CBN - A rádio que toca notícia

CORRUPÇÃO & PROPINA

Delator da JBS relata pressão para ajudar Temer

Denúncia é do advogado Francisco de Assis e Silva

07/07/18, 12:08

U

m delator da JBS, o advogado Francisco de Assis e Silva, disse à Polícia Federal que foi pressionado a fechar um acordo judicial envolvendo uma das empresas do grupo para ajudar financeiramente Michel Temer.

De acordo com o depoimento, foi José Yunes, amigo há décadas do emedebista, quem insistiu para que o negócio fosse acertado e fez intermediação para outro advogado, Paulo Henrique Lucon, que estava na causa em questão.

Lucon foi nomeado por Temer para integrar a Comissão de Ética Pública da Presidência em março deste ano.

O episódio da pressão, segundo o executivo da JBS, ocorreu em junho de 2015.

Yunes foi assessor especial de seu governo até 2016, quando foi citado na delação da Odebrecht, como intermediário de pacote com R$ 1 milhão que conteria dinheiro para campanhas do PMDB.

Segundo a versão levada à PF, Temer receberia uma parte dos honorários da causa.

"Em junho de 2015, Paulo Lucon propôs ao depoente para que colassem termo final em relação aos honorários de uma ação privada envolvendo a empresa Bertin, adquirida pela JBS, e a empresa Basf, na qual Paulo Lucon possuía honorários que, segundo ele, totalizavam R$ 60 milhões, ocasião em que o depoente informou para Lucon que de forma alguma teria interesse em realizar tal acordo uma vez que entendia que a causa seria ganha pela JBS", disse Assis e Silva à PF. O depoimento é de 23 de maio deste ano.

"Que, então, Yunes insistiu com o depoente para que repensasse sobre tal acordo com Lucon, uma vez que o então vice-presidente Michel Temer teria participação nos honorários que Lucon pleiteava na causa", completou.

O advogado da JBS afirmou desconhecer a relação comercial entre Lucon, Yunes e Temer. O caso não entrou na colaboração premiada da empresa. O depoimento de Assis e Silva aconteceu em meio à investigação da participação do ex-procurador Marcello Miller na delação.

O executivo afirmou à PF que não delatou o episódio por achar que era uma questão de "âmbito privado, sem ocorrência de ilícitos". Segundo o advogado, Yunes procurou primeiro Joesley Batista, dono da JBS. "Que depois indagou Joesley sobre o encontro, ao que foi informado por Joesley que o pedido partiu direto de Yunes para que fosse atendido por alguém de jurídico".

OUTRO LADO

Yunes disse que "exerce a advocacia de forma ética há mais de 50 anos e jamais utilizou influência política em seu trabalho". Para o ex-assessor de Temer, a "acusação do delator é falsa e representa mais uma ilegalidade na questionável delação da JBS". Em nota, o Planalto afirmou que "o presidente não teve qualquer participação neste processo e desconhece essa ação".

Paulo Lucon disse que "nunca houve qualquer tipo de pressão para ser feito acordo" e afirmou que a declaração do delator é "mentira". Lucon disse ainda que Yunes agiu como advogado, e que, na qualidade de mediador, atuou na tentativa de solucionar o conflito dentro da legalidade.

Amigo de Temer há mais de 30 anos, tendo atuado como consultor do presidente em ação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Lucon disse que a mediação não chegou a ocorrer porque a JBS se recusou a pagar seus débitos que foram seguidas vezes reconhecidos pela Justiça.

Segundo o advogado, Temer nada tem a ver com o caso.

"Joesley e seu grupo desejam, das formas mais baixas e com ilações infundadas, distorcer a realidade e incriminar Michel Temer", afirmou.

Para o advogado, a maior prova de que não houve pressão é que até hoje a JBS não pagou o que deve, mesmo após seguidas e reiteradas decisões judiciais reconhecendo as obrigações da JBS com a Basf. "O processo é público e a falta de pagamento está lá demonstrada. O resto é invencionice de mal pagador."

Fonte: JL/Folha de S. Paulo
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
12/11/18, 17:41 | TRANSIÇÃO - Saiba quais são os principais desafios do governo Bolsonaro
12/11/18, 17:36 | COMISSÃO - Brasil vive retrocesso nos direitos humanos, avalia comissão da OEA
12/11/18, 16:30 | POLÍTICA - Cinco dos 14 partidos atingidos por cláusula de barreira negociam fusões
12/11/18, 16:24 | DECISÃO - Ministro do STJ manda soltar Joesley Batista e delatores da J&F da Operação Capitu
12/11/18, 16:00 | EDUCAÇÃO - Por decreto, Maranhão garante Escolas com Liberdade e sem Censura
12/11/18, 15:12 | PRONUNCIAMENTO - Equipe econômica de Bolsonaro não durará seis meses, projeta Cid Gomes
12/11/18, 14:59 | INSTITUCIONAL - Procuradoria do Amazonas comemora 46 anos e o Dia Estadual do Procurador
12/11/18, 14:55 | CONFERÊNCIA - Entidades vão denunciar violações no Brasil e os riscos para o ambiente global
12/11/18, 14:50 | REFORMAS - Saiba o que ficará sob o comando do superministério de Guedes em 2019
12/11/18, 10:02 | CORRUPÇÃO & PROPINA - STJ manda soltar Rodrigo Figueiredo, preso na Operação Capitu
12/11/18, 09:38 | ECONOMIA - Celebração do consumo pode levar a superendividamento, alerta juíza
12/11/18, 09:35 | SAÚDE - Novo cálculo de reajuste de planos de saúde será discutido nesta terça
12/11/18, 09:31 | ECONOMIA - Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
11/11/18, 22:43 | EDUCAÇÃO - Professores dizem que provas exigiram menos cálculos do que as de 2017
11/11/18, 22:33 | EDUCAÇÃO - Enem deste domingo tem 66 eliminados e 1 milhão e 600 mil ausentes
11/11/18, 22:08 | BRASILEIRÃO - Palmeiras empata com Atlético-MG e mantém vantagem sobre o Inter
11/11/18, 21:58 | BRASILEIRÃO - Grêmio vence com 'frango' de Martín Silva e mantém Vasco perto do Z4
11/11/18, 21:48 | ESPORTE - Em grande clássico, River e Boca empatam na 1ª final da Libertadores
11/11/18, 14:55 | EDUCAÇÃO - MPF, OAB e outras entidades recomendam que instituições de ensino estimulem debate em sala de aula
11/11/18, 14:50 | POLÍTICA - Lula solto poderia tirar militares do controle, diz comandante do Exército: “Estávamos no limite”
11/11/18, 14:41 | ARTIGO - Política Judiciária Nacional e o Ministério da Justiça de Moro
11/11/18, 13:51 | MEIO AMBIENTE - Desmatamento na Amazônia salta durante o período eleitoral
11/11/18, 13:46 | REFORMA - Reforma da Previdência aumenta atenção para aposentadoria em 2019
11/11/18, 13:30 | ACIDENTE - Sobe para 14 número de mortos em deslizamento em Niterói
11/11/18, 09:50 | REFORMAS - Ativistas temem escalada de violações aos direitos humanos com Bolsonaro
11/11/18, 09:47 | INFRAESTRUTURA - Programa Luz para Todos incluiu 16 milhões de brasileiros na economia
11/11/18, 09:42 | TRANSIÇÃO - Bolsonaro diz que vai trabalhar por um país em que todos sejam felizes
10/11/18, 22:57 | POLÍTICA - Eunício diz que colegas estão “horrorizados” após conversa com Paulo Guedes: “Povo de rede social”
10/11/18, 22:35 | PARLAMENTO - Congresso já armou bomba fiscal de R$ 259 bilhões para Bolsonaro
10/11/18, 22:22 | POLÍTICA - Bolsonaro cancela visita ao Congresso Nacional
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site