CBN - A rádio que toca notícia

ARTIGO

A incitação e a apologia ao crime na internet

É, portanto, a incitação e a apologia na internet afetando a paz social, que nada mais é do que um estado de harmonia e de tranquilidade, uma ausência de perturbação, que sem instigação implica em ausência de violência

14/05/18, 10:55

Por Nixonn Freitas Pinheiro, advogado (foto)

I

ncitação ao crime está previsto no art. 286, do Código Penal. E apologia ao crime ou criminoso, no art. 287, do mesmo diploma penal. O primeiro é estimular a prática de crime; o segundo, elogiar, enaltecer ou louvar fato criminoso ou seu autor. Previstos e definidos na legislação penal epigrafada no rol “dos crimes contra a paz pública”.

Importante destacar que em nenhum dos ilícitos se admite a forma culposa. Somente a dolosa. Isto é, que o autor da infração tenha a intenção livre e consciente para estimular a prática de crime; e que haja o elogio a fato criminoso ou a seu autor, respectivamente.

A diferença fundamental e pouco percebida por muitos que labutam no meio forense é que na incitação ainda não ocorreu o crime. O autor instiga para que ele ocorra. Na apologia, ao contrário, o crime já foi praticado, onde, em cada caso concreto, há a exaltação do fato criminoso ou do autor da infração.

Segundo a ONG SaferNet, que monitora e desenvolve ações para coibir problemas relacionados ao uso indevido da internet e das redes sociais, há um número crescente e alarmante de incitação e de apologia ao crime por internautas. Para o advogado criminalista e professor de Direito Penal na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Rafael Soares, “atitudes motivadas pelo desejo de vingança ou de fazer justiça com as próprias mãos têm raízes na descrença da população quanto aos mecanismos de controle de repressão penal por parte do Estado”.

A propósito, em 2016, pelo Facebook, publicou-se a imagem de um homem atirando na cabeça de outro e com a seguinte mensagem: “Quem faz tal coisa merece isso”. Sobre o fato, o juiz paulista Adriano Ponce assim se expressou: “Curtir postagens desse tipo, como fizeram algumas pessoas, pode ser perigoso. Afinal, teoricamente, quando você curte, ajuda a incentivar o que está escrito. Além disso, quem incita responde também pelo crime que incitou, caso venha a ser praticado”.

É, portanto, a incitação e a apologia na internet afetando a paz social, que nada mais é do que um estado de harmonia e de tranquilidade, uma ausência de perturbação, que sem instigação implica em ausência de violência. Portanto, quando se pratica na internet tais crimes, está-se incentivando e contribuindo para a disseminação da violência, para a intranquilidade social.

Na literatura jurídico-penal entende-se por paz pública como sendo um sentimento coletivo de segurança que a sociedade precisa e deve ter. Por isso mesmo é que o legislador penal brasileiro consagrou os respectivos institutos entre os crimes contra a paz pública, dado que a ninguém é permitido ultrajá-la.

Hoje, infelizmente, convivemos com o dilema de ter uma “paz pública ameaçada”. De um lado, a insegurança genérica reinante; de outro, uma coletividade restrita instigando e elogiando o crime e o criminoso. Um almejado estado de ordem, de harmonia e de segurança para uma saudável convivência humana deformando-se completamente no tecido social.

Incitação e apologia são, para as Ciências Penais, crimes de perigo. Na medida em que se entende que paz pública é um sentimento de tranquilidade que deve imperar na coletividade para uma normal vida social. Crimes que na sua descrição típica não exigem um dano concreto, mas um dano em potencial, que se consuma com uma situação de risco.

Na visão do jurista, professor e procurador do Ministério Público de Minas Gerais, Rogério Greco, são crimes que “não exigem a produção efetiva de dano, mas, sim, a prática de um comportamento típico que produza um perigo de lesão ao bem juridicamente protegido, vale dizer, uma probabilidade de dano. O perigo seria, assim, entendido como probabilidade de lesão a um bem jurídico-penal”. São, digo eu, crimes que criam uma sensação de instabilidade, de medo e de insegurança social.

Fonte: JL
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
11/05/18, 12:34 | POLÍTICA - Pesquisa interna do MDB mostra que partido rechaça aliança com Alckmin
11/05/18, 12:20 | POLÊMICA - Mendes se dirige a Cármen Lúcia, comenta suicídio e é 'emparedado' com revelação
11/05/18, 12:06 | MUDANÇA - Placas de veículos terão até dezembro padrão dos países do Mercosul
10/05/18, 20:27 | MEMORANDO - Geisel determinou execução sumária de presos políticos, diz CIA
10/05/18, 20:13 | ELEIÇÕES 2018 - 43,4% dos eleitores serão influenciados pela redes sociais, diz pesquisa
10/05/18, 20:08 | FORO PRIVILEGIADO - Em uma semana, ao menos 50 processos contra parlamentares já foram remetidos a instâncias inferiores
10/05/18, 19:59 | JULGAMENTO - Ações de improbidade não têm foro especial no STF, decidem ministros
10/05/18, 19:56 | POLÊMICA - Nos seis meses da lei trabalhista, Paim e juízes apresentam 'nova CLT'
10/05/18, 14:20 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Mais da metade do Senado é acusada de crimes. Veja a lista atualizada dos investigados
10/05/18, 14:10 | ENTREVISTA - Jucá: Temer jogou a toalha e MDB não deve ter candidato
10/05/18, 13:42 | INVESTIGAÇÃO - Dono da Dolly é preso por fraude fiscal de R$ 4 bilhões em SP
10/05/18, 13:39 | OPERAÇÃO - Polícia Federal prende homem investigado por crimes de ódio na internet
10/05/18, 13:35 | CRIME - MTE detecta 1.729 fraudes e bloqueia R$ 9,9 milhões em seguro-desemprego no Piauí
10/05/18, 13:32 | DROGAS - Polícia localiza sistema de vigilância em 'boca de fumo' e dois são presos em Teresina
10/05/18, 13:08 | CRIME - Preso suspeito de comprar ônibus, gado e cajuína com cheques roubados no PI
09/05/18, 20:26 | CRIME - PF e INSS revisam benefícios em Barras, Piripiri e Parnaíba após prisão de quadrilha
09/05/18, 20:20 | CORRUPÇÃO - Cartel desviou mais de R$ 1,6 bi de merenda e educação em SP
09/05/18, 20:12 | OPINIÃO PÚBLICA - PESQUISA: Para 56,2% vida não mudou após impeachment de Dilma
09/05/18, 20:04 | POLÊMICA - Câmara instala comissão para discutir alcance do foro privilegiado
09/05/18, 20:01 | JULGAMENTO - Maioria da 2ª Turma do STF nega recurso para soltar Lula
09/05/18, 19:58 | - Toffoli propõe estender restrição de foro privilegiado a todas as autoridades
09/05/18, 19:36 | ARTIGO - “Direito ao Esquecimento” pela opinião pública e pela imprensa
09/05/18, 11:25 | INVESTIGAÇÃO - PF deflagra operação contra desvio de verbas federais da educação
09/05/18, 09:08 | POLÊMICA - STF: Marco Aurélio envia 21 ações de parlamentares para 1ª instância
09/05/18, 09:03 | REFORMAS - Alexandre de Moraes entrega ao Congresso propostas para combater crime
09/05/18, 08:18 | MIGRAÇÃO - Mais de 80 mil brasileiros migram para Portugal em busca de segurança
09/05/18, 08:12 | JUDICIÁRIO - Supremo já tirou de sua pauta 41 ações de foro privilegiado
09/05/18, 08:04 | CRIME - Testemunha envolve vereador e ex-policial em morte de Marielle, diz jornal
09/05/18, 07:36 | FRAUDE - Dona de empresa filiada ao PSDB emitiu notas frias para incriminar Lula no triplex
08/05/18, 20:29 | CORRUPÇÃO - STF torna Geddel, irmão e mãe réus no caso dos R$ 51 milhões
« Anterior 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 | 361 - 390 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site