CBN - A rádio que toca notícia

DESVIO DE FINALIDADE

Alckmin e Serra viram réus por indícios de pedalada fiscal no governo de São Paulo

A reportagem da Folha informa ainda que, além dos ex-governadores tucanos, também foram incluídos no processo o secretário da Fazenda do governo paulista, Helcio Tokeshi, ex-secretários e as empresas públicas Companhia Paulista de Securitização (CPSEC) e Companhia Paulista de Parcerias (CPP), além de seus respectivos presidentes

13/05/18, 15:45

O

s ex-governadores tucanos de São Paulo Geraldo Alckmin e José Serra se tornaram réus em uma ação civil pública sob acusação de autorizar negociação de dívidas tributárias, operação com risco de causar prejuízos orçamentários ao estado. Como contrapartida pela negociação, explica a reportagem de José Marques e Walter Nunes (Folha de S.Paulo), o governo recebeu dinheiro de endividados, antecipadamente, que seria pago durante vários anos aos cofres públicos.

Para os autores da ação civil, trata-se de uma espécie de pedalada fiscal, como se convencionou chamar o mesmo procedimento que fundamentou o processo de impeachment, em julgamento concluído em 31 de agosto de 2016, da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). O processo contra Alckmin e Serra foi iniciativa de dois sindicatos paulistas que representam fiscais de renda e procuradores do estado, que pedem, entre outras medidas, o enquadramento dos investigados em improbidade administrativa e a reposição ao erário do valor correspondente ao prejuízo.

Serra governou São Paulo entre 2007 e 2010, enquanto Alckmin estava no cargo desde 2011 até 6 de abril deste ano, quando deixou a função para poder se candidatar à Presidência da República. Antes, ele havia sido governador do maior estado da América do Sul depois da morte do titular, Mário Covas, em março de 2001, reelegendo-se para mais um mandato.

No último dia 13 de março, os ex-governadores do PSDB foram intimidados e, com prazo determinado, têm que apresentar suas defesas sob risco de serem julgados à revelia. A ação transcorre na 14ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo desde janeiro passado, mas desde novembro fiscais já vinham denunciando as manobras do governo.

A reportagem da Folha informa ainda que, além dos ex-governadores tucanos, também foram incluídos no processo o secretário da Fazenda do governo paulista, Helcio Tokeshi, ex-secretários e as empresas públicas Companhia Paulista de Securitização (CPSEC) e Companhia Paulista de Parcerias (CPP), além de seus respectivos presidentes.

“O processo diz que os problemas começaram em 2007, quando o governo do estado, ainda sob a gestão Serra, iniciou um programa de parcelamento de dívidas tributárias, como o ICMS, oferecendo vantagens aos devedores. Entre elas, descontos nos juros e nas multas por atrasos. Já no governo Alckmin, para receber antecipadamente o dinheiro dessas dívidas, o governo negociou ‘direitos creditórios’ com a CPSEC. Nessa tratativa, o governo cedia esses créditos com um deságio (redução de preço) de até 50% à CPSEC, que transforma o passivo em debêntures (títulos da dívida). Os títulos eram obtidos por financiadores, que se beneficiam com os seus rendimentos quando a dívida é quitada – segundo a acusação, o governo se torna garantidor dessa dívida, caso haja inadimplência. O governo nega que haja essa garantia”, diz trecho da reportagem, que cita trechos da ação civil pública.

“Conforme a ação dos sindicatos, os ‘créditos bons’, cujos contribuintes têm antecedentes de bons pagadores, são repassados ao mercado. Já os ‘papéis podres’, com alto índice de inadimplência, voltam para o estado. ‘Ou seja, pelo crédito tributário bom, aquele que ingressaria normalmente no Caixa do Tesouro, o estado antecipa seu recebimento com significativo deságio, e ainda se compromete a garantir, até porque é acionista majoritário da CPSEC, o resgate do título no seu vencimento e pagamento dos juros aos investidores, que, em realidade, não assumem risco nenhum adquirindo esses papéis. Já pelo crédito ruim, o estado acaba não recebendo absolutamente nada, uma vez que eles não são negociados com investidores’”, acrescenta a matéria, com outro trecho da acusação.

Ainda segundo o jornal paulista, os sindicatos alegam que a antecipação de receitas, neste caso, pode configurar operação de crédito, algo que viola a Lei de Responsabilidade Fiscal. A ação também acusa o estado de São Paulo, nas gestões tucanas, de usar sua estrutura para cobrar tais dívidas, uma vez que a CPSEC é uma empresa pública do governo paulista. “As emissões de debêntures aconteceram a partir de 2012, nos valores de R$ 600 milhões, R$ 800 milhões e R$ 740 milhões”, destaca a reportagem.

Fonte: JL/Congrasso e Foco
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
13/10/18, 12:38 | ECONOMIA - Boletos vencidos a partir de R$ 100 podem ser pagos em qualquer banco
13/10/18, 11:43 | ARTIGO JURÍDICO - Fomento Mercantil-Factoring no ordenamento jurídico nacional
12/10/18, 22:28 | ELEIÇÕES 2018 - Relatos sobre agressões por motivação política crescem nas redes sociais no 2º turno, mostra estudo
12/10/18, 22:00 | O ÓDIO - Tensão política causa cancelamento de festa na Universidade Federal do Piauí
12/10/18, 21:52 | SELEÇÃO BRASILEIRA - Com gol em retorno à Seleção, Gabriel Jesus minimiza ausência nas últimas convocações:
12/10/18, 21:43 | CAMPANHA ELEITORAL - Campanha de Bolsonaro usa a imagem de Moro e ataca ministros do STF
12/10/18, 21:32 | O ÓDIO - Pichação pró-Bolsonaro em cursinho pede a morte de negros e de gays
12/10/18, 21:18 | CRIME - Justiça manda retirar vídeo mentiroso sobre Haddad da página do filho de Bolsonaro
12/10/18, 20:20 | RELIGIOSIDADE - Em celebração em Aparecida, padre pede união do Brasil
12/10/18, 19:50 | POLÍTICA - Empresários e profissionais liberais são maioria na nova Câmara dos Deputados
12/10/18, 19:46 | RELIGIOSIDADE - Belém abre celebrações do Círio de Nazaré
12/10/18, 19:41 | CAMPANHA ELEITORAL - Ministro do TSE manda retirar do ar informações falsas sobre Haddad
11/10/18, 22:49 | POLÍTICA - Haddad diz que se eleito unirá o Brasil por meio do diálogo, 'sem revólver na cintura'
11/10/18, 21:57 | CORRUPÇÃO & PROPINA - PGR denuncia ministro do TCU, seu filho e outros dois por tráfico de influência
11/10/18, 21:53 | PARLAMENTO - Câmara tem 243 deputados novos e 251 reeleitos; renovação foi de 47,3%
11/10/18, 21:29 | CRIME - Conselho do TSE está preocupado com notícias falsas no Whatsapp
11/10/18, 19:38 | ARTIGO - Educando filhos em tempos de cólera
11/10/18, 19:25 | ARTIGO - Grande mídia está com as mãos ensanguentadas
11/10/18, 19:17 | ARTIGO - “Fake News”, arma de guerra em mãos covardes
11/10/18, 17:07 | ANÁLISE - Casos de violência mancham campanha eleitoral de Bolsonaro
11/10/18, 16:54 | ANÁLISE - Vitória de Bolsonaro poderá provocar 'banho de sangue' nas periferias”
11/10/18, 16:48 | CAMPANHA ELEITORAL - Haddad recebe ato de apoio e defende reformas bancária e tributária
11/10/18, 16:42 | POLÊMICA - Filha de Temer declara apoio a Haddad no segundo turno
11/10/18, 16:37 | INTERNACIONAL - Cerca de 821 milhões de pessoas passam fome no mundo
11/10/18, 16:34 | CRIME - Identificados 5 suspeitos de ligação com agressores de jovem por simpatizantes de Bolsonaro
11/10/18, 16:28 | ECONOMIA - Mais de 62 milhões de brasileiros estão negativados, aponta SPC
11/10/18, 16:22 | POLÍTICA - Propaganda eleitoral no 2º turno para presidente começa nesta sexta
11/10/18, 16:20 | PROPINA - Tribunal Federal concede habeas corpus e manda soltar ex-governador do PSDB
11/10/18, 15:47 | CRIME - Servidora pública é espancada em PE após criticar Bolsonaro
11/10/18, 00:43 | POLÍTICA - Bolsonaro diz que não tem controle sobre atos violentos de apoiadores
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site