CBN - A rádio que toca notícia

DESVIO DE FINALIDADE

Alckmin e Serra viram réus por indícios de pedalada fiscal no governo de São Paulo

A reportagem da Folha informa ainda que, além dos ex-governadores tucanos, também foram incluídos no processo o secretário da Fazenda do governo paulista, Helcio Tokeshi, ex-secretários e as empresas públicas Companhia Paulista de Securitização (CPSEC) e Companhia Paulista de Parcerias (CPP), além de seus respectivos presidentes

13/05/18, 15:45

O

s ex-governadores tucanos de São Paulo Geraldo Alckmin e José Serra se tornaram réus em uma ação civil pública sob acusação de autorizar negociação de dívidas tributárias, operação com risco de causar prejuízos orçamentários ao estado. Como contrapartida pela negociação, explica a reportagem de José Marques e Walter Nunes (Folha de S.Paulo), o governo recebeu dinheiro de endividados, antecipadamente, que seria pago durante vários anos aos cofres públicos.

Para os autores da ação civil, trata-se de uma espécie de pedalada fiscal, como se convencionou chamar o mesmo procedimento que fundamentou o processo de impeachment, em julgamento concluído em 31 de agosto de 2016, da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). O processo contra Alckmin e Serra foi iniciativa de dois sindicatos paulistas que representam fiscais de renda e procuradores do estado, que pedem, entre outras medidas, o enquadramento dos investigados em improbidade administrativa e a reposição ao erário do valor correspondente ao prejuízo.

Serra governou São Paulo entre 2007 e 2010, enquanto Alckmin estava no cargo desde 2011 até 6 de abril deste ano, quando deixou a função para poder se candidatar à Presidência da República. Antes, ele havia sido governador do maior estado da América do Sul depois da morte do titular, Mário Covas, em março de 2001, reelegendo-se para mais um mandato.

No último dia 13 de março, os ex-governadores do PSDB foram intimidados e, com prazo determinado, têm que apresentar suas defesas sob risco de serem julgados à revelia. A ação transcorre na 14ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo desde janeiro passado, mas desde novembro fiscais já vinham denunciando as manobras do governo.

A reportagem da Folha informa ainda que, além dos ex-governadores tucanos, também foram incluídos no processo o secretário da Fazenda do governo paulista, Helcio Tokeshi, ex-secretários e as empresas públicas Companhia Paulista de Securitização (CPSEC) e Companhia Paulista de Parcerias (CPP), além de seus respectivos presidentes.

“O processo diz que os problemas começaram em 2007, quando o governo do estado, ainda sob a gestão Serra, iniciou um programa de parcelamento de dívidas tributárias, como o ICMS, oferecendo vantagens aos devedores. Entre elas, descontos nos juros e nas multas por atrasos. Já no governo Alckmin, para receber antecipadamente o dinheiro dessas dívidas, o governo negociou ‘direitos creditórios’ com a CPSEC. Nessa tratativa, o governo cedia esses créditos com um deságio (redução de preço) de até 50% à CPSEC, que transforma o passivo em debêntures (títulos da dívida). Os títulos eram obtidos por financiadores, que se beneficiam com os seus rendimentos quando a dívida é quitada – segundo a acusação, o governo se torna garantidor dessa dívida, caso haja inadimplência. O governo nega que haja essa garantia”, diz trecho da reportagem, que cita trechos da ação civil pública.

“Conforme a ação dos sindicatos, os ‘créditos bons’, cujos contribuintes têm antecedentes de bons pagadores, são repassados ao mercado. Já os ‘papéis podres’, com alto índice de inadimplência, voltam para o estado. ‘Ou seja, pelo crédito tributário bom, aquele que ingressaria normalmente no Caixa do Tesouro, o estado antecipa seu recebimento com significativo deságio, e ainda se compromete a garantir, até porque é acionista majoritário da CPSEC, o resgate do título no seu vencimento e pagamento dos juros aos investidores, que, em realidade, não assumem risco nenhum adquirindo esses papéis. Já pelo crédito ruim, o estado acaba não recebendo absolutamente nada, uma vez que eles não são negociados com investidores’”, acrescenta a matéria, com outro trecho da acusação.

Ainda segundo o jornal paulista, os sindicatos alegam que a antecipação de receitas, neste caso, pode configurar operação de crédito, algo que viola a Lei de Responsabilidade Fiscal. A ação também acusa o estado de São Paulo, nas gestões tucanas, de usar sua estrutura para cobrar tais dívidas, uma vez que a CPSEC é uma empresa pública do governo paulista. “As emissões de debêntures aconteceram a partir de 2012, nos valores de R$ 600 milhões, R$ 800 milhões e R$ 740 milhões”, destaca a reportagem.

Fonte: JL/Congrasso e Foco
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
08/05/18, 12:27 | POLÍTICA - Joaquim Barbosa anuncia desistência de concorrer à eleição pelo Twitter
08/05/18, 12:19 | POLÊMICA - Temer promete R$ 1,2 bilhão para a intervenção e entrega zero
07/05/18, 21:07 | ENTREVISTA - Temer diz não ter medo de ser preso ao deixar o cargo: 'Seria uma indignidade'
07/05/18, 20:25 | POLÊMICA - Dodge questiona STF sobre foro para julgar congressistas reeleitos
07/05/18, 20:23 | PROPINA - Barroso prorroga por mais 60 dias inquérito que investiga Temer
07/05/18, 20:08 | CORRUPÇÃO - Temer questiona fim do foro privilegiado: ‘Não sei de quem é a conquista’
07/05/18, 16:58 | CLASSIFICAÇÃO - Brasil ocupa 102º lugar no ranking com mais liberdade de imprensa
07/05/18, 16:55 | EVENTO - Conselho de Comunicação Social debate violência contra jornalistas
07/05/18, 16:49 | CORRUPÇÃO - PGR pede ao Supremo explicação sobre foro privilegiado
07/05/18, 15:07 | ARTIGO - Foro privilegiado, sociedade, parlamento, MP e Judiciário
07/05/18, 14:30 | POLÍTICA - Alvaro Dias reitera em sabatina que não cogita aliança com o PSDB de Alckmin
07/05/18, 12:32 | ARROGÂNCIA - Segurança é afastada da guarda de Marcela Temer por não cuidar de cãozinho
07/05/18, 12:23 | PREVIDÊNCIA - Em audiência, professor propõe "milhas para a aposentadoria"
07/05/18, 12:12 | CRIMINALIDADE - Bandidos têm ordens para matar policiais no Rio, diz delegado
07/05/18, 11:59 | DECLÍNIO - Pobreza cesce e trás de volta nova segregação social no governo Temer
07/05/18, 11:54 | SOCIAL - Emgerpi oferece descontos de até 90% a mutuários do Programa Minha Casa Legal
07/05/18, 10:55 | DECISÃO - TCE-PI prorroga prazo para envio de prestações de contas municipais
07/05/18, 07:51 | DESCASO - Prefeito de Luzilândia não divulga valores arrecadados com taxa de iluminação pública
06/05/18, 21:39 | DENÚNCIA - Aneel vê rombos bilionários em emendas da MP da Eletrobras
06/05/18, 21:31 | ECONOMIA - Shoppings de todo o país têm, juntos, 12,5 mil lojas vazias
06/05/18, 20:48 | BRASILEIRÃO - Palmeiras derruba invencibilidade do Atlético-PR na Arena
06/05/18, 20:40 | BRASILEIRÃO - Na volta de Guerrero, Flamengo faz 2 a 0 no Inter e mantém liderança
06/05/18, 20:21 | BRASILEIRÃO - Com gol de Dedé, Cruzeiro bate o Botafogo no Mineirão
06/05/18, 16:38 | POLÊMICA - Procuradores e juízes repudiam declarações de Gilmar: “Nítido objetivo de desestabilizar a Justiça”
06/05/18, 16:35 | VIOLÊNCIA - Delegado da Polícia Federal é assassinado após ter casa invadida no Maranhão
06/05/18, 16:28 | VIOLÊNCIA - Mulher é morta a paulada após briga com vizinho em Campo Maior
06/05/18, 16:19 | POLÍTICA - Em 27 anos como deputado, Bolsonaro tem dois projetos aprovados
06/05/18, 16:06 | PROPINA - Entregador diz que levou dinheiro a escritório de amigo de Temer
06/05/18, 16:03 | RECURSOS PÚBLICOS - Michel Temer libera mais de R$ 4 bilhões para estados e municípios
06/05/18, 15:32 | POLÍTICA - Deputados presos do PMDB tentam lançar candidatura de herdeiros
« Anterior 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 | 391 - 420 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site