CBN - A rádio que toca notícia

POLÍTICA

Conheça o impacto da presença de Lula sobre os resultados das pesquisas

É legítimo testar o ex-presidente. Nome de Lula distorce a realidade. A metodologia influi nos resultados

12/06/18, 12:17

H

á uma nova polêmica no atual debate eleitoral. Afinal, está certo ou errado incluir o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)em pesquisas de intenção de voto? Para contribuir com essa discussão, faço algumas observações a seguir, em formato de perguntas e respostas:

1) É certo ou errado incluir Lula em pesquisas?
Fazer pesquisas é fazer escolhas. É correto testar o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em pesquisas de intenção de voto. Mas é também absolutamente correto fazer 1 estudo sem incluir o nome do petista.
Uma pesquisa sem ou com Lula será legítima e correta se tiver uma metodologia consistente e for realizada com seriedade e se for fiel ao que se propõe a medir.

2) As empresas de pesquisa estão obrigadas a incluir o nome de Lula em seus levantamentos de intenção de voto?
Não.A lei só obriga a incluir os nomes de todos os candidatos após o registro oficial dos candidatos na Justiça Eleitoral –o prazo para isso é 15 de agosto de 2018. Até lá, é facultado fazer estudos com várias combinações de nomes para a disputa de qualquer cargo.

3) Por que o DataPoder360 não inclui Lula em seus levantamentos de intenção de voto em 2018?
O DataPoder360 faz pesquisas por meio telefônico. Esse tipo de abordagem limita o tempo para a aplicação do questionário. É reduzido o número de pessoas que aceita passar mais de 10 minutos respondendo a perguntas sobre política por meio do teclado do telefone. Por essa razão é necessário ser metódico ao escolher cada palavra e a extensão do questionário.
É muito difícil fazer pesquisa por telefone com muitos cenários eleitorais. Além de confundir o entrevistado, a consulta se torna cansativa e muitos desistem de responder até o final.
Até dezembro de 2017, o nome do ex-presidente Lula esteve incluído nas pesquisas do DataPoder360.
A partir de abril de 2018, quando o DataPoder360 voltou a fazer pesquisas de intenção de voto, a situação eleitoral do ex-presidente Lula havia se tornado precária por causa de sua condenação pela Lava Jato em 2ª Instância. São residuais suas chances de concorrer ao Planalto. Essa decisão caberá ao Poder Judiciário.
Por causa da limitação de tempo para aplicar seus questionários por telefone, o DataPoder360 neste momento considera mais útil testar em suas pesquisas o nome do petista que hoje é dado como mais provável candidato do PT a presidente, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.
Se mais adiante o ex-presidente Lula conseguir validar sua candidatura a presidente, seu nome será obrigatoriamente incluído nas pesquisas do DataPoder360.
É importante ressaltar, entretanto, que depois de fazer as perguntas estimuladas o DataPoder360 pergunta sempre aos entrevistados sobre quem Lula deveria apoiar caso não seja candidato. Eis as respostas da última pesquisa, de maio:

4) Se Lula for apresentado na pesquisa como candidato, isso distorce a realidade?
Diversos fatores influem nos resultados das pesquisas, desde o período de aplicação do questionário, a ordem das perguntas, o vocabulário utilizado e os nomes dos pré-candidatos.
A inclusão do nome de Lula numa pesquisa influi no resultado. Isso não quer dizer que esteja errado incluí-lo, mas esse é 1 dado que deve ser considerado na análise de 1 estudo dessa natureza.
Lula é o líder político mais popular do país em várias décadas. Tem 1 apoio inegável de uma parte do eleitorado na redondeza de 25% a 30%, a depender da pesquisa.
O PT diz diariamente em suas redes sociais e na mídia em geral que seu candidato a presidente é Lula e nenhum outro.
O nome de Lula foi lançado ao Planalto na última 6ª feira (8.jun.2018) num evento em Contagem (MG). Já tem até slogan (“O Brasil feliz de novo”) e 1 vídeo-propaganda que lança o projeto.
Isso é legítimo e democrático. Mas é necessário entender que o eleitor do PT/Lula é impactado –mesmo que seja residual a chance de o petista de fato conseguir concorrer nas eleições de outubro de 2018.
Ao incluir o nome de Lula na pesquisa, portanto, a empresa que faz a coleta dos dados induz parte dos eleitores a achar que Lula possa ser candidato. Isso produz 1 resultado condizente com esse tipo de impulso.
Repita-se: isso não está errado, mas deve ser considerado quando se analisa o resultado final do levantamento.

5) Como reage o “petista roxo” ao nome de Lula na pesquisa?
É melhor pensar num exemplo prático.
Vamos imaginar 1 petista roxo, que gosta de Lula e que ouve o PT diariamente dizer que o único candidato a presidente do partido é… Lula.
Esse eleitor está propenso, por óbvio, a escolher Lula quando uma pesquisa apresenta o nome do ex-presidente como alternativa. Nos cenários seguintes, quando aparecem substitutos de Lula –sejam do PT ou de outro partido– a tendência desse entrevistado é repelir essas opções.

6) E como é a reação do “petista roxo” quando o nome de Lula não está em nenhum cenário?
De novo, vamos a outro exemplo, quando uma pesquisa não menciona a possibilidade de Lula ser candidato.
O eleitor petista roxo receberá como primeiro impulso uma lista de candidatos sem o nome do ex-presidente, mas com algum outro político representando o mesmo campo –por exemplo, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad ou o ex-governador da Bahia Jaques Wagner.
Nessa hipótese, o petista roxo tende a entender que são apenas essas as opções propostas. Certamente aumentará o contingente daqueles que vão preferir escolher algum petista em vez de ficar sem nenhum –daí as diferenças entre resultados de pesquisas.
No Datafolha, que estimula com Lula, o petista Haddad tem 1%.
No DataPoder360, que não cita o nome de Lula, o petista Haddad tem 7% a 8%.

7) E qual o impacto da pesquisa de voto espontâneo logo no início do questionário?
Em geral, a pesquisa espontânea é neutra. Mas isso depende da conjuntura em que está inserida.
Este processo eleitoral de 2018 tem sido polarizado entre vários grupos.
O PT e Lula, como se sabe, fazem uso de todos os meios para divulgar que o ex-presidente é o único possível candidato da legenda na disputa pelo Planalto.
Ao iniciar uma pesquisa com a pergunta espontânea de intenção de voto, no cenário atual, a empresa que faz a coleta de dados oferece ao entrevistado a possibilidade de citar Lula e outros nomes. O petista é sempre 1 dos mais mencionados –embora seu percentual seja decrescente.
Na atual conjuntura, a pesquisa espontânea já funciona como 1 estímulo e “esquenta” o possível eleitor lulista –que vai responder às perguntas seguintes com esse viés. O impacto aumenta se o primeiro cenário apresentado na pesquisa estimulada tiver entre as opções o nome de Lula –é o que se passa na pesquisa do Datafolha de junho.
É importante dizer que nada disso está errado. Ao contrário. O Datafolha é uma empresa que tem reputação construída ao longo de muitos anos. Mas é necessário considerar todos esses aspectos quando os resultados do levantamento do Datafolha, e de qualquer outra empresa que utilize metodologia semelhante, são analisados.

8) Qual a melhor forma de testar o “voto cristalizado”? A pesquisa espontânea não é a fórmula mais correta?
A pesquisa espontânea é uma das formas de testar o grau de fidelidade que 1 eleitor tem em relação a 1 candidato. É também um meio de mensurar o “recall” de determinado nome. Se a citação é sem nenhum estímulo, no início da pesquisa, certamente aquele eleitor estará mais propenso a manter sua escolha até o final.
Ocorre que agora, como demonstrado na resposta à pergunta número 6, há risco de se criar 1 viés indesejável.
O DataPoder360 prefere aferir a certeza do voto de outra forma.
Primeiro, a pesquisa do DataPoder360 começa com 1 cenário curto de candidatos –os que já têm em diversas pesquisas mais de 5% das intenções de voto. Em seguida, apresenta-se outro cenário, mais longo, com uma lista mais completa de pré-candidatos.
A partir daí o DataPoder360 pergunta se o eleitor pretende manter a escolha até o dia da eleição ou se considera mudar o voto até outubro.
Nada garante, é claro, que alguém que diz já ter decidido vai mesmo manter o voto até 7 de outubro. A tendência, inclusive, é que muitas pessoas mudem de opinião com o início oficial das campanhas. Mas esse é 1 indicador realmente neutro, expressando o que dizem os eleitores no momento exato em que a pesquisa é aplicada.
Eis os resultados da última pesquisa DataPoder360, realizada no final de maio de 2018:

9) Como se explicam as diferenças de intenção de voto para Marina Silva (Rede) registradas pelo Datafolha e no DataPoder360?
Novamente, trata-se de diferenças metodológicas.
O mais relevante é a abordagem dos eleitores. O Datafolha faz suas pesquisas com entrevistas face a face. O DataPoder360 realiza seus levantamentos de maneira impessoal, por telefone, com uma gravação sendo disparada quando alguém atende à ligação.
Há neste momento 1 grande contingente de eleitores que dizem que votarão em branco, nulo ou que se dizem indecisos. A incerteza é enorme e o ambiente é polarizado, com amigos, conhecidos e familiares debatendo a sucessão presidencial –em conversas pessoais ou nas redes sociais.
Entre os candidatos competitivos –com mais de 5% das intenções de voto– Marina Silva é hoje quem projeta uma imagem do que seria o mais próximo do “novo” no imaginário popular. Em pesquisas com entrevistas face a face, ela tende a ser a depositária de preferências mais epidérmicas, de 1 eleitor ainda indeciso, mas que “não quer desperdiçar o voto” e faz uma espécie de “pit stop” com a candidata da Rede. Quase ninguém tem vergonha de votar em Marina, mas essa condição não indica necessariamente que o voto seja definitivo.
Numa entrevista por telefone, impessoal, muitos entrevistados se sentem à vontade para escolher outros candidatos que possam não ter uma imagem tão “politicamente correta” como a que Marina evoca.
O voto em Marina Silva é, entre os competitivos, o menos “cristalizado”, como mostra o quadro na resposta anterior. Só 41% dos que dizem votar na candidata da Rede falam que não vão mais mudar de posição.
Essa é uma das principais razões para haver diferença de resultados entre os percentuais apurados pelo Datafolha e pelo DataPoder360 sobre Marina Silva.

10) E as simulações de 2º turno? Por que há diferença entre o que apurou o Datafolha e o DataPoder360?
De novo a resposta está nas metodologias usadas. Não apenas a coleta de dados (em entrevistas face a face ou por telefone), mas também a ordem das perguntas e a presença do ex-presidente Lula entre os candidatos.
As perguntas sobre possíveis embates no 2º turno estão na parte final da pesquisa. O eleitor já foi “esquentado” com várias possibilidades que incluem o ex-presidente Lula. É natural que o viés que vai se formando chegue a 1 ponto máximo quando são apresentadas as possibilidades de 2º turno.
Não há erro em nenhuma pesquisa, mas uma maneira diferente de abordar o entrevistado.

11) E a abrangência das pesquisas? O Datafolha, por pesquisar face a face, pode atingir mais pessoas do que o DataPoder360, que faz levantamentos por telefone?
Essa é uma espécie de lenda urbana que vem sendo difundida, sobretudo por desinformação.
Ainda nesta semana foi divulgada uma reportagem sobre pessoas sem teto: não têm casa, mas já usam celular: “Sem teto, com redes sociais: celular vira ferramenta de inclusão para moradores de rua”. As empresas de pesquisa tradicional inclusive fazem esse tipo de aferição e sabem que cerca de 90% dos brasileiros eleitores hoje têm acesso a telefone –fixo ou celular.
No caso das pesquisas presenciais, é também impossível atingir 100% do conjunto da sociedade habilitada a votar. Muitas pessoas não abrem a porta para pesquisadores. Outras tantas saem pouco de casa e se recusam a responder a pesquisas quando abordadas para participar de 1 levantamento de intenção de voto.
O que é relevante? Buscar ter entre os entrevistados pessoas de todos os grupos relevantes que devem ser atingidos –brasileiros com mais de 16 anos e habilitados a votar. Depois, ponderar os resultados de acordo com os dados do IBGE e do TSE para haver uma representação correta segundo sexo, idade, escolaridade e nível de renda.
Além disso, quanto mais esses grupos demográficos já estiverem representados nos dados coletados, melhor.
O DataPoder360 tem uma base com dezenas de milhões de telefones, fixos e celulares. Para cada número há também 1 CEP relacionado.
As ligações são realizadas de maneira aleatória para todas as regiões do país. Procura-se também ter 1 conjunto de entrevistados representativo das classes D e E, que são majoritárias no conjunto da sociedade brasileira. Isso é feito com o sistema ligando para CEPs associados a localidades com baixo IDH.
A última rodada do DataPoder360 teve uma amostra com 10.500 entrevistas, cerca de 2.100 para cada uma das 5 regiões do país –o que permitiu 1 nível de grande precisão nas estratificações geográficas.
Para chegar a essas 10.500 entrevistas foram realizados 586.486 telefonemas em todo o país. Esse número grande de telefonemas se dá porque houve uma busca intensa dos entrevistados que pudessem preencher ao máximo o perfil demográfico dos eleitores, em todas as regiões.

12) A taxa de rejeição aos telefonemas na pesquisa do DataPoder360 não reduz a acuidade da pesquisa? Por que tantas pessoas se recusam a responder?
É raro encontrar alguém que seja aficionado por pesquisas e que tenha prazer em responder sempre que questionado. Mas esse não é 1 problema. Não há relação entre a qualidade do resultado da pesquisa e o número de pessoas que foram abordadas e não quiseram responder.
Numa pesquisa telefônica ficam anotadas de maneira precisa todas as tentativas malsucedidas.
Nas pesquisas pessoais (na casa entrevistados ou em pontos de fluxo) é impossível saber para quantas pessoas o entrevistador descartou de imediato sem sequer abordá-las. Tampouco se sabe quantas pessoas de fato são questionadas e se recusam a responder –pois nenhuma empresa que faz pesquisas face a face divulga essa informação.

O fato de muitas pessoas se recusarem a responder a uma pesquisa não tem impacto no resultado do estudo. O que é relevante é a consistência da metodologia e a ponderação de acordo com as variáveis demográficas do universo que se pretende retratar no levantamento.
 
por Rodolfo Costa Pinto, 25, é cientista político pela UFPE com mestrado pela George Washington University. É o coordenador da divisão de pesquisas do Poder360, o DataPoder360
Fonte: JL/
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
05/06/18, 15:05 | ECONOMIA - Brasileiros já pagaram mais de R$ 1 tri em impostos em 2018
05/06/18, 14:51 | CRIMINALIDADE - Piauí tem a 3ª menor taxa de homicídios do país, informa Atlas da Violência
05/06/18, 14:47 | DECISÃO - Justiça do Trabalho suspende privatização da Eletrobras
05/06/18, 14:42 | DEPOIMENTO - Tacla Duran denuncia 'mordaça' e 'manipulação da Operação Lava Jato
05/06/18, 14:28 | INVESTIGAÇÃO - PF encontra R$ 23,6 milhões em contas de suspeito de intermediar propinas para Temer
04/06/18, 21:51 | POLÊMICA - Em 30 dias, Gilmar Mendes manda soltar 19 presos por corrupção e juiz federal reage
04/06/18, 20:37 | INVESTIGAÇÃO - Gilmar Mendes manda soltar quatro doleiros acusados de corrupção
04/06/18, 20:18 | INVESTIGAÇÃO - Empresário contradiz Temer e diz que coronel Lima arrecadava para ele
04/06/18, 20:02 | JUDICIÁRIO - Juiz manda Congresso instaurar comissão para analisar dívida externa
04/06/18, 19:58 | ESPORTE - Nenhum jogador que vai disputar a Copa da Rússia nasceu no século 21
04/06/18, 19:45 | EDUCAÇÃO - Estudante do Piauí recebe prêmio internacional em feira científica
04/06/18, 19:33 | IMPROBIDADE - Doria vira réu por uso de 'Acelera, SP' e é multado em R$ 200 mil
04/06/18, 19:31 | INVESTIGAÇÃO - Fachin autoriza nova perícia em celular de Eduardo Cunha
04/06/18, 19:27 | PLANEJAMENTO - Horário de órgãos públicos nos jogos do Brasil na Copa são divulgados
04/06/18, 14:16 | MUNDO - Trump: Meu governo tem a 'melhor economia de todos os tempos'
04/06/18, 13:59 | PARLAMENTO - CPI vai investigar aumento de preços impostos pela Petrobras
04/06/18, 13:50 | ESPORTE - Fifa divulga lista final das 32 seleções da Copa da Rússia
04/06/18, 13:47 | POLÍTICA - Eunício diz que relação de Temer com o Congresso está ‘muito difícil’
04/06/18, 11:00 | INFRAESTRUTURA - VLT de Teresina reduz em 8 minutos tempo de viagem entre Centro e Dirceu
04/06/18, 10:50 | INVESTIGAÇÃO - PF acha documentos de empresas portuárias com sócio de amigo de Temer
04/06/18, 10:46 | POLÍTICA - CONFUSÃO: Marun reage a Meirelles e diz que ex-ministro não tem voto
04/06/18, 10:42 | CRISE - Não é só o diesel: 9 fatos que detonaram a greve que parou o Brasil
04/06/18, 10:30 | CRISE - Depois do diesel, governo estuda controlar preço da gasolina e do gás
04/06/18, 10:20 | POLÊMICA - Parlamentares querem submeter reformas de Temer a consulta popular
03/06/18, 19:51 | POLÍTICA - Senador do Paraná alerta para o risco de venda da Petrobras
03/06/18, 18:50 | AMISTOSO - Rival do Brasil na Copa, Costa Rica vence Irlanda do Norte: 3 a 0
03/06/18, 18:47 | BRASILEIRÃO - Com hat-trick do menino Rodrygo, Santos 'atropela' o Vitória
03/06/18, 18:23 | BRASILEIRÃO - Flamengo vence o Corinthians e segue na liderança do Brasileirão
03/06/18, 15:20 | OPINIÃO - FHC admite golpe contra Dilma e aponta que Temer chegou ao fim
03/06/18, 14:54 | INCIDENTE - Caminhão carregado de carne pega fogo na BR-343 entre Cocal de Telha e Campo Maior
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site