JORNAL LUZILÂNDIA
Clipagem Eletrônica - Versão para impressão
CORRUPÇÃO
Dodge revela investigados em inquérito da JBS; entre os alvos 6 senadores
08/06/18, 14:26

S

eis senadores, 2 ex-ministros e 1 ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) são os investigados em inquérito que apura repasses do grupo J&F a políticos do MDB. São eles:

  • senador Renan Calheiros (MDB-AL);
  • senador Jader Barbalho (MDB-PA);
  • senador Eunício de Oliveira (MDB-CE);
  • senador Eduardo Braga (MDB-PA);
  • senador Valdir Raupp (MDB-RO);
  • senador Dario Berger (MDB-SC);
  • Helder Barbalho, ex-ministro da Integração Nacional;
  • Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda.
  • Vital do Rêgo, ministro do TCU;

As informações foram prestadas pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em resposta a questionamento do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal). Leia a íntegra da manifestação.

O inquérito foi aberto dia 16 de maio por ordem de Fachin. Um dia depois, ele entendeu que a PGR não tinha deixado claro quem seria efetivamente investigado. O esclarecimento sobre os 9 suspeitos foi feito por Dodge na 5ª feira (7.jun.2018).

Em relação ao ex-deputado Henrique Eduardo Alves (MDB-RJ), citado inicialmente, Dodge pediu para que o caso seja remetido à 1ª Instância por poder tramitar em separado.

Em relação a outros 3 senadores que haviam sido citados no pedido de abertura de inquérito (Romero Jucá (MDB-RR), Edison Lobão (MDB-MA) e Roberto Requião (MDB-PR), ela afirmou que não há motivos suficientes neste momento para investigação.

DELAÇÃO PREMIADA

O inquérito foi aberto com base em informações prestadas pelo ex-presidente da Transpetro Sergio Machado e pelo ex-executivo do grupo J&F Ricardo Saud.

Machado teria dito que ouviu de inúmeros políticos, em reuniões na casa do senador Renan Calheiros (MDB-AL), “que o grupo JBS iria fazer doações ao PMDB, a pedido do PT, na ordem de R$ 40 milhões”.

Os supostos beneficiários destes repasses seriam os senadores do MDB Renan Calheiros (AL), Jader Barbalho (PA), Romero Jucá (RR), Eunício Oliveira (CE), Eduardo Braga (AM), Edison Lobão (MA), Valdir Raupp (RO), Roberto Requião (PR) e o hoje ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rêgo (PB).

As declarações de Machado foram corroboradas por Saud. O ex-executivo do grupo J&F relatou pagamentos de aproximadamente R$ 46 milhões a congressistas do MDB por meio de doação eleitoral.

Os repasses teriam atendido pedidos de dirigentes do PT e, segundo Saud, “tinham por objetivo manter a unidade do PMDB, já que havia, à época, risco de ruptura, com a perspectiva de integrantes do Partido passarem a apoiar formalmente a campanha de Aécio Neves à Presidência da República”.

Fonte: JL/PODER 360
Reportagem publicada no site www.jornalluzilandia.com.br