CBN - A rádio que toca notícia

POLÍTICA

Lei Eleitoral restringe atos do poder público a partir de hoje

Entre as condutas vedadas está a transferência voluntária de recursos

07/07/18, 11:23

A

transferência voluntária de recursos da União para os estados e municípios, bem como dos governos estaduais aos municipais, está proibida a partir de hoje (7), devido às eleições de outubro. Essa é uma das condutas vedadas pela Lei Eleitoral três meses antes do pleito, visando evitar que atos do poder público afetem a igualdade de oportunidades entre os diversos candidatos. O descumprimento das proibições pode levar desde a anulação do ato, passando por multa para o agente público responsável pela iniciativa até a cassação do registro ou do diploma do candidato beneficiado.

Segundo o assessor da Presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Sérgio Ricardo dos Santos, a legislação proíbe atos que possam influenciar o pleito, desequilibrando a disputa eleitoral. "Essa previsão visa trazer equilíbrio à eleição, ainda mais no cenário em vivemos em que é possível a reeleição. Quem tem a caneta na mão, no caso o governante, poderia eventualmente explorar aquele ato de uma forma não ortodoxa, incluindo aspectos que possam favorecer possíveis candidatos", argumentou. "A promoção do equilíbrio da disputa é fundamental para a garantia da democracia", completou.

Conforme dados do Portal da Transparência, neste ano, a União transferiu R$ 157,7 bilhões, o que representa 11,5% dos gastos públicos. Desse total, R$ 107,3 bilhões são repasses obrigatórios (constitucionais e royalties). Os demais R$ 50,5 bilhões são transferências voluntárias.

A Lei Eleitoral abre exceção para o repasse voluntário de recursos decorrentes de convênios assinados anteriormente, para a realização de obras ou serviços em andamento e com cronograma pré-fixado, além da liberação de verbas para atender situações de emergência e calamidade pública. 

Condutas proibidas

Uma das ações vedadas mais recorrentes na Justiça Eleitoral é a propaganda institucional. Neste período é proibida a veiculação da propaganda institucional de órgãos públicos. Ou seja, a publicidade dos atos do governo terá caráter exclusivamente educativo, informativo ou de orientação social, sem nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção de autoridades. Pode ser veiculada também publicidade de produtos e serviços que disputem mercado. Por exemplo, do Banco do Brasil.

As campanhas de utilidade pública, como os anúncios de vacinação, são permitidas desde que submetidas à deliberação da Justiça Eleitoral. "É avaliado se existe gravidade de fato e urgência que indique a necessidade de o poder público fazer uso da mídia", explicou Santos. Neste período também não pode haver pronunciamentos em rede de rádio e televisão, exceto em casos de urgência autorizados pela Justiça Eleitoral.

A Lei Eleitoral proíbe ainda nomear, contratar, admitir, demitir sem justa causa, tirar vantagens funcionais, impedir o exercício profissional, transferir, remover ou exonerar servidor público até a posse dos eleitos. Nesse caso também há exceções: são permitidas nomeações e exonerações de cargos de confiança, nomeações para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos tribunais ou conselhos de contas e dos órgãos da Presidência da República, bem como de aprovados em concurso públicos homologados até este sábado.

A partir de hoje, o poder público não pode contratar shows pagos com dinheiro público para inaugurações de obras, bem como os candidatos não devem participar desses eventos. Em ano eleitoral é proibida a distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios pela administração pública, exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior. Os programas sociais não poderão ser executados por entidade nominalmente vinculada a candidato ou por ele mantida. 

Fonte: JL/Agência Brasil
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
02/11/18, 22:21 | ENTREVISTA - Cientista Político italiano teme que Moro tenha destino de 'herói' da Mãos Limpas que entrou para a política
02/11/18, 21:33 | EDUCAÇÃO - Horário de verão e fake News estão entre as preocupações dos responsáveis pelo Enem
02/11/18, 21:20 | POLÍTICA - Bolsonaro sinaliza rompimento de relações com Cuba e avisa: “Não posso errar, senão o PT volta”
02/11/18, 21:17 | CRIME ELEITORAL - Notícias falsas influenciaram eleições deste ano, dizem pesquisadores
02/11/18, 21:09 | INUSITADO - Morena clicada com Mourão foi investigada por Sergio Moro em suposta ligação com tráfico
02/11/18, 20:55 | EVENTO - ‘Garotos’ de 25 anos se tornam juízes sem conhecer a realidade, diz Toffoli
02/11/18, 20:50 | SEGURANÇA - Witzel e Flávio Bolsonaro vão a Israel conhecer drone que faz disparos para matar bandidos
02/11/18, 19:13 | POLÊMICA - Entidades que representam delegados divulgam nota de repúdio por declarações de Jungmann sobre caso Marielle
02/11/18, 15:03 | POLÍTICA - Reinaldo Azevedo: Moro é exemplo da justiça com partido
02/11/18, 14:46 | ARTIGO JURÍDICO - Tipos de Família, Paternidade e Maternidade no Registro Civil
02/11/18, 14:15 | JUDICIÁRIO - Com decisão de Moro, especialistas avaliam futuro da Lava Jato
02/11/18, 14:06 | CRIME - Justiça determina retirada de post de deputada do PSL contra professores
02/11/18, 13:57 | POLÊMICA - Mourão volta à cena: à BBC, nega autoritarismo; a jornal, diz que Magno Malta procura emprego
02/11/18, 13:48 | CRIME - Supremo notifica Eduardo Bolsonaro a responder denúncia de ameaça a jornalista
02/11/18, 13:30 | POLÊMICA - Equipe econômica de Bolsonaro quer nova CPMF para financiar a Previdência. Presidente eleito desautoriza economista
01/11/18, 22:34 | TRUCULÊNCIA - Em 1ª coletiva, Bolsonaro barra jornalistas da Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo, Valor Econômico, CBN e EBC
01/11/18, 22:18 | MUDANÇAS - Bolsonaro recua em fusão dos Ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura
01/11/18, 22:08 | ARTIGO JURÍDICO - Ministério da Justiça e a exoneração de Sérgio Moro
01/11/18, 21:05 | AVALIAÇÃO - Para Ayres Britto, ex-ministro do STF, Moro no governo compromete Judiciário
01/11/18, 21:00 | ENTREVISTA - Eduardo Bolsonaro: Reforma da Previdência “é uma medida impopular que o Brasil precisa tomar”
01/11/18, 20:40 | PALESTRA - General Mourão: “O presidente deveria ganhar R$ 100 mil por mês”
01/11/18, 18:21 | REPERCUSSÃO - Mídia global aponta parcialidade de Moro ao ser ministro de Bolsonaro
01/11/18, 18:11 | SEGURANÇA - Operação Finados amplia fiscalização em estradas até domingo
01/11/18, 17:44 | TRANSIÇÃO - Políticos reagem nas redes sociais a Moro ministro de Bolsonaro
01/11/18, 17:26 | VIDA AMEAÇADA - Entidades irão ao papa em defesa do Ministério do Meio Ambiente
01/11/18, 17:01 | JUDICIÁRIO - Com saída de Moro, juíza Gabriela Hardt assume Lava Jato
01/11/18, 16:55 | POLÊMICA - Bolsonaro diz que Moro terá “liberdade” para escolher sua equipe
31/10/18, 15:05 | EDUCAÇÃO - Mais de 500 mil estudantes poderão renegociar dívida do Fies
31/10/18, 14:56 | POLÍTICA - Moro prendeu Lula para eleger Bolsonaro
31/10/18, 14:34 | CRIME - Caneta leva a suspeito de estuprar e matar Rayane; homem confessa crime
« Anterior 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site