CBN - A rádio que toca notícia

POLÍCIA

Executivo, Legislativo e TCE do RJ formaram grupo criminoso

PF afirma que não há um chefe mor na quadrilha. Benefícios fiscais levaram Estado ao colapso, afirma o delegado Alexandre Ramagem

14/11/17, 13:02

A

Operação Cadeia Velha, desdobramento da Lava Jato desencadeado nesta terça-feira (14), aprofundou as investigações de desvios de verba pública no Estado do Rio e concluiu que não há um "chefe mor" da quadrilha. Na verdade, dizem os investigadores agora, há vários entes à frente do esquema — e não só o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB).

"Constata-se que o Poder Executivo, o Poder Legislativo e o Tribunal de Contas (do Estado do Rio) - presumidamente que deveriam ser autônomos, independentes, com dever de fiscalização recíproca - na realidade estão estruturados em flagrante organização criminosa com o fim de garantir contíuo desvio de recursos publicos e lavagem de capitais", afirma o delegado da Polícia Federal Alexandre Ramagem Rodrigues.

De acordo com a Polícia Federal, havia "excessivos benefícios fiscais" a empresas de transporte e empreiteiras, fazendo com que o Estado deixasse de receber mais de R$ 138 bilhões. Em troca das isenções, os parlamentares ganhavam propina. Para Ramagem, a corrupção causou o colapso da economia fluminense.

"Segmentos empresariais pagavam rotineiramente propina para agentes políticos, não só no Legislativo mas também no Executivo e no próprio TCE, em troca de atos de ofício", explica o procurador regional Carlos Alberto Gomes de Aguiar.

A afirmação foi feita durante entrevista coletiva nesta terça-feira, após o pedido de prisão preventiva dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi. Todos do PMDB. O pedido será analisado na quinta-feira pelo TRF-2, já que eles têm foro privilegiado.

"Através da agremiação política que detém hegemonia do Estado do Rio de Janeiro, e com ocupações estratégicas em diversos orgãos públicos, vêm ganhando força política quase insuperável e enriquecendo assustadoramente. Enquanto o Rio de Janeiro definha nesse caos social, esses sujeitos se empapuçam com dinheiro da corrupção".

'Terceirização' da lavagem de dinheiro

Picciani é suspeito de desviar dinheiro através de uma empresa do ramo da agropecuária, a Agrobilara. Para os investigadores, é uma das formas mais simples de se lavar dinheiro: chance de manipulação de preço, baixa tributação e pouca fiscalização, aponta o MPF.

"A Agrobilara chegou a um nível de sofisticação de lavagem (de dinheiro) que não faz só a lavagem de Picciani. Ela já terceirizou esse serviço e lava de outras pessoas, seja de empresários, seja de servidores públicos", afirma a procuradora Andréa Bayão Pereira Freire.

Organização tentou retomar o controle das contas

Personagem que até então não havia sido citado nas investigações de corrupção no estado, o deputado estadual Edson Albertassi foi trazido para o centro do escândalo pela operação Cadeia Velha. Apontado como destinatário de propinas pagas por empresários de ônibus por mais de um ano, o parlamentar foi citado como ponta de lança da organização criminosa ao ser indicado para uma vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ).

De acordo com os procuradores, Albertassi foi indicado ao TCE para que a organização criminosa retomasse o controle das contas, interrompido após a prisão de seis dos sete conselheiros, na Operação Quinto do Ouro.

Apesar dos indícios de que a quadrilha se movimentava para manter os esquemas de corrupção em atividade, nenhum dos investigadores quis comentar se a indicação do deputado compromete o governador Luiz Fernando Pezão, que vem enfrentando diversas ações judiciais por bancar o nome de Albertassi à Corte.

Entre fevereiro de 2016 e maio deste ano, Albertassi recebeu repasses de cerca de R$ 60 mil mensais. "Segundo delatores, a intenção era ter o líder do governo sempre ao lado dos empresários corruptores. É o mesmo raciocínio que os levou a financiar Jorge Picciani e Paulo Melo: eles são fortes politicamente, e esses empresários os colocaram no bolso", afirmou o procurador Carlos Alberto Aguiar.

O que dizem os suspeitos

Jorge Picciani: "O que aconteceu hoje com meu filho é uma covardia feita para atingir tão somente a mim. Felipe é um zootecnista, bom pai, bom filho, bom amigo, que trabalha de sol a sol e não tem atuação política. Todos que o conhecem o respeitam e sabem do seu caráter e correção".

Jacob Barata Filho: "A defesa de Jacob Barata Filho não teve acesso ao teor da decisão que originou a operação de hoje da Policia Federal e, por isso, não tem condições de se manifestar a respeito".

Lélis Teixeira: "A defesa se manifestará quando tiver examinado os autos. Ainda não conseguimos acesso."

Fonte: JL/Globo
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
26/11/18, 16:00 | ARTIGO JURÍDICO - A teoria da empresa, o empresário individual e o Código Civil
26/11/18, 15:01 | ECONOMIA - Confiança do consumidor sobe e atinge maior nível desde julho de 2014
26/11/18, 14:52 | CRIME - Ex-diplomata Sergio Schiller se entrega à polícia do Rio
26/11/18, 14:40 | ESPORTE - Campeão, Felipão rebate críticas e manda recado a Bolsonaro
26/11/18, 13:34 | SOCIAL - Ministério do Trabalho celebra 88 anos com atividades em todo o país
26/11/18, 13:30 | ACIDENTE - Queda de avião em Minas Gerais mata quatro pessoas
26/11/18, 13:28 | EDUCAÇÃO - MEC libera recursos para educação em tempo integral
26/11/18, 13:13 | LEI DE ACESSO - Júlio César Lima e mais 14 congressistas devem mais de R$ 600 milhões a União
26/11/18, 10:25 | ACIDENTE - Avião de empresário explode durante pouso em fazenda de Minas
26/11/18, 10:13 | POLÍTICA - Em 1ª entrevista pós-eleição, Haddad avalia Bolsonaro no poder
26/11/18, 10:09 | CRIME - Bando assalta banco, incendeia viaturas e causam pânico no MA
26/11/18, 09:33 | SALÁRIOS - Temer deve sancionar reajuste de 16,38% para o STF até quarta
26/11/18, 09:29 | PARLAMENTO - Alvos da Lava Jato querem votar mudança na lei penal e Moro reage
26/11/18, 09:23 | ESTUDO - Seis mulheres são vítimas de feminicídio a cada hora no mundo, diz ONU
26/11/18, 09:09 | ONG - Nº de pobres cresce, e Brasil é o 9º país mais desigual, aponta Oxfam
25/11/18, 20:16 | ESPORTE - PALMEIRAS CAMPEÃO BRASILEIRO 2018: 1 x 0 sobre o Vasco
25/11/18, 18:00 | TRANSIÇÃO - Bolsonaro defende escolha de ministros sem discussão com partidos
25/11/18, 17:50 | ECONOMIA - Equipe de transição define 15 áreas da economia como prioridades
25/11/18, 17:47 | ECONOMIA - Futuro presidente da Petrobrás acha que o preço da gasolina está barato
25/11/18, 17:42 | MUNDO - Deputados ingleses defendem liberdade de Lula em moção no parlamento inglês
25/11/18, 17:35 | ARTIGO JURÍDICO - Profissional Liberal - Direito Empresarial - Código Civil
25/11/18, 15:50 | LIBERTADORES - Boca Juniors pede suspensão do jogo e punição ao River Plate
25/11/18, 15:34 | ESPORTE - Conmebol adia final da Libertadores entre Boca Juniors e River Plate
25/11/18, 15:05 | CRIME - Polícia Federal liga Renan Calheiros a propina paga na Suíça
25/11/18, 14:31 | SAÚDE - Mães de bebês com microcefalia vivem novos desafios
25/11/18, 13:55 | ELEIÇÃO - Neta de Bernardo Dias é eleita vice-presidente da OAB em Parnaíba
24/11/18, 19:02 | ECONOMIA - Vendas de comércio eletrônico na Black Friday 2018 crescem 23%
24/11/18, 18:57 | POLÊMICA - Em petição a Fux, juízes querem manter vantagem do auxílio-moradia
24/11/18, 18:51 | PROGRAMAS - Presidente eleito diz que programas sociais passarão por auditoria
24/11/18, 18:48 | POLÊMICA - Bolsonaro cogita criação de campo de refugiados para venezuelanos
« Anterior 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 | 301 - 330 | 331 - 360 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site