CBN - A rádio que toca notícia

ARTIGO

PEC do fim das coligações não é o ideal, mas é o que temos para 2018

Só 13 dos 35 partidos atuais teriam acesso ao Fundo Partidário Efeito é positivo para a governabilidade e qualidade da política

16/06/17, 08:26

T

ramita na Câmara dos Deputados uma proposta de emenda à Constituição cujo objetivo é extinguir a coligação em eleições proporcionais (entre outras medidas). A proposta já foi aprovada no Senado e ainda precisa passar por uma comissão especial e pelo plenário da Câmara. Por alterar o processo eleitoral, a proposta só valerá em 2018 se aprovada até 7 de outubro de 2017.

Embora imperfeita, a PEC representa um avanço institucional que deve reduzir a altíssima fragmentação partidária e tornar a política mais coerente e compreensível para a população.

A proposta trata de 3 temas:

  1. Extingue as coligações em eleições proporcionais (para deputados federais, estaduais e vereadores).
  2. Cria a figura jurídica do partido parlamentar, que é aquele que tem direito a estrutura própria nas casas legislativas e acesso a verba do fundo partidário e ao tempo gratuito de rádio e televisão. Para atingir esse status, o partido terá de alcançar pelo menos 2% dos votos no nível nacional e ultrapassar 2% em pelo menos 14 unidades da federação. Aqueles que não atingem essas exigências, continuam existindo e concorrendo a eleições, mas perdem aos recursos públicos.
  3. Por fim, a PEC cria a figura da federação de partidos, a qual de certa forma substitui a coligação, mas com importantes restrições em relação ao modelo atual.

De modo geral, o espírito da PEC é reduzir a fragmentação partidária existente no país. A PEC ataca os pilares institucionais da alta fragmentação existente no Brasil, quais sejam, a coligação e o acesso fácil aos recursos públicos (fundo partidário e horário eleitoral gratuito).

Através da coligação, partidos que não alcançam (sozinhos) o quociente eleitoral podem continuar na disputa por cadeiras para o legislativo, aspecto que aumenta enormemente a fragmentação partidária (1). Ao mesmo tempo, o fato de receberem recursos públicos apenas por existirem é um grande estímulo para a criação de novos partidos.

O problema da alta fragmentação e os efeitos da coligação e do acesso aos recursos públicos é percebido não só por estudiosos, mas também pela classe política. Na sessão que selaria o destino do seu mandato no Senado, a ex-presidente Dilma Rousseff disse que “ (…) Não é possível que se continue fazendo partidos no Brasil tendo em vista o tempo de televisão e o Fundo Partidário. Não haverá governo que será capaz de governar o país”.

Do outro lado da trincheira partidária tupiniquim, Fernando Henrique Cardoso tem insistido pela aprovação da PEC aqui discutida. “O Congresso tem a responsabilidade de decidir logo o que está ao seu alcance para evitar que o futuro reproduza o panorama atual: um Legislativo fragmentado que para sustentar o governo cobra o tributo infame do dá cá, toma lá”, escreveu ele.

Com a criação da figura das federações, que substitui o modelo atual, a junção de partidos torna-se mais coerente e compreensível no nível nacional. Se, por exemplo, PT e PC do B formarem uma federação (cenário altamente provável caso a PEC seja aprovada), o eleitor saberá que essa federação valerá no país inteiro e que atuará como uma espécie de bloco no congresso.

Há que se atentar para os prazos de vigência da PEC e para as regras de transição. Em 2018, ainda valeriam as coligações, mas o congresso eleito já serviria de base para a definição de partidos parlamentares. Já o fim das coligações só ocorreria em 2022.

O que esperar para 2018? A PEC deve ter um efeito reduzido especificamente na eleição, tendo em vista que as coligações continuariam valendo. Passado o pleito, aí sim é possível que ocorra uma forte migração partidária, na qual parlamentares de pequenas siglas sem status de partido parlamentar migrariam para partidos maiores com esse status.

Com o fim das coligações, os maiores partidos (atualmente PT, PSDB, e PMDB) deverão ser beneficiados. Não é possível assegurar, contudo, que em 2022 estes ainda serão os maiores partidos (embora eu acredite que sim).

Simulando a nova regra nos resultados das eleições de 2014, 13 partidos teriam o status de partido parlamentar. O gráfico abaixo mostra quais siglas atenderiam às exigências para acessar o fundo partidário e o horário eleitoral:

Embora válida, é importante mencionar as limitações dessa simulação e de outras que tem embasado a argumentação de parlamentares. Não dá para tomar como certo um efeito sobre um partido X ou Y baseado nos dados de 2014.

Considerando o médio prazo, corre o risco de perder acesso a recursos públicos e mandatos quem não tem voto, ou os tem em pequena quantidade.

Siglas ideológicas como PC do B, Psol e Rede não tem o que temer no médio prazo. Com uma política mais compreensível para o eleitorado, o cenário é promissor para partidos com consistência ideológica.

As inequívocas vítimas dessa PEC são pequenas siglas fisiológicas e amorfas, partidos de aluguel, siglas criadas para sugar o fundo partidário e outras gestadas especificamente para burlar a regra da fidelidade partidária. Esses tendem a desaparecer e deixarão pouca (ou talvez nenhuma) saudade. Não sendo ideal, a PEC 282 de 2016 é o que temos para hoje, ou melhor, para 2018.

Fonte: JL/por Saulo Said
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
24/06/18, 13:33 | CRIME - PF deve concluir inquérito que investiga Temer no início de julho
24/06/18, 13:28 | TECNOLOGIA - Uso de mídias sociais, internet e smartphone aumenta no mundo, diz pesquisa
24/06/18, 13:15 | SEGURANÇA - 6.368 pessoas morreram nas cadeias do país de 2014 a 2017
24/06/18, 12:49 | SEGURANÇA - Presos fazem buraco em parede de cela e fogem da delegacia de Barras-PI
24/06/18, 12:42 | POLÊMICA - Uruguai legalizou maconha e elevou penas para tráfico de outras drogas
24/06/18, 12:34 | ACOLHIMENTO - Refugiados e estrangeiros elogiam receptividade dos brasileiros
24/06/18, 12:27 | COPA DO MUNDO - Panamá é goleado pela Inglaterra, mas festeja primeiro gol em Copas
23/06/18, 18:26 | ENTREV ISTA - Ministro do STF diz que prisão de Lula “viola a Constituição”
23/06/18, 17:46 | POLÍTICA - Desaprovação a Bolsonaro sobe a 64%, diz pesquisa
23/06/18, 17:04 | ESPORTE - Kroos marca nos acréscimos contra a Suécia e mantém a Alemanha viva na Copa
23/06/18, 16:55 | IGREJA - Vaticano condena sacerdote acusado de pedofilia a cinco anos de prisão
23/06/18, 16:50 | DADOS - Seis em cada 10 jovens pensam em deixar o país para morar no exterior
23/06/18, 16:46 | COPA - Lesão tira Douglas Costa do jogo do Brasil contra a Sérvia
23/06/18, 16:43 | COPA DO MUNDO - Bélgica goleia Tunísia por 5 a 2 em Moscou
23/06/18, 16:40 | COPA DO MUNDO - México vence a Coreia por 2 a 1 e chega a seis pontos no Grupo F
23/06/18, 08:38 | INFRAESTRUTURA - Brasil precisa investir R$ 345,8 bi para universalizar saneamento até 2033
23/06/18, 08:35 | POLÊMICA - Fazenda Nacional questiona juiz Sérgio Moro por decisão
23/06/18, 08:12 | COPA - Torcedores do Brasil e da Argentina se envolvem em pancadaria
23/06/18, 07:53 | SAÚDE PÚBLICA - SUS incorpora novos tratamentos para doenças raras
23/06/18, 07:50 | CRIME - ONU Mulheres condena assédio promovido por brasileiros na Rússia
23/06/18, 07:47 | INTERNACIONAL - PF prende brasileiro foragido em estádio de São Petersburgo na Rússia
22/06/18, 22:24 | COPA DO MUNDO - Quatro seleções já estão classificadas para a próxima fase
22/06/18, 22:11 | ELEITOR - Datafolha mostra Lula como preferido para tirar Brasil da crise
22/06/18, 22:09 | LEI - Código de Defesa do Usuário do Serviço Público entra em vigor
22/06/18, 21:35 | DIREITOS HUMANOS - Manifestantes fazem passeata no Rio pela legalização do aborto
22/06/18, 21:29 | ESPORTE - Nono dia da Copa teve vitórias do Brasil, Nigéria e Suíça
22/06/18, 21:01 | COPA DO MUNDO - Neymar reage a críticas e desabafa nas mídias sociais
22/06/18, 00:04 | INVESTIGAÇÃO - Cármen Lúcia aquiva investigação sobre menções a ministros do STF na delação da JBS
21/06/18, 23:58 | PARLAMENTO - Deputados tentam mas não conseguem barrar CPI das delações
21/06/18, 23:52 | INVESTIGAÇÃO - Barroso inclui delação de Funaro em inquérito contra Temer
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site