibilidade de sustentação oral e legitimidade recursal nos julgamentos de recursos repetitivos (art. 138, § 3º, do CPC/2015). Há também limites máximos: ressalvadas as duas exceções acima mencionadas, o amicus curiae não tem poderes para recorrer das decisões no processo (art. 138, § 1º, do CPC/2015); ele também não detém outros poderes em grau equivalente aos das partes; seus argumentos devem ser enfrentados pela decisão judicial (arts. 489, § 1º, IV, 984, § 2º, e 1.038, § 3º, do CPC/2015). Dentro desses limites mínimo e máximo, cumpre ao juiz concretamente definir a intensidade da atuação processual do amicus curiae” (Talamini).

Muito embora o “amicus curiae” ingresse no processo como terceiro para fornecer subsídios ao julgador, ele “não é um terceiro imparcial”. “Ao “amicus curiae”, - como diz o desembargador Alexandre Freitas Câmara, do egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Professor de Direito Processual Civil e Doutorando em Direito Processual Civil na PUCMINAS - interessa que uma das partes saia vencedora na causa, e fornecerá ao órgão jurisdicional elementos que evidentemente se destinam a ver essa parte obter resultado favorável. O que o distingue do assistente (que também intervém por ter interesse em que uma das partes obtenha sentença favorável) é a natureza do interesse que legitima a intervenção”.

“Augura-se, assim, que a intervenção do amicus curiae seja mais um dentre os diversos instrumentos regulados pelo novo CPC para a democratização do processo judicial. Afinal, não se pode mais conviver com um processo civil autoritário, conduzido pelo magistrado como se só a este interessasse seu resultado. É preciso que juiz e partes, de forma cooperativa, comparticipativa, trabalhem para construir, juntos, o resultado final do processo, o qual deve ser capaz de atuar o ordenamento jurídico, revelando-se assim um mecanismo de realização e preservação dos direitos assegurados pela Constituição da República” – conclui o magistrado.

A grande e talvez maior relevância do “amicus curiae” no processo civil brasileiro é a ampliação do contraditório. Mais especificamente quando a atuação se comporta ao “incidente de arguição de inconstitucionalidade” (art. 947, do Novo CPC); ao “incidente de resolução de demandas repetitivas” (art. 980, do Novo CPC); e “aos recursos especiais e extraordinários repetitivos” (art. 1.035, § 2º, do Novo CPC).

Concluindo, assevera o desembargador citado, “em todos esses casos a decisão a ser proferida terá eficácia vinculante, o que exige – como requisito da legitimação constitucional de tais decisões e de sua eficácia – um contraditório ampliado, fruto da possível participação de todos os setores da sociedade e do Estado que podem vir a ser alcançados. Pois o instrumento capaz de viabilizar essa ampliação do contraditório é, precisamente, o amicus curiae”.

Fonte: JL
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
23/07/18, 10:40 | ECONOMIA - Após semana com preço estável, Petrobras volta a baixar gasolina
23/07/18, 10:36 | ECONOMIA - Especialistas contestam propostas de CPI dos Cartões de Crédito
23/07/18, 09:59 | BENEFÍCIO - Novo período para saque do abono salarial 2016 começa dia 26 de julho
22/07/18, 21:51 | POLÍTICA - Bolsonaro: “Quero agradecer ao Alckmin por reunir a nata do que há de pior do Brasil ao seu lado”
22/07/18, 21:40 | BRASILEIRÃO - Em jogo com polêmicas, Cruzeiro vira sobre Atlético-PR
22/07/18, 21:34 | ELEIÇÕES - Janaina Paschoal critica seguidores de Bolsonaro em convenção
22/07/18, 21:26 | ACIDENTE - Mulher morre e outros cinco ficam feridos durante colisão entre dois carros na entrada da Lagoa do Portinho
22/07/18, 21:12 | POLÊMICA - Para PF, Moro errou ao interceder em decisão sobre soltar Lula
22/07/18, 15:08 | LEGISLAÇÃO - Poder Executivo é autor de um terço das leis aprovadas nos últimos 10 anos
22/07/18, 15:04 | PREVIDÊNCIA - Confira para quanto pode ir a aposentadoria em 2019
22/07/18, 13:35 | DECISÃO - Justiça determina regularização do abastecimento da farmácia do HUT
22/07/18, 13:17 | POLÍTICA - Senadores gastaram R$ 10,6 milhões com atividades do cargo
22/07/18, 13:04 | DECISÃO - Bens de um cônjuge não respondem por obrigação de ato ilícito do outro
22/07/18, 12:37 | OPINIÃO - Caso do ex-presidente Lula é uma tragédia típica brasileira
22/07/18, 11:45 | PRINCÍPIO DA LAICIDADE - Lei que exige Bíblia em espaços públicos de leitura é inconstitucional, decide TJ-AM
22/07/18, 11:40 | ÁUDIOS REVELADORES - Poder Legislativo peruano destitui cúpula do Judiciário do país
22/07/18, 11:28 | ARTIGO - Venda da Embraer: o agente oculto
21/07/18, 21:45 | ESPORTE - Fla bate o Botafogo e continua firme na liderança do Brasileirão
21/07/18, 21:28 | CORRUPÇÃO - Juiz eleitoral devolve o caso do tucano Beto Richa a Sergio Moro
21/07/18, 20:57 | ECONOMIA - Empresários aguardam Refis do Supersimples para não fechar portas
21/07/18, 20:46 | VIOLÊNCIA - Número de tiroteios aumenta no Rio após intervenção federal
21/07/18, 20:27 | POLÍTICA - Tem “propina até no STF”, diz jingle distribuído por Jair Bolsonaro
21/07/18, 15:24 | ELEIÇÕES - Segurança e economia são os temas mais debatidos por brasileiros no Facebook
21/07/18, 15:16 | DESTAQUES - Prêmio Congresso em Foco já acumula mais de 300 mil votos
21/07/18, 15:06 | POLÍTICA - Congresso terá número recorde de candidatos à reeleição
21/07/18, 14:22 | ELEIÇÕES - Deputados vão denunciar Bolsonaro por crime de incitação à violência
21/07/18, 14:16 | POLÍTICA - Veja os candidatos à Presidência já anunciados e datas das convenções
21/07/18, 13:53 | MUNDO - Nove dos 17 mortos em naufrágio nos EUA eram da mesma família
20/07/18, 23:53 | CRIME - Dr. Bumbum e mãe foram suspeitos por morte do namorado dela em 1997
20/07/18, 22:42 | POLÍTICA - Plano de governo do PT propõe ‘reformar Justiça para garantir direitos’
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site