CBN - A rádio que toca notícia

POLÊMICA

Para ministros do TST, pontos da lei trabalhista só valem em contrato novo

Na interpretação de uma comissão do Tribunal Superior do Trabalho, a legislação que entrou em vigor em novembro do ano passado não pode retirar direitos adquiridos

09/01/18, 16:27

U

ma comissão de ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) avalia que alguns pontos da reforma trabalhista, em vigor desde o dia 11 de novembro, valem apenas para novos contratos de emprego. O parecer, que ainda será votado no plenário do Tribunal, é contrário ao entendimento do governo, que defende a mudança para todos os trabalhadores.

Os ministros argumentam que a reforma não pode retirar direitos adquiridos. Entre os pontos que, na interpretação deles, devem valer apenas para contratos novos ou repactuados a partir do dia 11 de novembro, estão: o fim do pagamento pelo tempo de deslocamento entre a casa e a empresa; e a proibição de incorporar gratificações e diárias de viagem ao salário.

O parecer faz parte da proposta de revisão de 34 súmulas do Tribunal. As súmulas são interpretações sobre temas específicos, que servem para uniformizar o entendimento dos juízes.

O Estadão/Broadcast obteve parte da proposta elaborada pela Comissão de Jurisprudência do TST, onde foram sugeridas mudanças em oito súmulas. O projeto já foi distribuído aos 28 ministros da Casa, que começarão a discutir o texto no dia 6 de fevereiro.

A proposta obtida pela reportagem defende que o Tribunal deve aplicar a nova lei trabalhista apenas em contratos assinados após o dia 11 de novembro, em processos relacionados ao deslocamento entre a casa e o trabalho, às gratificações e às diárias de férias incorporadas ao salário. Se o contrato for anterior à nova lei, fica aberta a possibilidade para que o funcionário cobre da empresa na Justiça. O mesmo vale para a regra que permite a um não empregado representar a empresa na Justiça, o chamado “preposto”: só vale nas ações ajuizadas após 11 de novembro.

Composta por três ministros, a Comissão argumenta que a reforma deve ser aplicada imediatamente “desde que não afete o direito adquirido do empregado ou do empregador”. A interpretação é que há “direito adquirido dos atuais empregados” pela “sistemática da lei velha” para casos em que a nova legislação pode suprimir benefícios previstos em contrato anterior à mudança.

Para valer, esse entendimento precisa da aprovação de 18 ministros – dois terços do plenário. Súmulas do TST não têm efeito vinculante como em alguns casos do Supremo Tribunal Federal (STF). Ou seja, não obriga as demais instâncias a adotar o entendimento. O mundo jurídico, porém, encara uma súmula como um posicionamento sedimentado e que, por isso, influencia parte dos juízes.

Polêmica. O entendimento proposto pelo TST é oposto ao defendido pelo governo. Procurado, o Ministério do Trabalho reafirmou que a reforma vale para todos os contratos e cita como argumento a Medida Provisória 808. Assinado em novembro, o texto afirma que a reforma “se aplica, na integralidade, aos contratos de trabalho vigentes”. “Ou seja, vale tanto para os novos contratos, quanto para os que já estavam vigentes”, defende o Ministério.

Fonte: JL/Estadão
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
13/02/19, 09:24 | POLÍTICA - Eduardo Bolsonaro nega conflito com Mourão e generais
13/02/19, 08:50 | JUDICIÁRIO - Supremo deve julgar nesta quarta ação para criminalizar homofobia
13/02/19, 08:46 | POLÍTICA - 'O partido que se explique', afirma Mourão sobre 'laranjas' do PSL
13/02/19, 08:40 | POLÍTICA - Bolsonaro aumenta pressão sobre Bebianno por 'laranjas' do PSL
12/02/19, 17:26 | DESCASO - Piauí planeja construir o primeiro porto do estado após 40 anos
12/02/19, 17:18 | PROPOSTA - Marinho: texto da Previdência é ‘bem diferente’ do vazado
12/02/19, 17:11 | POLÍTICA - 'Disso eu não falo', diz general Heleno sobre 'laranjas' do PSL
12/02/19, 15:59 | POLÊMICA - Prefeito de Luzilândia processa internautas por ter sido chamado de 'ladrão' nas redes sociais
12/02/19, 15:37 | POLÍTICA - Aplicativo de acompanhamento do trabalho parlamentar é lançado
12/02/19, 15:25 | VELÓRIO - Corpo de Boechat deixa Museu da Imagem e do Som sob aplausos
12/02/19, 15:04 | REFORMAS - Texto da reforma da Previdência está pronto e aguarda Bolsonaro
12/02/19, 14:56 | NEGOCIAÇÃO - Governo Bolsonaro pode antecipar receita aos estados em troca de apoio à Reforma da Previdência
12/02/19, 11:52 | DELEGACIA - Prefeito de Luzilândia perde o controle emocional e apresenta queixa-crime contra a população
12/02/19, 11:27 | DIEESE - Mais de 11 milhões de jovens sem trabalho e estudo. E sem oportunidades
12/02/19, 11:24 | JULGAMENTO - Mais de 40% de ações trabalhistas foram resolvidas por acordo em 2018
12/02/19, 10:50 | LUTO - Corpo de Boechat deve ser cremado em cerimônia reservada à família
12/02/19, 10:47 | TRAGÉDIA - Defesa Civil conta casas atingidas em Brumadinho; mortos chegam a 165
12/02/19, 10:45 | CRIME - PF deflagra operação para conter tráfico de drogas pelas redes sociais
12/02/19, 08:03 | POLÍTICA - Tasso Jereissati e Kátia Abreu retiram apoio e provocam arquivamento da CPI da Lava Toga
12/02/19, 07:11 | LUTO - Zé Arara – Maior Comprador de Ouro da História de Itaituba morre em Santa Catarina
11/02/19, 20:53 | PROGRAMA - Governador do Maranhão premia policiais que tiram armas das ruas
11/02/19, 20:14 | CRIME DE ÓDIO - Bolsonarista lamenta que 'Mônica Bergamo não estava junto' de Boechat no helicóptero
11/02/19, 20:03 | ACIDENTE - Colegas de bancada contam que Band noticiou ao vivo a morte de Boechat
11/02/19, 19:59 | ACIDENTE - Empresa de acidente de Boechat não podia transportar passageiros
11/02/19, 19:34 | POLÊMICA - Governadores querem que reforma contemple soluções à crise dos estados
11/02/19, 15:37 | LUTO - Jogadores do Flamengo vão a hospital e visitam feridos da tragédia
11/02/19, 15:30 | REFORMAS - Pacote de Moro estimula um Estado ainda mais violento, diz defensor
11/02/19, 15:26 | REFORMA - Em 2018, com Temer, trabalhadoras domésticas enfrentaram pior ano
11/02/19, 14:41 | FEBRABAN - Carnaval: Foliões devem estar atentos ao golpe da troca do cartão
11/02/19, 14:35 | MEDIDA PROVISÓRIA - Saiba como obter a pensão por morte após as mudanças no INSS
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site