CBN - A rádio que toca notícia

ECONOMIA

Quase 86% dos municípios estão em situação fiscal difícil ou crítica, diz estudo

As prefeituras brasileiras administram R$ 461 bilhões, equivalente a um quarto da carga tributária brasileira

10/08/17, 19:45

Foram avaliados 4.544 municípios

A

crise econômica está tendo reflexos consideráveis em um dos principais entes responsáveis por oferecer serviços públicos que afetam diretamente o cidadão: as prefeituras. Segundo estudo da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), 85,9% dos municípios apresentaram situação fiscal difícil ou crítica em 2016.

De acordo com o levantamento, 2.613 prefeituras estavam em situação fiscal difícil no ano passado, o que equivale a 57,5% dos 4.544 municípios analisados. Esse é o maior percentual desde o início da série histórica, em 2006.

O número de municípios em situação crítica, à beira da insolvência, caiu de 1.969 em 2015 para 1.292 (28,4%) em 2016, mas a queda está relacionada ao aumento no número de prefeituras que não divulgaram dados, que saltou de 381 para 1.024 na mesma comparação. A não apresentação de estatísticas ao Tesouro Nacional constitui descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal e pode ser punida.

As prefeituras brasileiras administram R$ 461 bilhões, equivalente a um quarto da carga tributária brasileira e maior que os orçamentos da Argentina e do Uruguai somados. No entanto, o número de cidades que gerenciam esses recursos com eficiência está caindo. O total de municípios com classificação excelente caiu de 24 em 2016 para 13 (0,3%) no ano passado, o menor número desde o início da pesquisa.

Na análise por regiões, o Nordeste apresenta a maior proporção de prefeituras em situação fiscal difícil ou crítica: 94,9% dos municípios da região enfrentam problemas nas contas públicas. As cidades em situação fiscal boa e excelente concentram-se no Centro-Oeste (26,1%) e no Sul (24,7%).

Falta de caixa

Conforme o levantamento da Firjan, 715 prefeituras, equivalente a 15,7% dos municípios analisados, encerraram 2016 sem caixa para cobrir as despesas do ano anterior, entre as quais duas capitais: Campo Grande e Goiânia. O rombo deixado para os novos gestores que assumiram este ano somou R$ 6,3 bilhões.

Em relação aos gastos com os servidores, 575 municípios (12,7 %) descumpriram o limite de 60% da receita corrente líquida estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal e gastaram R$ 1,8 bilhão a mais do que o permitido pelo teto. Macapá é a única capital nessa situação. Com 52,7% dos municípios pagando acima do teto, Sergipe é o estado com mais municípios desenquadrados.

O orçamento rígido e a arrecadação em queda têm sacrificado os investimentos municipais, que atingiram o menor nível desde 2006. No ano passado, 2.701 municípios (59,4% do total analisado) aplicaram menos de 8% da receita corrente líquida em obras e em compra de equipamentos para hospitais e escolas.

Responsáveis por um terço dos investimentos públicos no ano passado, as prefeituras investiram R$ 7,5 bilhões a menos em 2016 do que em 2015. Por causa dos Jogos Olímpicos, o Rio de Janeiro foi exceção e recebeu classificação excelente nesse quesito. No entanto, as obras comprometeram o caixa da cidade e fez a nota de liquidez cair de um ano para outro.

Nota

A classificação foi elaborada com base no Índice Firjan de Gestão Fiscal, que analisa as contas dos municípios com base em dados enviados pelas prefeituras ao Tesouro Nacional. O indicador leva em conta cinco critérios: capacidade de arrecadar sem depender dos repasses dos estados e da União, gastos com pessoal em relação ao Orçamento, suficiência de caixa, capacidade de fazer investimentos e endividamento.

O índice varia de 0 a 1. De acordo com o levantamento, são considerados em situação fiscal difícil os municípios com nota entre 0,4 e 0,6 e em situação crítica os com nota inferior a 0,4. Prefeituras com nota entre 0,6 e 0,8 têm a situação fiscal considerada boa. Notas acima de 0,8 recebem a classificação excelente. “Têm as piores notas os municípios que gastam muito com pessoal, investem pouco ou quase nada em melhorias para a população e têm equilíbrio financeiro ruim”, explica o coordenador de Estudos Econômicos da Firjan, Jonathas Costa.

Fonte: JL/Agência Brasil
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
19/08/17, 12:51 | MUNDO - Brasileiro escapou de ataque e voltou ao local para ajudar vítima
19/08/17, 12:39 | TERRORISMO - Dois dias após ataques: o que se sabe até agora sobre Barcelona
19/08/17, 12:15 | DIPLOMACIA - Temer nomeia acusado de assédio moral e sexual como cônsul
19/08/17, 08:56 | POLÍTICA - Procurador da Câmara avalia se processa Tasso por propaganda do PSDB
19/08/17, 08:21 | CRIMINALIDADE - Assaltantes invadem festa de aniversário e roubam carro de padre no Piauí
19/08/17, 08:18 | HABEAS CORPUS - Gilmar derruba decisão de juiz e manda soltar Jacob Barata
19/08/17, 08:12 | SUCESSÃO - Lula cita Wellington DIas e mais 3 nomes para substituí-lo como candidato
19/08/17, 07:43 | OPINIÃO - LEIA O ARTIGO: Por que a corrupção no Brasil
17/08/17, 15:00 | POLÍTICA - "Nem sei se serei candidato em 2018", afirma Lula no 1º dia de caravana
17/08/17, 14:55 | DISCUSSÃO - 'Esta não é a reforma política que o Brasil precisa', critica OAB
17/08/17, 14:35 | INSTITUCIONAL - APAE de Luzilândia é beneficiada com Sala de Fisioterapia
17/08/17, 13:52 | INFRAESTRUTURA - Mobilidade urbana é desafio para cidades e trabalhadores
17/08/17, 13:49 | MUNDO - Van atropela pedestres e deixa mortos e feridos em Barcelona
17/08/17, 13:44 | POLÊMICA - Procurador da Lava Jato critica Gilmar: 'Quer acabar com poder do MP'
17/08/17, 13:38 | POLÍTICA - Na TV, PSDB acusa Temer de governar cooptando deputados com dinheiro
17/08/17, 13:29 | OPINIÃO PÚBLICA - Embora tenha recuado o total de desocupados, houve aumento no montante de trabalhadores subocupados
17/08/17, 13:15 | ECONOMIA - IBGE aponta falta de trabalho para 26,3 milhões de pessoas no 2º trimestre
17/08/17, 13:08 | ESPORTE - Neymar, Marcelo e Tite são indicados aos melhores do mundo da Fifa
17/08/17, 13:03 | POLÊMICA - OAB vai ao STF pedir que Maia analise com urgência impeachment de Temer
17/08/17, 12:49 | CRIME - Botafoguense é detido por ofensas racistas a familiares de Vinicius Jr.
16/08/17, 20:36 | ESPORTE - Real volta a vencer o Barça, faz 5 a 1 no placar agregado e leva Supercopa
16/08/17, 20:08 | RECEITA - Aprovado projeto que dá prioridade a professor para receber restituição do IRPF
16/08/17, 19:58 | CORRUPÇÃO - 'Ainda tem' o que entregar sobre Michel Temer em delação, diz Funaro
16/08/17, 19:50 | HOMENAGEM - Fãs fazem vigília e lembram 40 anos da morte de Elvis Presley
16/08/17, 19:36 | CORRUPÇÃO - Ministro Moreira Franco presta depoimento como testemunha de Eduardo Cunha
16/08/17, 19:04 | CRIME - Ex-ministro Geddel Vieira Lima é denunciado por tentar obstruir a Justiça
16/08/17, 15:28 | ECONOMIA - Globo: Governo eleva rombo, congela salários e aumenta impostos
16/08/17, 15:20 | POLÍTICA - Colunista da Folha diz que coalizão de Temer está saqueando o Estado
16/08/17, 15:04 | POLÍTICA - Desgastado por denúncias e por Temer, PMDB quer mudar de nome
16/08/17, 14:39 | ANIVERSÁRIO - Missa em ação de graças celebra os 165 anos de Teresina na Igreja do Amparo
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site