JORNAL LUZILÂNDIA
Clipagem Eletrônica - Versão para impressão
POLÍTICA
‘Centrão’ reage à declaração ofensiva de Ciro Gomes e desmarca encontro
11/06/18, 20:06

U

ma declaração do pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, ameaça desmontar o apoio que ele próprio tentava costurar com DEM, PP, SD, PRB e PSC.

O presidente do partido Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva, disse ao Poder360 que está desmarcada a reunião entre representantes desses partidos e do PDT.

Em viagem à Argentina na 6ª feira (8.jun), o pedetista declarou que, antes de fechar com o Centrão, precisa acertar a aliança com PSB e PC do B “para garantir a hegemonia moral e intelectual” da chapa.

O encontro seria realizado nesta 3ª feira em Brasília. Participariam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o prefeito de Salvador, ACM Neto, o presidente do PP, Ciro Nogueira, e Paulo Pereira da Silva. Ciro levaria seu irmão e ex-governador do Ceará Cid Gomes e o presidente do PDT, Carlos Lupi.

“A declaração do Ciro foi muito ofensiva”, disse o deputado.

Para tentar pôr panos quentes na situação, o irmão de Ciro, Cid Gomes, telefonou no fim de semana para o prefeito de Salvador, ACM Neto, que é presidente nacional do DEM. Disse que “houve 1 mal-entendido”.

O gesto não teve resultado. Segundo o presidente do Solidariedade, “não vale declaração de irmão. O Ciro é quem tem de se explicar”.

Cid Gomes, que atua diretamente na campanha do irmão, disse que ao Poder360 simplesmente que “não consta na agenda esse encontro nesta semana“.

Centrão: uma força sem nome

As 5 siglas do bloco acertaram ir para as eleições com um único nome. Elas têm 4 pré-candidatos entre seus filiados: Rodrigo Maia (DEM) Flavio Rocha (PRB), Aldo Rebelo (SD) e Paulo Rabello Castro (PSC).

Nenhum deles emplacou até agora. Na pesquisa DataPoder360 de maio, nenhum deles ultrapassa 1% das intenções de voto. No entanto, o grupo conta com cerca de 120 deputados.

“Infelizmente nossos pré-candidatos não estão emplacando. Nesse caso, devemos escolher juntos 1 novo nome. Teremos 1 peso forte: 20% do tempo de TV no horário eleitoral”, explica Paulo Pereira da Silva, também conhecido como o Paulinho da Força Sindical.

Segundo o deputado, Marina Silva (Rede) e Jair Bolsonaro (PSL) não deverão ter o apoio do grupo. “Os mais cotados para ter são Geraldo Alckmin (PSDB) e Alvaro Dias (Podemos). O Ciro também era. Agora eu nem sei se continua cotado”, lamenta.

Fonte: JL/PODER 360
Reportagem publicada no site www.jornalluzilandia.com.br