CBN - A rádio que toca notícia

POLÊMICA

Procurador denuncia nova “lei da mordaça” contra o Ministério Público

Para Dallagnol, a proposta inibe as investigações ao permitir que os investigados possam processar promotores e juízes em casos de prisões preventivas com duração de prazo “além do razoável”, sem definir qual seria tal prazo

15/05/18, 15:09

O

coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, criticou o que classificou como nova tentativa de inibir o trabalho do Ministério Público e da Justiça nas investigações de combate à corrupção e lavagem de dinheiro. As mudanças contestadas pelo procurador da República estão no projeto de lei que o Estatuto de Responsabilidade Civil, que está na pauta desta quarta-feira (16) da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

O autor da proposta, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), e o relator, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), negam que o projeto seja uma retaliação à Lava Jato. A proposição, segundo eles, foi sugerida pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), antes do início da operação. A primeira versão do texto foi apresentada pelo então deputado Flávio Dino (PCdoB-MA), atual governador do Maranhão.
 
Na última quarta-feira o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) pediu vista – ou seja, mais tempo para analisar a proposta – na CCJ. Assim como Dallagnol, Randolfe também considera o projeto uma tentativa de intimidar os procuradores da Lava Jato. Para o procurador e o senador, o Estatuto é uma maneira disfarçada de aprovar a chamada Lei de Abuso de Autoridade com um novo nome. Essa proposta está parada na Câmara desde o ano passado e prevê punição rigorosa a promotores, procuradores e juízes, entre outras autoridades, que cometerem atos considerados abusivos, inclusive em investigações.

Em relação ao Estatuto de Responsabilidade Civil, a principal crítica de Dallagnol recai sobre o dispositivo que prevê a responsabilização do Estado no caso de prisões preventivas “além do prazo razoável”. A modificação polêmica determina indenização ao indivíduo que “ficou preso além do prazo razoável para a conclusão do processo”. Esse prazo, porém, não é especificado no projeto.

“Novo nome, mesmo objetivo: Estatuto de Responsabilidade Civil é a mais recente manobra para tentar inibir o trabalho do MP e da Justiça. O projeto apresenta um nome diferente para a conhecida Lei de Abuso de Autoridade”, escreveu o procurador Dallagnol em suas redes sociais no último sábado (12).

“Tema antigo”

Segundo Hugo Leal, o texto original não tem relação com o debate sobre abuso de autoridade ou prisão preventiva, e foi apresentado muito antes das polêmicas em torno desses dois assuntos. “Não quero criar polêmica, até porque o projeto é de 2011. Nem sei desde quando o Dallagnol faz parte do Ministério Público”, disse Hugo Leal ao Congresso em Foco. Ele também afirmou que “deseja muito” que os parâmetros e o conceito de responsabilidade civil do Estado sejam definidos.

Hugo Leal ressaltou que o projeto já tramita há anos e teve origem no início dos anos 2000, a partir da discussão a respeito do momento em que se deveria determinar a responsabilidade civil do Estado. O deputado confirma que o projeto teve origem nas sugestões de Gilmar Mendes, à época advogado-Geral da União.

Contudo, a matéria só foi apresentada duas legislaturas atrás (2007-2010) pelo atual governador do Maranhão, Flávio Dino. Com a saída de Dino da Câmara, Hugo Leal reapresentou o projeto. “Nós estamos falando de um projeto com quase 20 anos de discussão. É um tema muito antigo”, alegou. Somente em 2015 a proposta foi aprovada pelo plenário da Câmara e enviada ao Senado. Na época, não houve polêmica em torno do texto.

Para Dallagnol, a proposta inibe as investigações ao permitir que os investigados possam processar promotores e juízes em casos de prisões preventivas com duração de prazo “além do razoável”, sem definir qual seria tal prazo. Randolfe considera que o projeto expande indevidamente e de modo “sub-reptício” os casos de responsabilização do Judiciário e do Ministério Público por suas funções institucionais.

Fonte: JL/Congresso em Foco
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
08/08/18, 21:10 | CRIME - Marido acusado de matar a advogada Tatiane Spitzner vira réu
08/08/18, 20:55 | JUDICIÁRIO - Supremo Tribunal aprova aumento de 16% no salário dos ministro
08/08/18, 20:34 | JUDICIÁRIO - Gilmar Mendes já soltou 37 investigados da Lava Jato no Rio
08/08/18, 20:01 | MOVIMENTO - Greve nos Correios é suspensa após proposta de acordo do TST
08/08/18, 19:50 | CONFERÊNCIA - Entidades de 40 países discutem futuro do trabalho e ameaças a direitos
08/08/18, 19:47 | INJUSTIÇA - Trabalhadores estão perdendo a esperança na democracia, diz dirigente da CSI
08/08/18, 18:42 | DENÚNCIA - Coronel da reserva acusa general Mourão de favorecer empresa em contrato do Exército
08/08/18, 16:52 | POLÍTICA - Oito candidatos a presidente participam de debate da TV Band na 5ª feira
08/08/18, 16:42 | OPERAÇÃO - Gilmar Mendes manda soltar 3 executivos presos por corrupção
08/08/18, 16:39 | ELEIÇÕES 2018 - Lula lidera no estado de São Paulo, diz pesquisa CNT/MDA
08/08/18, 16:32 | POLÍTICA - Disputa pela Presidência vai ser mais uma vez entre PT e PSDB, diz cientista político
08/08/18, 16:19 | PARLAMENTO - Manifestantes acompanham discussão sobre aborto na Argentina
08/08/18, 16:12 | LAVA JATO - PGR recorre de habeas corpus concedido a Eduardo Cunha pelo Supremo
08/08/18, 15:44 | JUDICIÁRIO - Dias Toffoli é eleito presidente do Supremo com mandato até 2020
07/08/18, 17:42 | EDUCAÇÃO - Pesquisa indica que tema da educação atrai mais interesse de leitores
07/08/18, 17:40 | JUSTIÇA - Cármen Lúcia destaca efetividade da Justiça nos casos de feminicídio
07/08/18, 17:34 | ESTATÍSTICA - Denúncias de violência contra a mulher chegam a 73 mil, em 2018
07/08/18, 14:05 | SUCESSÃO - Haddad: sem perseguição judicial, Lula poderia vencer no primeiro turno
07/08/18, 14:02 | MOVIMENTO - Metalúrgicos lutam para impedir retirada de direitos das mulheres
07/08/18, 13:55 | LEGISLAÇÃO - Evento comemora no Rio os 12 anos da Lei Maria da Penha
07/08/18, 13:35 | JUDICIÁRIO - Sem data para votação, STF encerra debate sobre descriminalizar aborto
07/08/18, 13:29 | ELEIÇÕES 2018 - Partidos receberão R$ 1,7 bi do Fundo Eleitoral para as campanhas
07/08/18, 13:26 | POLÍTICA - Eleição presidencial terá o maior número de candidatos em 29 anos
07/08/18, 13:20 | JUDICIÁRIO - Ministro Dias Toffoli diz que debates acalorados são da essência da democracia
07/08/18, 11:16 | EVENTO - Mulheres vestem-se de ‘aias’ e pedem descriminalização do aborto
06/08/18, 21:58 | TRABAHO - No governo Temer, Brasil volta a ter fila enorme à procura de emprego
06/08/18, 21:09 | EDUCAÇÃO - Alunos de Escolas da Prefeitura de Teresina medalhistas de matemática recebem premiação nacional
06/08/18, 20:51 | OPINIÃO PÚBLICA - Como 'candidato de Lula', Haddad aparece na segunda posição, aponta pesquisa
06/08/18, 20:35 | ELEIÇÕES 2018 - Cinco presidenciáveis apresentam propostas em sabatina do setor da construção civil
06/08/18, 20:25 | JUDICIÁRIO - TRF-4 nega pedido de Lula para participar de debate na Band
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site