CBN - A rádio que toca notícia

RENÚNCIA

Sérgio Cabral deixa o governo do Rio pela porta dos fundos

Governador faltou ao último compromisso oficial, na Zona Oeste. Carta de renúncia foi lida esta tarde na Assembleia Legislativa pelo presidente da Casa, Paulo Melo (PMDB)

03/04/14, 22:31

U
ma carta de cinco linhas, lida às 16h35 pelo presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Paulo Melo (PMDB), encerrou de forma discreta e melancólica a passagem de Sérgio Cabral pelo governo do Estado. Melo declarou vago o cargo de governador até as 9h desta sexta-feira, quando será então empossado o atual vice-governador, Luiz Fernando Pezão, aposta do partido para a eleição deste ano. A renúncia atende a dois propósitos: dar visibilidade a Pezão e permitir que Cabral se candidate a deputado federal ou ao Senado – uma equação a ser discutida com o comando peemedebista, considerando a baixa popularidade do agora ex-governador.

Pezão, que patina nas pesquisas de intenção de voto, tem agora a cadeira e a caneta para se fazer popular, sem o incômodo do “Fora Cabral”, grito que tomou conta das manifestações de rua iniciadas em junho do ano passado. A tarefa não é simples: nesta sexta-feira, horas depois de assumir, ele enfrentará sua primeira manifestação na condição de alvo principal dos mascarados, programada para as 18h, no Largo do Machado – com possibilidade de mais cenas de depredação e vandalismo nas imediações do Guanabara. O nome do protesto une, numa só frase, o trio peemedebista que comanda Estado e capital: “Cabral, vá em Paes! Pezão, bem-vindo à revolução”.

Os protestos – e o medo dos manifestantes – marcaram os últimos meses de Cabral à frente do Estado. Nesta quinta-feira, último dia de governo, Cabral não compareceu a seu único compromisso formal da agenda como governante. Deixou no vácuo, assim, as cem pessoas que compareceram à cerimônia de início das obras para construir a sede do Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo), em Campo Grande, na Zona Oeste. Em vez disso, o renunciante visitou as obras do novo Museu da Imagem e do Som (MIS), em Copacabana, onde posou para fotos.

Em Campo Grande, depois de uma hora de espera pelo governador, a cerimônia começou às 10 horas, em um terreno que se tornou um grande lamaçal por causa da forte chuva que atingiu a região nesta manhã. Um grupo de alunos da Uezo chegou no fim da solenidade e fez uma rápida manifestação por melhores condições de trabalho para os professores e por melhorias no campus universitário. Os estudantes foram surpreendidos pela ausência de Cabral e vaiaram quando o nome do governador foi citado por uma autoridade.

Crises – Das heranças para Pezão, uma das mais indigestas é a crise em que estão mergulhadas as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e a situação da segurança em todo o Estado. Como mostrou o site de VEJA, o mês de janeiro de 2014 foi o recordista de roubo dos últimos dez anos no Estado. As UPPs, que dominaram o programa reeleição de Cabral em 2010, são hoje um ‘filho problema’. Mesmo em áreas da Zona Sul, consideradas mais tranquilas e onde, supostamente, o programa de “pacificação” estaria consolidado, voltaram a ter tiroteios. Na manhã de quarta-feira, dois homens foram baleados no Morro do Cantagalo – um deles, com passagem pela polícia, morreu. Houve em seguida um protesto com interdição da Estação Nossa Senhora da Paz do metrô e de uma agência do Rio Poupa Tempo. As imagens de lixo queimado em ruas de um bairro nobre são um tiro no pé da popularidade das UPPs – que dificilmente servirão à eleição de Pezão como atenderam ao objetivo de reeleger Cabral.

Apesar do tom confiante das autoridades de segurança, em especial o secretário josé Mariano Beltrame, as UPPs chegaram ao ano da Copa do Mundo pedindo ajuda às Forças Armadas – no sábado, 2.500 homens do Exército e da Marinha vão ocupar o Complexo da Maré. A leitura óbvia é de que, sozinha, a Polícia Militar e as demais forças estaduais não conseguem mais, sozinhas, manter a situação sob controle nas favelas ocupadas – ou “pacificadas”.

Em 2007, o governador tomara posse havia menos de um mês quando, em 19 de janeiro, 500 homens da Força Nacional de Segurança chegaram ao Rio, por determinação do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para enfrentar ações do crime organizado. A intervenção aconteceu a pedido de Cabral, que se aproximara de Lula no segundo turno da eleição de 2006.

A derrocada na popularidade começou com a exposição das relações do governador com o empresário Fernando Cavendish, da Delta, empreiteira que dominava os contratos com o governo do Estado. Inimigos políticos liderados pelo ex-governador Anthony Garotinho divulgaram imagens de Cabral e seus secretários em um restaurante de luxo em Paris, com guardanapos na cabeça. O ponto alto da impopularidade ocorreu quando VEJA revelou as viagens de helicóptero do governador e sua família – com participação do cão de estimação Juquinha. A exposição das viagens diárias, entre o heliponto da Lagoa e o Palácio Guanabara, obrigou o governador a fazer um pedido de desculpas e a assumir que precisava de “mais humildade”.

A posse de Pezão está programada para as 9h, na Alerj. Às 10h30, Cabral é aguardado para transmitir o cargo, no Palácio Guanabara. A temperatura da disputa de 2014 começa a subir imediatamente. Às 14h, o senador petista Lindbergh Farias dará coletiva, tendo como assunto justamente o governo Cabral. Na quarta-feira, a presidente Dilma Rousseff visitou a cidade sem ter qualquer contato com o candidato petista ao governo do Estado. Em vez disso, Dilma foi fotografada ao lado de Cabral e Pezão, visitou obras da Linha 4 do metrô e fez elogios ao trio peemedebista – além deles, Dilma citou também Eduardo Paes como “melhor prefeito do mundo”.

Fonte: JL/Veja
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
20/02/18, 15:48 | LAVA JATO - Irmãos Batista da JBS querem delatar membros do Judiciário
20/02/18, 15:40 | JULGAMENTO - Turma do STF envia ao plenário ações sobre condenação em segunda instância
20/02/18, 15:13 | PRONTA RESPOSTA - Planalto pede ajuda a todas áreas do governo para Temer dar entrevistas
20/02/18, 15:09 | POLÊMICA - OAB-SE diz que intervenção no Rio de Janeiro é inconstitucional
20/02/18, 15:07 | ECONOMIA - Tempo médio de desemprego já dura 1 ano e 2 meses, diz pesquisa
20/02/18, 14:01 | ENTREVISTA - Aposentadoria de mulheres e jovens são as mais ameaçadas pela reforma
20/02/18, 13:02 | HISTÓRIA - Honestílio Dias Neto acumula curriculum com Quinto Concurso Público Federal
20/02/18, 11:44 | PARLAMENTO - Câmara dos Deputados afasta Paulo Maluf do exercício do mandato e convoca suplente
20/02/18, 11:38 | POLÊMICA - Trabalhadores comemoram suspensão de reforma, mas vão continuar mobilizados
20/02/18, 11:33 | MUNDO - Sobreviventes de massacre lideram campanha antiarmas nos EUA
20/02/18, 08:51 | ELEIÇÕES 2018 - Senado tem disputa acirrada no Piauí, diz pesquisa Amostragem/MN
20/02/18, 08:23 | CRÍTICAS - Ex-advogado de Eduardo Cunha assume Ministério no governo Temer
19/02/18, 22:35 | POLÊMICA - Governo desiste da votação da Previdência e anuncia nova pauta prioritária no Congresso
19/02/18, 22:06 | POLÊMICA - TCU não tem poder para bloquear bens de particular, decide Marco Aurélio
19/02/18, 21:57 | DIREITO - Intervenção federal: consequências jurídicas e institucionais
19/02/18, 16:10 | INCONSTITUCIONAL - Parlamentares vão ao STF contra reforma da Previdência durante intervenção
19/02/18, 15:56 | ESPORTE - Neymar tinha contrato com a Globo durante a Copa de 2014, diz jornal
19/02/18, 15:47 | INTERVENÇÃO - Eunício determina que todas as PECs parem de tramitar no Senado
19/02/18, 13:41 | CRIME - Ministério Público abre nova ação para investigar se Jucá é sócio oculto de TV
19/02/18, 13:33 | ECONOMIA - Em 10 anos, diminui diferença entre homens e mulheres no mercado de trabalho
19/02/18, 13:29 | CRIMINALIDADE - Por conta da violência, Correios não entregam em 44% dos CEPs do Rio
19/02/18, 13:18 | ECONOMIA - Brasil tem a 2ª gasolina mais cara do mundo
19/02/18, 12:51 | OPINIÃO PÚBLICA - Wellington Dias é líder na disputa pela reeleição com 70,80% dos votos
19/02/18, 11:32 | TRÂNSITO - Corredores de ônibus geram mudanças em avenida de Teresina
19/02/18, 10:52 | ACIDENTE - Adolescente do Piauí morre após sofrer choque elétrico em celular ligado na tomada
19/02/18, 10:37 | PROTESTO - Manifestantes interditam BR-316 em Teresina contra a Reforma da Previdência
19/02/18, 09:14 | POLÊMICA - Marco Aurélio está cético quanto aos resultados de intervenção
19/02/18, 09:07 | POLÊMICA - Governo já fala em intervenção em outros Estados
19/02/18, 00:06 | OPINIÃO - Jornalista: Como é possível enfrentar o crime se temos leis, um Judiciário e agentes do Estado que protegem criminosos?
18/02/18, 23:43 | RECUO - Temer cancela agenda e reúne Conselho da República e Conselho da Defesa Nacional nesta segunda-feira
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site