CBN - A rádio que toca notícia

POLÍTICA

Campanha pretende aumentar número de mulheres nos parlamentos do país

No Brasil, numa Câmara Federal com 513 deputados, apenas 10% são mulheres, enquanto, no Senado, o sexo feminino tem 16% de representação, entre 81 parlamentares. Feministas criam uma rede de apoio para candidaturas

11/07/18, 16:20

O

Brasil ocupa o 154º lugar entre 193 países no ranking de igualdade de gênero no parlamento, considerando a Câmara dos Deputados. O país tem apenas 10% de deputadas em exercício, o dobro da representação na Câmara que elaborou a Constituição de 1988. No Senado, são 13 mulheres entre 81 parlamentares (16%). Nas Câmaras municipais, há sete vereadores homens para cada mulher. Primeira mulher chefe de Estado do país, a presidenta Dilma Rousseff foi deposta por um impeachment cujo processo não provou crime algum.

A primeira mulher eleita para um governo estadual no país foi Roseana Sarney, apenas em 1994. O cargo de governadora foi ocupado por apenas 10 mulheres na história brasileira. No caso das mulheres negras, elas não chegaram a 1% de candidaturas na disputa por prefeituras nas eleições de 2016. No Congresso Nacional, não há mulheres indígenas ou trans.

Só em 24 de fevereiro de 1932 as mulheres puderam votar no Brasil, e mesmo assim com várias restrições: somente mulheres casadas e com autorização dos maridos, além de viúvas e solteiras com "renda própria" podiam exercer o direito, que foi ampliado em 1934, com a eliminação das restrições ao voto feminino. 

Pensando em transformar essa realidade, militantes feministas lideradas pela Mídia Ninja criaram a Campanha de Mulher, projeto de comunicação cujo objetivo é apoiar mulheres candidatas nas eleições de 2018. O objetivo, diz o coletivo, é dar "suporte operativo" (design, fotografia, audiovisual, assessoria de imprensa, redes sociais) e "romper com a ideia de que mulheres não pertencem à política". O movimento convida comunicadoras e pré-candidatas para "provar que política é coisa de mulher", reunindo ativistas e pré-candidatas feministas para eleger mulheres.

"A situação que temos no Brasil hoje advém da própria estrutura da sociedade. Desde pequenas, as mulheres são ensinadas a estar no espaço privado, e não no espaço público. Por isso é difícil ver mulheres na política. Nossa ideia com a campanha liderada pela Midia Ninja é chamar a atenção e criar uma rede de apoio para candidaturas femininas", afirma Carina Vitral, ex-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) e pré-candidata a deputada estadual pelo PCdoB.

"Se não temos financiamento de grandes empresas e dos poderosos, vamos ter uma rede de solidariedade em comunicação, pessoas e militantes que possam ajudar voluntariamente nas campanhas", acrescenta.

Mas Carina explica que, para participar da Campanha de Mulher, as candidatas têm de estar  comprometidas com pautas que influenciam a vida das mulheres diretamente, como empregabilidade, direitos reprodutivos, licença maternidade, creches, educação e políticas voltadas para as mulheres de modo geral. "À medida que a gente tenha mais mulheres na política, o comprometimento com essas pautas será maior. Mas não são todas as mulheres que se candidatam que estão comprometidas com essas pautas."

Para a vereadora Juliana Cardoso (PT), as mulheres seguem sem o devido espaço nos partidos políticos. "Em todos eles, por mais que tenhamos partidos de esquerda", ressalta. Pré-candidata a deputada federal pelo PT, Juliana considera muito bem-vinda a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que, em maio, definiu que as agremiações partidárias devem repassar 30% dos recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) para candidaturas de mulheres.

A vereadora acredita que a decisão do TST deve proporcionar mais estrutura às campanhas femininas, e destaca o papel da imprensa alternativa na divulgação das candidaturas. "Toda a mídia alternativa é extremamente importante para romper a bolha da imprensa, que só dá espaço para os homens e coloca as mulheres em subgrupos", diz Juliana.

Carina Vitral lembra que não é por ser uma campanha de mulheres feministas  que os homens não podem dar seu apoio. "Tem muitos eleitores homens que estão sensibilizados com essas questões, que podem procurar votar em mulheres para superar as desigualdades. Essa não é uma campanha destinada somente às mulheres, mas a toda a sociedade, para acabar com a desigualdade de gênero na política."

Hoje, há 10 países cujos chefes de Estado são mulheres: Chile, Croácia, Estônia, Ilhas Marshall, Libéria, Lituânia, Malta, Ilhas Maurícias, Nepal e Taiwan. As nações governadas por uma primeira-ministra são sete: Alemanha, Bangladesh, Namíbia, Noruega, Polônia, Reino Unido e Escócia.

Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
26/11/18, 16:42 | TRANSIÇÃO - Bolsonaro já nomeou 12 ministros e pode concluir Esplanada nesta semana
26/11/18, 16:36 | POLÊMICA - Moro critica projeto que altera Lei de Execução Penal
26/11/18, 16:16 | TRANSIÇÃO - Moro anuncia criação da Secretaria de Operações Policiais Integradas
26/11/18, 16:11 | POLÍTICA - Bolsonaro coloca general para lidar com o Congresso Nacional
26/11/18, 16:00 | ARTIGO JURÍDICO - A teoria da empresa, o empresário individual e o Código Civil
26/11/18, 15:01 | ECONOMIA - Confiança do consumidor sobe e atinge maior nível desde julho de 2014
26/11/18, 14:52 | CRIME - Ex-diplomata Sergio Schiller se entrega à polícia do Rio
26/11/18, 14:40 | ESPORTE - Campeão, Felipão rebate críticas e manda recado a Bolsonaro
26/11/18, 13:34 | SOCIAL - Ministério do Trabalho celebra 88 anos com atividades em todo o país
26/11/18, 13:30 | ACIDENTE - Queda de avião em Minas Gerais mata quatro pessoas
26/11/18, 13:28 | EDUCAÇÃO - MEC libera recursos para educação em tempo integral
26/11/18, 13:13 | LEI DE ACESSO - Júlio César Lima e mais 14 congressistas devem mais de R$ 600 milhões a União
26/11/18, 10:25 | ACIDENTE - Avião de empresário explode durante pouso em fazenda de Minas
26/11/18, 10:13 | POLÍTICA - Em 1ª entrevista pós-eleição, Haddad avalia Bolsonaro no poder
26/11/18, 10:09 | CRIME - Bando assalta banco, incendeia viaturas e causam pânico no MA
26/11/18, 09:33 | SALÁRIOS - Temer deve sancionar reajuste de 16,38% para o STF até quarta
26/11/18, 09:29 | PARLAMENTO - Alvos da Lava Jato querem votar mudança na lei penal e Moro reage
26/11/18, 09:23 | ESTUDO - Seis mulheres são vítimas de feminicídio a cada hora no mundo, diz ONU
26/11/18, 09:09 | ONG - Nº de pobres cresce, e Brasil é o 9º país mais desigual, aponta Oxfam
25/11/18, 20:16 | ESPORTE - PALMEIRAS CAMPEÃO BRASILEIRO 2018: 1 x 0 sobre o Vasco
25/11/18, 18:00 | TRANSIÇÃO - Bolsonaro defende escolha de ministros sem discussão com partidos
25/11/18, 17:50 | ECONOMIA - Equipe de transição define 15 áreas da economia como prioridades
25/11/18, 17:47 | ECONOMIA - Futuro presidente da Petrobrás acha que o preço da gasolina está barato
25/11/18, 17:42 | MUNDO - Deputados ingleses defendem liberdade de Lula em moção no parlamento inglês
25/11/18, 17:35 | ARTIGO JURÍDICO - Profissional Liberal - Direito Empresarial - Código Civil
25/11/18, 15:50 | LIBERTADORES - Boca Juniors pede suspensão do jogo e punição ao River Plate
25/11/18, 15:34 | ESPORTE - Conmebol adia final da Libertadores entre Boca Juniors e River Plate
25/11/18, 15:05 | CRIME - Polícia Federal liga Renan Calheiros a propina paga na Suíça
25/11/18, 14:31 | SAÚDE - Mães de bebês com microcefalia vivem novos desafios
25/11/18, 13:55 | ELEIÇÃO - Neta de Bernardo Dias é eleita vice-presidente da OAB em Parnaíba
« Anterior 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 | 391 - 420 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site