CBN - A rádio que toca notícia

REAÇÃO

'Reforma' trabalhista será alvo de disputa nas ruas e nos tribunais

Para representantes de trabalhadores e especialistas em direito, em debate no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, país já provou que é possível criar empregos sem reduzir direitos

13/11/17, 21:53

A

nova legislação trabalhistas sancionada pelo governo Temer, que entrou em vigor no último sábado (11), não está consolidada, e será alvo de disputa jurídica, nos tribunais do trabalho e instâncias superiores, e política, nas ruas, nas fábricas e nas eleições do ano que vem. Essas foram as impressões compartilhadas por especialistas do direito, sindicalistas e políticos, em debate promovido pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, realizado nesta segunda-feira (13), em São Bernardo do Campo. 

As mudanças na legislação, segundo os debatedores, foram feitas sem que os trabalhadores fossem consultados, e atendem, portanto, somente aos interesses da classe patronal, que pretende enfraquecer os sindicatos durante as negociações e criar obstáculos para o acesso à Justiça do Trabalho. O debate sobre o dia seguinte à reforma trabalhista também foi acompanhado de perto pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defende a realização de um referendo revogatório sobre essa e outras medidas do governo Temer. 

Ao contrário do discurso oficial do governo, que alega que as novas regras estimularão a criação de novas vagas de emprego, os participantes foram unânimes em dizer que o que, de fato, vai aumentar com a reforma trabalhista é a precarização das relações do trabalho e a queda dos rendimentos gerais dos salários. 

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, o efeito geral é que, se essa nova legislação não for revogada, todos os trabalhadores com o atual modelo de contratação serão demitidos, e recontratados de maneira precarizada, na forma de terceirizado, autônomo ou intermitente. 

Ele também criticou o dispositivo que consta da nova lei que considera que as negociações coletivas terão prevalência sobre a legislação, até mesmo quando retirarem direitos. Segundo Freitas, negociação sem a presença do sindicato, como legítimo representante dos trabalhadores, não pode ser considerada com uma negociação coletiva. "Não há negociação coletiva sem um sindicato forte", ressaltou. 

Vagner defendeu a união de sindicatos em macro-setores, que reúna todo um determinado seguimento de trabalhadores, para, assim, terem maior poder de negociação e menores custos de manutenção de estruturas de assistência jurídica, por exemplo. 

Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
26/11/18, 09:29 | PARLAMENTO - Alvos da Lava Jato querem votar mudança na lei penal e Moro reage
26/11/18, 09:23 | ESTUDO - Seis mulheres são vítimas de feminicídio a cada hora no mundo, diz ONU
26/11/18, 09:09 | ONG - Nº de pobres cresce, e Brasil é o 9º país mais desigual, aponta Oxfam
25/11/18, 20:16 | ESPORTE - PALMEIRAS CAMPEÃO BRASILEIRO 2018: 1 x 0 sobre o Vasco
25/11/18, 18:00 | TRANSIÇÃO - Bolsonaro defende escolha de ministros sem discussão com partidos
25/11/18, 17:50 | ECONOMIA - Equipe de transição define 15 áreas da economia como prioridades
25/11/18, 17:47 | ECONOMIA - Futuro presidente da Petrobrás acha que o preço da gasolina está barato
25/11/18, 17:42 | MUNDO - Deputados ingleses defendem liberdade de Lula em moção no parlamento inglês
25/11/18, 17:35 | ARTIGO JURÍDICO - Profissional Liberal - Direito Empresarial - Código Civil
25/11/18, 15:50 | LIBERTADORES - Boca Juniors pede suspensão do jogo e punição ao River Plate
25/11/18, 15:34 | ESPORTE - Conmebol adia final da Libertadores entre Boca Juniors e River Plate
25/11/18, 15:05 | CRIME - Polícia Federal liga Renan Calheiros a propina paga na Suíça
25/11/18, 14:31 | SAÚDE - Mães de bebês com microcefalia vivem novos desafios
25/11/18, 13:55 | ELEIÇÃO - Neta de Bernardo Dias é eleita vice-presidente da OAB em Parnaíba
24/11/18, 19:02 | ECONOMIA - Vendas de comércio eletrônico na Black Friday 2018 crescem 23%
24/11/18, 18:57 | POLÊMICA - Em petição a Fux, juízes querem manter vantagem do auxílio-moradia
24/11/18, 18:51 | PROGRAMAS - Presidente eleito diz que programas sociais passarão por auditoria
24/11/18, 18:48 | POLÊMICA - Bolsonaro cogita criação de campo de refugiados para venezuelanos
24/11/18, 18:00 | MUNDO - Paris vive dia de caos em novo protesto contra Macron
24/11/18, 14:29 | VIOLÊNCIA - Briga de vizinhos termina em morte em Teresina, diz polícia
24/11/18, 14:07 | SAÚDE PÚBLICA - Ministério inicia campanha nacional para estimular doação de sangue
24/11/18, 13:39 | GESTÃO PÚBLICA - Governadores eleitos vão participar de curso de gestão em Oxford
24/11/18, 12:45 | JUDICIÁRIO - Ministro libera voto e STF pode julgar descriminalização da maconha
24/11/18, 12:41 | REFORMAS - Sérgio Moro diz que vai propor um “Plano Real” contra a criminalidade
24/11/18, 12:14 | SAÚDE - Adiamento de cirurgia abre especulações sobre saúde de Jair Bolsonaro
24/11/18, 12:05 | CORRUPÇÃO - MP pede que Aécio devolva R$ 11,5 milhões gastos com voos particulares
24/11/18, 09:58 | JUSTIÇA - Barroso diz que corruptos serão perdoados, caso STF mantenha indulto
24/11/18, 09:55 | CRIME - Ministro: envolvimento de poderosos na morte de Marielle é certeza
24/11/18, 09:51 | POLÍTICA - TSE vai julgar contas da campanha de Bolsonaro no dia 4 de dezembro
23/11/18, 19:34 | SAÚDE - Infecção adia cirurgia de Jair Bolsonaro para depois da posse
« Anterior 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 | 391 - 420 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site