CBN - A rádio que toca notícia

REAÇÃO

'Reforma' trabalhista será alvo de disputa nas ruas e nos tribunais

Para representantes de trabalhadores e especialistas em direito, em debate no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, país já provou que é possível criar empregos sem reduzir direitos

13/11/17, 21:53

A

nova legislação trabalhistas sancionada pelo governo Temer, que entrou em vigor no último sábado (11), não está consolidada, e será alvo de disputa jurídica, nos tribunais do trabalho e instâncias superiores, e política, nas ruas, nas fábricas e nas eleições do ano que vem. Essas foram as impressões compartilhadas por especialistas do direito, sindicalistas e políticos, em debate promovido pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, realizado nesta segunda-feira (13), em São Bernardo do Campo. 

As mudanças na legislação, segundo os debatedores, foram feitas sem que os trabalhadores fossem consultados, e atendem, portanto, somente aos interesses da classe patronal, que pretende enfraquecer os sindicatos durante as negociações e criar obstáculos para o acesso à Justiça do Trabalho. O debate sobre o dia seguinte à reforma trabalhista também foi acompanhado de perto pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defende a realização de um referendo revogatório sobre essa e outras medidas do governo Temer. 

Ao contrário do discurso oficial do governo, que alega que as novas regras estimularão a criação de novas vagas de emprego, os participantes foram unânimes em dizer que o que, de fato, vai aumentar com a reforma trabalhista é a precarização das relações do trabalho e a queda dos rendimentos gerais dos salários. 

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, o efeito geral é que, se essa nova legislação não for revogada, todos os trabalhadores com o atual modelo de contratação serão demitidos, e recontratados de maneira precarizada, na forma de terceirizado, autônomo ou intermitente. 

Ele também criticou o dispositivo que consta da nova lei que considera que as negociações coletivas terão prevalência sobre a legislação, até mesmo quando retirarem direitos. Segundo Freitas, negociação sem a presença do sindicato, como legítimo representante dos trabalhadores, não pode ser considerada com uma negociação coletiva. "Não há negociação coletiva sem um sindicato forte", ressaltou. 

Vagner defendeu a união de sindicatos em macro-setores, que reúna todo um determinado seguimento de trabalhadores, para, assim, terem maior poder de negociação e menores custos de manutenção de estruturas de assistência jurídica, por exemplo. 

Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
04/12/18, 13:15 | INVESTIGAÇÃO - Operação da Polícia Federal combate fraudes bancárias eletrônicas
04/12/18, 13:12 | POLÊMICA - Lewandowski quer cumprimento de decisão para Lula dar entrevistas
04/12/18, 13:08 | SUPREMO - Fachin autoriza abertura de processo sobre caixa dois para Lorenzoni
03/12/18, 23:56 | INVESTIGAÇÃO - Temer, Padilha e Moreira prarticaram crime de corrupção, diz Raquel Dodge
03/12/18, 22:03 | LAVA JATO - Sérgio Cabral é condenado pela 9ª vez e penas já soma quase 200 anos de prisão
03/12/18, 15:17 | POLÍTICA - Ministro de Temer defende cautela na segurança da posse de Bolsonaro
03/12/18, 15:12 | ECONOMIA - Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
03/12/18, 15:09 | ESTUDO - Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
03/12/18, 15:02 | LUTO - Cão de George H. W. Bush fica ao lado do caixão do ex-presidente dos EUA
03/12/18, 14:55 | EVENTO - Cansei de levar bola nas costas, diz Sérgio Moro em Madri
03/12/18, 14:31 | SAÚDE - Programa Saúde da Família sofre após fim do Mais Médicos
03/12/18, 14:24 | POLÍTICA - Projeto que Moro tenta barrar abre brecha para perdão a corruptos
03/12/18, 14:21 | POLÍTICA - MDB anuncia “independência ativa” no governo Bolsonaro
03/12/18, 13:27 | REFORMA - Juiz: Enfraquecimento dos sindicatos retrai negociação coletiva
03/12/18, 13:25 | TRANSIÇÃO - Onix: Cargos de 2º e 3º escalões serão de técnicos e políticos
03/12/18, 12:59 | TRANSIÇÃO - Onix: Ministério do Trabalho será dividido entre 3 outras pastas
03/12/18, 08:57 | MOVIMENTO - Governadores do Norte e Nordeste vão a Brasília para garantir verbas
02/12/18, 21:08 | POLÍTICA - Bancada evangélica enfrenta racha após decepções com Bolsonaro
02/12/18, 20:59 | POLÊMICA - Drauzio Varella:'ficam falando da formação dos cubanos, mas não falam da dos brasileiros'
02/12/18, 20:50 | PROCESSO DISCIPLINAR - CNJ deve julgar no dia 11 de dezembro procedimentos contra Moro
02/12/18, 20:32 | ESPORTE - Fim do Brasileirão: veja a classificação final dos times na competição
02/12/18, 20:24 | ESPORTE - Bolsonaro acompanha vitória do Palmeiras e entrega taça de campeão
02/12/18, 14:27 | INUSITADO - A cidade gaúcha que virou capital das calcinhas e dos sutiãs
02/12/18, 14:23 | EVENTO - G20 diz que Organização Mundial do Comércio precisa de reforma
02/12/18, 14:13 | MUNDO - Começa hoje conferência sobre mudanças climáticas na Polônia
02/12/18, 13:26 | ENTREVISTA - Papa Francisco está preocupado que
02/12/18, 13:13 | INVESTIGAÇÃO - Depois da Lava Jato, brasileiros tiram R$ 9 bi de bancos suíços
02/12/18, 13:01 | REFORMAS - Moro quer saber origem dos R$ 174,5 bilhões repatriados
02/12/18, 12:58 | FIM DE ANO - Carioca pode ver até janeiro maior árvore de Natal flutuante do mundo
02/12/18, 12:37 | ARTIGO JURÍDICO - O indulto e sua extinção constitucional
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site