JORNAL LUZILÂNDIA
Clipagem Eletrônica - Versão para impressão
POLÍTICA
Renovação política é possibilidade concreta, não fantasia romântica
09/06/18, 17:12

S

e para Sérgio Buarque de Holanda a democracia no Brasil é um grande mal-entendido, como sintetizou no clássico Raízes do Brasil, para muitos jovens a confusão é ainda maior.

A democracia é uma abstração, um exercício teórico que muitos de nós não estão dispostos a desvendar. Não que não tenhamos capacidade para isso. O que há, às vezes, é distanciamento.

Tenho 28 anos e para a geração da qual faço parte nosso sistema político deu poucas respostas concretas às demandas do dia a dia. Acostumamo-nos a ouvir falar de corrupção, de instituições frágeis e desvirtuadas. Desde sempre sabemos que o sistema político  é assim mesmo, o que se vai fazer? Apenas não queremos que o Estado cruze o nosso caminho – não pela convicção de que o Estado “mínimo” é o melhor dos mundos, mas porque o Estado “ausente” é melhor que o “ineficiente”.

Encaramos o ato de votar como uma formalidade anacrônica, que apenas referenda o que se quer combater. O jogo político, um espetáculo curioso, que cheira a naftalina. Agentes com real espírito público são vistos com desconfiança ou até ridicularizados. É como se esperássemos que a ampulheta moral carregada por eles fosse escorrer por inteira a qualquer momento.

Curiosamente, de 1990 a 2014 tivemos um índice médio de renovação no Congresso Nacional que ultrapassa os 50% e alguns jovens até já participam do universo da política. Mas, de maneira geral, foram eleitos aqueles que entram com o passaporte da oligarquia.

Com sobrenome famoso, a passagem é vista como algo natural, um negócio passado de pai para filho. Rostos jovens ligados a trajetórias empoeiradas, dando nova roupagem a projetos de poder ultrapassados. Na maioria das vezes, são jovens políticos que envelheceram cedo demais. Antes mesmo de terem opiniões próprias, carregam as ideias dos seus padrinhos políticos.

Conheci a política e os seus bastidores de perto. Aprendi que, como quase tudo na vida, os estereótipos apenas banalizam as discussões. Fui por dois anos porta-voz de um partido. Convivi com o que há de melhor na política e cruzei com o que há de pior. Dito isso, posso afirmar que a renovação política é uma possibilidade concreta, não uma fantasia romântica de quem não tem compromisso com a realidade.

Hoje, cerca de um terço dos congressistas é suspeito de ter cometido algum crime. Em razão do foro privilegiado, a tentativa de reeleição tende a ser ainda mais alta. De todo modo, estou convencido de que a renovação é possível. E entendo que ela se dará pelo resgate do que há de melhor na política: a aglutinação de ideias, a busca pelo coletivo, o respeito às instituições e o debate franco.

O desafio é ainda maior em tempos de fake news. A abrangência das redes sociais destoa da profundidade das discussões que ela comporta. Nesse caso, o meio não é a mensagem. O conteúdo de muitas delas replicam velhas e preconceituosas ideias, compartilhadas com o argumento de ampliação do debate. E não há um lugar onde o jovem está mais ativo do que nas redes.

Nesse contexto de polarização e intolerância, de dedo em riste, cabe aos jovens serem revolucionários por meio do diálogo. Intransigentes, mas no direito pela opinião e debate de ideias. Entender a democracia é, antes de tudo, compartilhar os princípios e valores que a sustentam.

Fonte: JL/PODER 360
Reportagem publicada no site www.jornalluzilandia.com.br