CBN - A rádio que toca notícia

POLÊMICA

Para ministros do TST, pontos da lei trabalhista só valem em contrato novo

Na interpretação de uma comissão do Tribunal Superior do Trabalho, a legislação que entrou em vigor em novembro do ano passado não pode retirar direitos adquiridos

09/01/18, 16:27

U

ma comissão de ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) avalia que alguns pontos da reforma trabalhista, em vigor desde o dia 11 de novembro, valem apenas para novos contratos de emprego. O parecer, que ainda será votado no plenário do Tribunal, é contrário ao entendimento do governo, que defende a mudança para todos os trabalhadores.

Os ministros argumentam que a reforma não pode retirar direitos adquiridos. Entre os pontos que, na interpretação deles, devem valer apenas para contratos novos ou repactuados a partir do dia 11 de novembro, estão: o fim do pagamento pelo tempo de deslocamento entre a casa e a empresa; e a proibição de incorporar gratificações e diárias de viagem ao salário.

O parecer faz parte da proposta de revisão de 34 súmulas do Tribunal. As súmulas são interpretações sobre temas específicos, que servem para uniformizar o entendimento dos juízes.

O Estadão/Broadcast obteve parte da proposta elaborada pela Comissão de Jurisprudência do TST, onde foram sugeridas mudanças em oito súmulas. O projeto já foi distribuído aos 28 ministros da Casa, que começarão a discutir o texto no dia 6 de fevereiro.

A proposta obtida pela reportagem defende que o Tribunal deve aplicar a nova lei trabalhista apenas em contratos assinados após o dia 11 de novembro, em processos relacionados ao deslocamento entre a casa e o trabalho, às gratificações e às diárias de férias incorporadas ao salário. Se o contrato for anterior à nova lei, fica aberta a possibilidade para que o funcionário cobre da empresa na Justiça. O mesmo vale para a regra que permite a um não empregado representar a empresa na Justiça, o chamado “preposto”: só vale nas ações ajuizadas após 11 de novembro.

Composta por três ministros, a Comissão argumenta que a reforma deve ser aplicada imediatamente “desde que não afete o direito adquirido do empregado ou do empregador”. A interpretação é que há “direito adquirido dos atuais empregados” pela “sistemática da lei velha” para casos em que a nova legislação pode suprimir benefícios previstos em contrato anterior à mudança.

Para valer, esse entendimento precisa da aprovação de 18 ministros – dois terços do plenário. Súmulas do TST não têm efeito vinculante como em alguns casos do Supremo Tribunal Federal (STF). Ou seja, não obriga as demais instâncias a adotar o entendimento. O mundo jurídico, porém, encara uma súmula como um posicionamento sedimentado e que, por isso, influencia parte dos juízes.

Polêmica. O entendimento proposto pelo TST é oposto ao defendido pelo governo. Procurado, o Ministério do Trabalho reafirmou que a reforma vale para todos os contratos e cita como argumento a Medida Provisória 808. Assinado em novembro, o texto afirma que a reforma “se aplica, na integralidade, aos contratos de trabalho vigentes”. “Ou seja, vale tanto para os novos contratos, quanto para os que já estavam vigentes”, defende o Ministério.

Fonte: JL/Estadão
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
12/11/18, 20:11 | TRANSIÇÃO - 'Se não abrir a caixa-preta do BNDES, está fora', diz Bolsonaro sobre Levy
12/11/18, 20:03 | ESPORTE - Sem Neymar, seleção vai a campo com oito convocados e aguarda chegadas
12/11/18, 19:53 | NATAL - Papai Noel dos Correios: cartas podem ser adotadas pela web
12/11/18, 19:38 | JUDICIÁRIO - Brasil tem cerca de 22,6 mil jovens privados de liberdade, diz CNJ
12/11/18, 19:34 | TRANSIÇÃO - Bolsonaro reconhece dificuldade para aprovar reforma da Previdência ainda em 2018
12/11/18, 19:31 | ENTREVISTA - Moro diz que demitirá 'colegas' ministros envolvidos em corrupção
12/11/18, 19:21 | TRANSIÇÃO - Nesta segunda-feira, Bolsonaro desidratou Moro, que perdeu o CADE
12/11/18, 17:46 | TRANSIÇÃO - Ex-ministro de Dilma comandará BNDES na gestão de Bolsonaro
12/11/18, 17:41 | TRANSIÇÃO - Saiba quais são os principais desafios do governo Bolsonaro
12/11/18, 17:36 | COMISSÃO - Brasil vive retrocesso nos direitos humanos, avalia comissão da OEA
12/11/18, 16:30 | POLÍTICA - Cinco dos 14 partidos atingidos por cláusula de barreira negociam fusões
12/11/18, 16:24 | DECISÃO - Ministro do STJ manda soltar Joesley Batista e delatores da J&F da Operação Capitu
12/11/18, 16:00 | EDUCAÇÃO - Por decreto, Maranhão garante Escolas com Liberdade e sem Censura
12/11/18, 15:12 | PRONUNCIAMENTO - Equipe econômica de Bolsonaro não durará seis meses, projeta Cid Gomes
12/11/18, 14:59 | INSTITUCIONAL - Procuradoria do Amazonas comemora 46 anos e o Dia Estadual do Procurador
12/11/18, 14:55 | CONFERÊNCIA - Entidades vão denunciar violações no Brasil e os riscos para o ambiente global
12/11/18, 14:50 | REFORMAS - Saiba o que ficará sob o comando do superministério de Guedes em 2019
12/11/18, 10:02 | CORRUPÇÃO & PROPINA - STJ manda soltar Rodrigo Figueiredo, preso na Operação Capitu
12/11/18, 09:38 | ECONOMIA - Celebração do consumo pode levar a superendividamento, alerta juíza
12/11/18, 09:35 | SAÚDE - Novo cálculo de reajuste de planos de saúde será discutido nesta terça
12/11/18, 09:31 | ECONOMIA - Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
11/11/18, 22:43 | EDUCAÇÃO - Professores dizem que provas exigiram menos cálculos do que as de 2017
11/11/18, 22:33 | EDUCAÇÃO - Enem deste domingo tem 66 eliminados e 1 milhão e 600 mil ausentes
11/11/18, 22:08 | BRASILEIRÃO - Palmeiras empata com Atlético-MG e mantém vantagem sobre o Inter
11/11/18, 21:58 | BRASILEIRÃO - Grêmio vence com 'frango' de Martín Silva e mantém Vasco perto do Z4
11/11/18, 21:48 | ESPORTE - Em grande clássico, River e Boca empatam na 1ª final da Libertadores
11/11/18, 14:55 | EDUCAÇÃO - MPF, OAB e outras entidades recomendam que instituições de ensino estimulem debate em sala de aula
11/11/18, 14:50 | POLÍTICA - Lula solto poderia tirar militares do controle, diz comandante do Exército: “Estávamos no limite”
11/11/18, 14:41 | ARTIGO - Política Judiciária Nacional e o Ministério da Justiça de Moro
11/11/18, 13:51 | MEIO AMBIENTE - Desmatamento na Amazônia salta durante o período eleitoral
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site