CBN - A rádio que toca notícia

REAÇÃO

'Reforma' trabalhista será alvo de disputa nas ruas e nos tribunais

Para representantes de trabalhadores e especialistas em direito, em debate no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, país já provou que é possível criar empregos sem reduzir direitos

13/11/17, 21:53

A

nova legislação trabalhistas sancionada pelo governo Temer, que entrou em vigor no último sábado (11), não está consolidada, e será alvo de disputa jurídica, nos tribunais do trabalho e instâncias superiores, e política, nas ruas, nas fábricas e nas eleições do ano que vem. Essas foram as impressões compartilhadas por especialistas do direito, sindicalistas e políticos, em debate promovido pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, realizado nesta segunda-feira (13), em São Bernardo do Campo. 

As mudanças na legislação, segundo os debatedores, foram feitas sem que os trabalhadores fossem consultados, e atendem, portanto, somente aos interesses da classe patronal, que pretende enfraquecer os sindicatos durante as negociações e criar obstáculos para o acesso à Justiça do Trabalho. O debate sobre o dia seguinte à reforma trabalhista também foi acompanhado de perto pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defende a realização de um referendo revogatório sobre essa e outras medidas do governo Temer. 

Ao contrário do discurso oficial do governo, que alega que as novas regras estimularão a criação de novas vagas de emprego, os participantes foram unânimes em dizer que o que, de fato, vai aumentar com a reforma trabalhista é a precarização das relações do trabalho e a queda dos rendimentos gerais dos salários. 

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, o efeito geral é que, se essa nova legislação não for revogada, todos os trabalhadores com o atual modelo de contratação serão demitidos, e recontratados de maneira precarizada, na forma de terceirizado, autônomo ou intermitente. 

Ele também criticou o dispositivo que consta da nova lei que considera que as negociações coletivas terão prevalência sobre a legislação, até mesmo quando retirarem direitos. Segundo Freitas, negociação sem a presença do sindicato, como legítimo representante dos trabalhadores, não pode ser considerada com uma negociação coletiva. "Não há negociação coletiva sem um sindicato forte", ressaltou. 

Vagner defendeu a união de sindicatos em macro-setores, que reúna todo um determinado seguimento de trabalhadores, para, assim, terem maior poder de negociação e menores custos de manutenção de estruturas de assistência jurídica, por exemplo. 

Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
02/11/17, 08:34 | MEIO AMBIENTE - Parques nacionais estão mais vulneráveis a grandes incêndios
02/11/17, 08:26 | ESPORTE - Grêmio é finalista da Libertadores mesmo com derrota em casa para Barcelona-EQU
02/11/17, 08:24 | EDUCAÇÃO - Enem: candidatos devem ficar atentos aos horários das provas para evitar atrasos
02/11/17, 08:15 | POLÍTICA - Planalto cogita exonerar Torquato após afirmações sobre segurança no RJ
02/11/17, 08:08 | REGISTRO - Dia de Finados com intensa programação nas principais capitais
31/10/17, 18:56 | CRIME - Comandantes da PM são sócios do crime organizado no Rio, diz ministro
31/10/17, 18:50 | POLÍTICA - Doria propõe criação de frente partidária contra Lula e Bolsonaro
31/10/17, 18:19 | CRIME - Capitão assassino confessa crime e indica localização do corpo da estudante de Direito
31/10/17, 16:53 | CRIME - Juiz decreta prisão do capitão assassino da estudante de Direito em Teresina
31/10/17, 15:32 | POLÍTICA - Luciano Huck tem 40% de potencial de voto, mas perde para Bolsonaro
31/10/17, 15:20 | SUCESSÃO - A 1 ano da eleição, Lula e Bolsonaro se consolidam à frente na disputa
31/10/17, 15:15 | POLÍTICA - Lula: 'Vamos trazer a democracia de volta ao Brasil'
31/10/17, 15:05 | MEIO AMBIENTE - Após 12 horas de chuva, ruas alagam e casas e carros ficam ilhados em Floriano
31/10/17, 12:56 | CORRUPÇÃO - Temer recebeu dinheiro por aporte no grupo Bertin, diz Funaro
31/10/17, 12:51 | LIMINAR - Gilmar Mendes suspende transferência de Cabral para o MS
31/10/17, 12:47 | LAVA JATO - Em depoimento, Funaro chora e desabafa: 'Minha vida virou um inferno'
31/10/17, 09:42 | SHOW - ‘É a primeira vez que sou impedido de cantar no período democrático’, diz Caetano
31/10/17, 09:36 | ENTREVISTA - Lula: O Brasil que pode dar certo passa pela anulação das medidas do golpe
30/10/17, 17:29 | HOMICÍDIO - Família do jovem assassinado por 'Valdeci das Fruteiras' em Joca Marques pede indenização de R$ 950 mil reais
30/10/17, 16:35 | INFRAESTRUTURA - Prefeitura de Teresina prepara 200 mil mudas de árvores para 2018
30/10/17, 16:31 | ESTIMAÇÃO - Animais domésticos ganham novo lar em feira de adoção em Teresina
30/10/17, 16:17 | EFETIVO - Guarda Municipal reforça segurança em espaços públicos de Teresina
30/10/17, 15:11 | TRAGÉDIA - Alunos voltam às aulas em Goiânia onde adolescente matou colegas
30/10/17, 15:06 | EDUCAÇÃO - Candidatos que fraudaram o Enem em 2016 serão eliminados, diz Inep
30/10/17, 14:57 | ECONOMIA - Contas públicas fecham setembro com déficit de R$ 21,2 bilhões
30/10/17, 12:57 | POSIÇÃO - Pena contra trabalho escravo deve ser maior, defende Raquel Dodge
30/10/17, 12:51 | CRIME - Homem mata pai, irmã, vizinho, atira em mais dois e se mata
30/10/17, 12:44 | EXTERIOR - Brasileiros criam grupo para fortalecer democracia do país
30/10/17, 10:56 | TRANSPORTE - Motoristas da Uber param por 24 horas em Teresina em protesto contra projeto
30/10/17, 10:46 | INVESTIGAÇÃO - Polícia investiga desaparecimento de estudante de Direito em Teresina
« Anterior 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 | 391 - 420 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site