CBN - A rádio que toca notícia

REAÇÃO

'Reforma' trabalhista será alvo de disputa nas ruas e nos tribunais

Para representantes de trabalhadores e especialistas em direito, em debate no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, país já provou que é possível criar empregos sem reduzir direitos

13/11/17, 21:53

A

nova legislação trabalhistas sancionada pelo governo Temer, que entrou em vigor no último sábado (11), não está consolidada, e será alvo de disputa jurídica, nos tribunais do trabalho e instâncias superiores, e política, nas ruas, nas fábricas e nas eleições do ano que vem. Essas foram as impressões compartilhadas por especialistas do direito, sindicalistas e políticos, em debate promovido pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, realizado nesta segunda-feira (13), em São Bernardo do Campo. 

As mudanças na legislação, segundo os debatedores, foram feitas sem que os trabalhadores fossem consultados, e atendem, portanto, somente aos interesses da classe patronal, que pretende enfraquecer os sindicatos durante as negociações e criar obstáculos para o acesso à Justiça do Trabalho. O debate sobre o dia seguinte à reforma trabalhista também foi acompanhado de perto pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defende a realização de um referendo revogatório sobre essa e outras medidas do governo Temer. 

Ao contrário do discurso oficial do governo, que alega que as novas regras estimularão a criação de novas vagas de emprego, os participantes foram unânimes em dizer que o que, de fato, vai aumentar com a reforma trabalhista é a precarização das relações do trabalho e a queda dos rendimentos gerais dos salários. 

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, o efeito geral é que, se essa nova legislação não for revogada, todos os trabalhadores com o atual modelo de contratação serão demitidos, e recontratados de maneira precarizada, na forma de terceirizado, autônomo ou intermitente. 

Ele também criticou o dispositivo que consta da nova lei que considera que as negociações coletivas terão prevalência sobre a legislação, até mesmo quando retirarem direitos. Segundo Freitas, negociação sem a presença do sindicato, como legítimo representante dos trabalhadores, não pode ser considerada com uma negociação coletiva. "Não há negociação coletiva sem um sindicato forte", ressaltou. 

Vagner defendeu a união de sindicatos em macro-setores, que reúna todo um determinado seguimento de trabalhadores, para, assim, terem maior poder de negociação e menores custos de manutenção de estruturas de assistência jurídica, por exemplo. 

Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
01/02/18, 18:12 | ACIDENTE - Polícia vai investigar acidente com dois mortos após carro cair de ponte em Teresina
01/02/18, 17:45 | CRIME - Suspeito de matar ex-companheira na frente da filha de 7 anos é preso no Piauí
01/02/18, 14:12 | INVESTIGAÇÃO - PF faz operação sobre denúncias de desvios no Postalis
01/02/18, 13:46 | DISCURSO - Cármen Lúcia: 'É inadmissível e inaceitável desacatar a Justiça'
01/02/18, 13:40 | POLÍTICA - Maia: Brasil perdeu o “timing” para reforma tributária
01/02/18, 13:18 | DENÚNCIA - Ex-senador afastado por corrupção ganha R$ 218 mil de salário
01/02/18, 13:15 | INVESTIGAÇÃO - PF acha tabela que sugere propina a Temer em portos
01/02/18, 13:04 | REPERCUSSÃO - Jornal Sueco expõe crise: Brasil não é mais uma democracia
01/02/18, 09:15 | CORRUPÇÃO - Membros da Lava Jato fizeram campanha e defenderam tucanos
01/02/18, 09:09 | CONFUSÃO - Gilmar Mendes pede para PF identificar quem o xingou em voo
01/02/18, 09:06 | POLÍTICA - Temer tem reunião com o chefe da PF e Aécio Neves
01/02/18, 08:19 | CARNAVAL - 'Observatório da Mulher' vai receber denúncias de assédio durante o Corso de Teresina
01/02/18, 07:58 | POLÍTICA - MDB foi o partido aliado que mais votou contra Temer no Senado
01/02/18, 07:51 | POLÍTICA - Segundo o Datafolha, nenhum candidato do PSDB empolga
01/02/18, 07:48 | POLÍTICA - Datafolha: Lula lidera e bate todos os candidatos no 2º turno
01/02/18, 07:46 | COMUNICAÇÕES - Brasil registra redução de 7,6 milhões de linhas telefônicas móveis em 2017
01/02/18, 07:41 | JUDICIÁRIO - STF abre trabalhos de 2018 com julgamento sobre cigarros aromatizados
01/02/18, 07:36 | DEBATE - Jovens brasileiros comandam painel sobre mobilidade urbana na ONU
30/01/18, 19:07 | POLÊMICA - Juízes, desembargadores, defensores e MP fazem caravana para manter privilégios
30/01/18, 17:23 | CONDENAÇÃO - Defesa do ex-presidente Lula recorre ao STJ para evitar prisão
30/01/18, 17:20 | EDUCAÇÃO - Interessados em aderir ao Prouni já podem consultar vagas
30/01/18, 17:17 | PROGRAMA - Caixa estuda incluir eletrodomésticos no Minha Casa, Minha Vida
30/01/18, 15:46 | EDUCAÇÃO - Revolução na educação: uma escola sem salas nem aulas
30/01/18, 15:40 | PARLAMENTO - Veja como cada deputado votou nas principais votações de 2017
30/01/18, 15:25 | SAÚDE - Febre amarela: as principais dúvidas sobre a doença
30/01/18, 13:41 | ENTREVISTA - Historiador diz: “O sistema político brasileiro é um cadáver, apodrecendo a céu aberto”
30/01/18, 13:36 | ENTREVISTA - Flávio Dino: não acredito que STF e STJ compactuarão com violência judiciária
30/01/18, 13:34 | REFORMA - Temer muda plano de saúde e pode deixar sem cobertura milhares de trabalhadores
30/01/18, 13:29 | DECISÃO - Moro determina leilão público do triplex atribuído a ex-presidente
30/01/18, 12:29 | FLAGRANTE - Cães farejadores encontram 33kg de maconha em ônibus em Campo Maior
« Anterior 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 | 391 - 420 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site