CBN - A rádio que toca notícia

ENTREVISTA

Bolsonaro tem espécie de amor pela guerra, diz governador do Maranhão

Governador do PCdoB está à frente do estado do Maranhão pela segunda vez

07/01/19, 20:09

E

mpossado para mais quatro anos como governador Maranhão, Flávio Dino (PC do B) prevê um ciclo de baixo crescimento econômico e dificuldades para os estados.

À frente de um dos estados mais pobre do país, diz que buscará uma relação institucional respeitosa com o presidente Jair Bolsonaro, mesmo lhe fazendo oposição.

Por outro lado, critica a "lógica de confrontos eternos" de Bolsonaro e seus ministros: "É como se fosse um amor pela guerra".
 
Pergunta - O senhor assume para um segundo mandato enfrentando um cenário econômico ainda mais complexo do que em 2015. Será um ciclo de maior dificuldade?

Dino - Acho que teremos um crescimento econômico baixo, mas a gente consegue atravessar 2019. Conseguimos terminar o primeiro mandato com o salário dos servidores em dia e com as dívidas com os bancos sendo pagas normalmente. Temos algum atraso com fornecedores, mas nada alarmante. De qualquer forma, desde novembro estamos fazendo um ajuste nas despesas, com renegociação de contratos em várias áreas.

Sendo um governador de um partido de oposição ao presidente, como pretende conseguir repasses voluntários do governo federal?

Dino - Não faço planejamento contando com novos recursos federais. Não está na minha contabilidade. Se aparecer [o recurso], ótimo. O que espero do governo federal é que ele faça sua parte, garantindo estabilidade e crescimento da economia.

Mas o senhor buscará pontes com o presidente?

Dino - Nosso desejo é que a relação com o novo governo se dê normalmente como aconteceu como Michel Temer. Fui oposição a Temer, mas tivemos uma relação institucional absolutamente normal. Eu não vou renunciar a nenhuma das minhas posições e o presidente não vai renunciar às dele. Mas espero que tenhamos uma relação em termos respeitosos e não em uma lógica de confrontos eternos.

Como avalia as primeiras medidas do presidente Bolsonaro?

Dino - Esses primeiros dias já mostram um traço muito preocupante do presidente e de seus ministros que é o de criar conflitos, como se fosse um amor pela guerra. Isso é ruim, pode criar uma espiral negativa que contamina o ambiente político. Por exemplo, o presidente atendeu ao pedido do Ceará de envio Força Nacional, mas fez criando conflito. Criticou o governador [Camilo Santana, do PT], dizendo que ele é radical. Achei muito estranho, esquisito. Ele trata o envio da Força Nacional como se fosse um favor. Não é um favor, é um dever, uma obrigação. São os estados que mantêm a Força Nacional.

Como vê as declarações do presidente de combater o socialismo e o comunismo?

Dino - Ninguém é obrigado a concordar com a ideologia alheia, mas tem que conviver. A Constituição garante o pluralismo político. Não cabe a nenhum ator político fazer expurgos e eliminar os diferentes. Fico em dúvida se o governo tem uma concepção ideológica de eliminar os adversários ou se isso é uma mera distração. Na ausência de uma agenda mais substantiva, com início, meio e fim, se recorre a esses expedientes como discutir cor de roupa ou demitir funcionário porque escreveu 'Marielle vive'. O Brasil não está acostumado a ver isso em um governo. Espero que seja uma coisa de início e que depois ele mude.

O governo do Maranhão publicou um decreto do Escola sem Censura, uma espécie de contraponto ao Escola sem Partido. Vê eficácia em medidas como esta?

Dino - O nosso decreto é para dar segurança jurídica. É simplesmente o cumprimento da Constituição, que prevê a liberdade de cátedra. Já o Escola sem Partido é o nome de fantasia para escola com censura, escola que quer constranger professores e estudantes a se enquadrarem em um manual ditado de cima para baixo. É retroceder 300 anos e voltar para o período pré-iluminista.

Como vê o futuro da esquerda no Brasil, agora na oposição?

Dino - A união é um valor necessário. E temos que ir ao ponto substantivo: ter uma posição firme em defesa dos direitos dos mais pobres. Defender os direitos dos trabalhadores, índios, mulheres, crianças, todos que estão no alvo de políticas do novo governo. A gente não cair num desejo aparente de certas figuras do governo de ficar batendo boca pura e simplesmente.

O senhor fala em união, mas o PC do B ensaia um bloco parlamentar com PSB e PDT, mas sem o PT. Não é um contrassenso?

Dino - Este bloco não é uma novidade. Já o fizemos em 2007, quando eu era deputado federal, e funcionou muito bem. Isso não elimina o diálogo, já que não será um bloco contra o PT. Ninguém do nosso campo pode ser contra o maior partido da oposição e o maior líder popular da história desse país. Mas temos a nossa identidade, nossas nuances, nossa história e é normal que neste período nós reforçarmos isso. Não significa hostilizar o outro.

Antes da eleição, em maio, o senhor defendeu Ciro Gomes como candidato das esquerdas em um cenário sem Lula. Olhando para trás, acha que foi um erro apostar em Fernando Haddad?

Dino - Naquele momento [maio de 2018] defendi o Ciro, mas poderia ser o Haddad. O que lamento mesmo foi não ter sido feita uma união mais ampla já no primeiro turno. O resultado mostrou que, com uma união mais ampla no primeiro turno, chegaríamos ao segundo turno em um patamar maior. Haddad cresceu quando houve essa união, uma articulação ampla com professores, intelectuais, sindicalistas. A sociedade se uniu.

Há um candidato natural para 2022?

Dino - É muito cedo para discutir isso. Temos que saber qual o futuro de Lula, como Ciro vai se comportar, se Haddad vai manter a liderança que conquistou com a eleição. Vamos esperar o curso do processo político. Tenho certeza que sentimento da sociedade será transformado. O governo que assumiu, infelizmente, vai cometer muitos erros.
 
Fonte: JL/Folha de S. Paulo
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
15/01/19, 13:17 | DECRETO - Posse de armas facilitado vai valer em todas as cidades, diz ministro
15/01/19, 13:13 | ECONOMIA - Restituição do Imposto de Renda começa a pagar hoje R$ 667 milhões
15/01/19, 12:47 | JUSTIÇA - Presidente do STJ regulamenta auxílio-moradia a juízes federais
15/01/19, 12:38 | VIOLÊNCIA - Bolsonaro assina decreto que flexibiliza a posse de armas
15/01/19, 11:53 | GOVERNO - Bolsonaro faz terceira reunião ministerial em duas semanas
15/01/19, 11:32 | AÇÃO JUDICIAL - Juiz manda intimar prefeito de Luzilândia sobre atraso de salários e 13º
15/01/19, 10:49 | PROPOSTA - Prefeito de Luzilândia tenta fazer acordo para pagar 13º salário da Educação em seis parcelas
15/01/19, 08:38 | POSSE - Descendente das famílias Dias e Teles de Luzilândia se destaca na OAB-Parnaíba
14/01/19, 22:06 | VIOLÊNCIA - Ceará vai pagar até R$ 30 mil para quem informar sobre ataques
14/01/19, 22:03 | IDENTIFICAÇÃO - Governo Federal pretende unificar documentos em base digital
14/01/19, 22:00 | CRIMINALIDADE - Governador volta a defender "abate de criminosos" no Rio
14/01/19, 21:26 | INUSITADO - Presidente dos Estados Unidos ironiza Presidente do Brasil em discurso
14/01/19, 19:49 | POLÍTICA - Presidente da Venezuela: 'Bolsonaro é o Hitler dos tempos modernos'
14/01/19, 19:45 | ESPORTE - Pelé diz à revista francesa que Mbappé será o próximo rei do futebol
14/01/19, 19:42 | POLÍTICA - Bolsonaro escolhe general para o cargo de porta-voz do governo
14/01/19, 17:45 | DECRETO - Governo editará medidas sobre posse de armas e fraudes na Previdência
14/01/19, 17:41 | ECONOMIA - Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV
14/01/19, 17:35 | VIOLÊNCIA - Ceará convocará militares da reserva para reforçar segurança
14/01/19, 16:48 | PREVIDÊNCIA - Aposentadoria por tempo de contribuição exige 35 anos para homem; 30 de trabalho
14/01/19, 15:46 | POLÍTICA - Equipe de Bolsonaro quer que ele escolha logo um porta-voz
14/01/19, 15:30 | ACIDENTE - Crocodilo de cinco metros devora cientista que tentava alimentá-lo
14/01/19, 15:09 | MOVIMENTO - Em duas semanas, redes sociais destroem aliados e Bolsonaro
14/01/19, 14:51 | IMPROBIDADE - Temer gastou R$ 100 mil para Bruno Barreto gravar fala de 4 minutos
14/01/19, 14:47 | PESQUISA - Datafolha: 84% defendem redução da maioridade penal para 16 anos
13/01/19, 18:12 | CRIMINALIDADE - Governador do Ceará sanciona novas leis para combater violência no Estado
13/01/19, 17:27 | REFORMA - Moro quer enviar ao Congresso proposta de criminalização do caixa 2
13/01/19, 16:52 | INUSITADO - Advogado aparece em foto de bermuda nos corredores do STF
13/01/19, 16:45 | VIOLÊNCIA - Carro da deputada Martha Rocha é alvejado e motorista é baleado
13/01/19, 16:39 | CRIMINALIDADE - Governador do Rio reafirma que criminosos devem ser tratados como terroristas
13/01/19, 16:32 | ARTIGO JURÍDICO - Inventário e Partilha Extrajudicial
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site