CBN - A rádio que toca notícia

ECONOMIA

Como os impostos brasileiros moldam e encarecem a nossa alimentação

O abismo de taxação entre alimentos industrializados e opções saudáveis, além das enormes isenções de impostos para os agrotóxicos, minam o direito de escolha do consumidor e afetam a saúde da população

16/04/18, 09:47

O

s alimentos que encontramos nas prateleiras dos mercados trazem em seu preço não apenas o valor agregado daquela produção, mas também impostos, que são muitas vezes altos. No entanto, isso não é regra para todos os produtos.

Enquanto alimentos altamente industrializados e de baixo valor nutricional, como a linha Hot Pocket Sadia e a Pizza Seara, são taxados em 8,7%, a cebola chega a uma alíquota de 16%, o arroz, 17%, e a lentilha, 26% sobre o valor total. Os dados são do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) e da Campanha para Redução de Impostos de Alimentos Saudáveis.

Em relação aos alimentos com agrotóxicos, em 2016 o mesmo IBPT revelou ao jornal El País que o governo brasileiro concede isenção total do PIS/Cofins (Patrimônio do Servidor Público e Seguridade Social) e do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), além de redução de 60% do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para a produção e comércio de pesticidas.

Não à toa, em 2017 o Brasil deixou de arrecadar pelo menos R$ 1,3 bilhão com isenções aos agrotóxicos. Segundo a Rede Brasil Atual, o agronegócio, que movimentou cerca de R$ 30 bilhões no ano passado, recolheu em média 12% de ICMS e não pagou nada de IPI.

Com esses dados, fica claro que existem mecanismos financeiros que influenciam muito a dieta da população – em geral de maneira negativa, com incentivos a alimentos com agrotóxicos e industrializados em detrimento de opções saudáveis e orgânicas.

“Muitas opções são feitas em nosso nome antes de chegar o momento de escolhermos qual produto vamos colocar no carrinho. O governo é o maior incentivador da produção de alimentos com agrotóxicos. É principalmente por isso que em geral são muito mais baratos do que os orgânicos”, explica Marina Lacôrte, da campanha de Agricultura e Alimentação do Greenpeace.

Em 2017, enquanto o Plano Safra para a Agricultura Familiar se estagnava, crescia o orçamento destinado ao grande agronegócio. “E no final, somos nós que estamos pagando essa conta: com o nosso bolso, porque financiamos através de nossos impostos as políticas públicas de subsídios para o agronegócio, e com a nossa saúde, ao consumir diariamente doses de veneno em nossa comida”, pontua Lacôrte.

Esse desequilíbrio de incentivos entre a agricultura familiar e a convencional, altamente insustentável e impactante, adepta da monocultura e do uso incentivo dos agrotóxicos, que esgotam os solos e contaminam os cursos d’água, vem sendo denunciado pelo Greenpeace.

No final do ano passado, publicamos o relatório Agricultura Tóxica: um olhar sobre o modelo agrícola brasileiro, que contém um panorama completo – histórico, econômico, social, ambiental e sanitário – sobre o agronegócio. Vale a pena conferir também o teste de agrotóxicos realizado pelo Greenpeace em alimentos comuns da dieta do brasileiro, onde encontramos substâncias proibidas no Brasil, outras proibidas para a cultura em que foi aplicada e também detectamos o uso de pesticidas acima dos limites estabelecidos por lei.

O desafio de promover uma alimentação saudável e mais nutritiva para a população não recai apenas no trabalho de convencimento para que as pessoas passem a comer menos alimentos com agrotóxicos, menos carne e menos produtos industrializados – que inclusive é uma tendência que vem aumentando de maneira orgânica nos últimos anos. Mas é preciso também modificar essa estrutura público-privada consolidada em volta do agronegócio, reequilibrando a importância entre a produção orgânica e a produção convencional.

Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
23/11/18, 12:06 | TRANPORTE - Aplicativos de transporte poderão ter limite de comissão por corrida
23/11/18, 11:55 | SAÚDE PÚBLICA - Programa Mais Médicos já registra 84% das vagas definidas
23/11/18, 09:34 | CRIME - Nova fase da Lava Jato cumpre 22 mandados de prisão
23/11/18, 09:30 | TRANSIÇÃO - Futuro presidente do BB fala em "privatizar o que for possível"
23/11/18, 09:19 | DIREITOS HUMANOS - Alunos do DF criam painel em alusão à Declaração dos Direitos Humanos
23/11/18, 09:15 | PROGRAMA - Médicos cubanos deixam o país pelo Aeroporto de Brasília
23/11/18, 08:47 | ARTIGO - OAB para os advogados e para a sociedade
22/11/18, 15:00 | SAÚDE - Maternidades da Prefeitura de Teresina registram aumento de demanda após interdição parcial da Evangelina Rosa
22/11/18, 14:30 | ECONOMIA - Intenção de Consumo das Famílias cresce 1,1% de outubro para novembro
22/11/18, 14:26 | EDUCAÇÃO - Inscrições para o Sisu 2019 serão de 22 a 25 de janeiro
22/11/18, 13:14 | CRISE - Indefinição e críticas a Onyx Lorenzoni marcam primeira reunião do PSL depois das eleições
22/11/18, 12:10 | LEVANTAMENTO - Levantamento inédito do TCU aponta riscos de fraude e corrupção em 38 órgãos federais
22/11/18, 10:47 | CRIME - PF cumpre mandados em operação contra lavagem de dinheiro e tráfico
22/11/18, 10:32 | ESPORTE - Fábio Carille se chateia com árabes e pode retornar ao Corinthians
22/11/18, 10:28 | BRASILEIRÃO - Flamengo vence Grêmio e mantém disputa de título com Palmeiras
22/11/18, 08:06 | BRASILEIRÃO - Queda no fim do Brasileiro mostra carências e dúvidas sobre o Inter
21/11/18, 16:34 | TRANSIÇÃO - Após prometer 15 ministérios, equipe de Bolsonaro admite até 20
21/11/18, 16:28 | POLÍTICA - Em carta a Bolsonaro, governadores do Nordeste pregam diálogo nacional
21/11/18, 15:29 | DIREITOS HUMANOS - Direitos humanos são pautas de todos e para todos, afirma ministro
21/11/18, 15:26 | DECISÃO - STJ mantém foro privilegiado de desembargadores
21/11/18, 14:48 | POLÍTICA - Governadores do Nordeste debatem propostas em tramitação no Congresso
21/11/18, 14:45 | EDUCAÇÃO - MPF expede recomendações para impedir assédio moral a professores
21/11/18, 14:38 | PROGRAMA - Deputado propõe perdão da dívida do Fies para quem entrar no Mais Médicos
21/11/18, 14:00 | SEMINÁRIO - Mulheres negras são as maiores vítimas de feminicídio no Brasil
21/11/18, 13:40 | MAIS MÉDICOS - Médico cubano a Bolsonaro: 'Aprenda o que é amor ao próximo'
21/11/18, 10:25 | SAÚDE PÚBLICA - Saúde do homem será tema de roda de conversa em Teresina
21/11/18, 10:20 | SAÚDE PÚBLICA - SUS Teresina faz parceria com clínica particular para aumentar oferta de radioterapia
21/11/18, 09:34 | ECONOMIA - Envolvidas na Lava Jato devem receber perdão de R$ 800 milhões
21/11/18, 09:29 | MUNDO - Evento no Parlamento britânico discute situação política no Brasil
21/11/18, 09:26 | AMEAÇA - PF investiga vídeos com ameaças de morte a Bolsonaro
« Anterior 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 | 391 - 420 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site