CBN - A rádio que toca notícia

POLÊMICA

Deputados divergem sobre reforma trabalhista, que entra em vigor hoje

Pelas novas regras, a negociação entre empresas e trabalhadores prevalecerá sobre a lei em pontos como parcelamento das férias, flexibilização da jornada, entre outros

11/11/17, 15:20

E

ntra em vigor neste sábado (11) a reforma trabalhista aprovada neste ano pelo Congresso Nacional (Lei 13.467/17), com mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT - 5.452/43). A nova legislação amplia a negociação entre patrões e empregados em torno de alguns direitos e cria novas modalidades de contratação, como o trabalho intermitente; um tipo de trabalho que não tem jornada fixa, sendo pago por período trabalhado.

Pelas novas regras, a negociação entre empresas e trabalhadores prevalecerá sobre a lei em pontos como parcelamento das férias, flexibilização da jornada, participação nos lucros e resultados, intervalo de almoço, plano de cargos e salários, banco de horas, remuneração por produtividade e trabalho remoto. 

Também a rescisão poderá ser negociada com pagamento de metade do aviso prévio e metade da multa de 40% sobre o saldo do FGTS. Neste caso, o trabalhador poderá movimentar até 80% do valor depositado no FGTS, mas não terá direito ao seguro-desemprego.

O deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), que foi relator do projeto de lei na Câmara, explica que a população em idade de trabalhar é de 140 milhões no Brasil, mas um contingente bem menor tem carteira assinada.

"São 90 milhões de brasileiros que, ou são desempregados, ou são subempregados, ou são autônomos, ou são microempresários, ou são trabalhadores intermitentes; enfim, um número muito maior do que aqueles formalizados está à margem da legislação, que era restritiva”, argumentou.

Ele acredita que a flexibilização da lei vai permitir a entrada dos que estão à margem da legislação. “Vai dar segurança, por exemplo, a Previdência Social pressupõe tanto a questão da aposentadoria quanto do seguro eventual de um acidente de trabalho", afirmou.

Mas o presidente da Comissão de Trabalho da Câmara, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), não acredita em aumento do emprego formal com a nova lei e prevê muitas ações na Justiça.

"Eu tenho certeza que essas mudanças na CLT vão piorar muito as condições do trabalho. Não é lei que gera emprego. Há 5 anos, o Brasil vivia o que tecnicamente os economistas chamam de pleno emprego, quando o desemprego está abaixo da taxa de 5%. E foi com a lei anterior, tal qual ela existia. Portanto, é falsa a ideia de que mudar a CLT é imperioso para a geração de empregos, para melhorar a qualidade do emprego. O que se viu foram medidas para atender aos interesses dos empresários", lamentou.

Outras mudanças

Desde que haja concordância do empregado, as férias poderão ser divididas em até três períodos, sendo que um deles não poderá ser inferior a quatorze dias corridos e os demais não poderão ser inferiores a cinco dias corridos, cada um. Também é vedado o início das férias no período de dois dias que antecede feriado ou dia de repouso semanal remunerado.

A reforma trabalhista também regulamentou o trabalho em casa, sem controle de jornada e com remuneração por tarefa. O trabalho parcial passou de 25 para 30 horas semanais. E a jornada de 12 horas em um único dia, seguida de descanso de 36 horas, poderá ser acordada entre as partes.

A contribuição sindical não será mais obrigatória e a multa por deixar de registrar um trabalhador será de R$ 3 mil, caindo para R$ 800 no caso de micro e pequenas empresas.

Fonte: JL/Agência Câmara
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
16/11/17, 08:03 | ESTUDO - Gêmeos de Cocal dos Alves recebem prêmios da Olimpíada de Matemática 2016
16/11/17, 07:55 | MEIO AMBIENTE - Brasil se oferece para sediar a Conferência do Clima em 2019
16/11/17, 07:50 | CONTRIBUINTE - Receita paga hoje o sexto lote de restituição do Imposto de Renda 2017
16/11/17, 07:36 | POLÍCIA - Reforma ministerial pode se tornar tiro no pé e aumentar desgaste de Temer
16/11/17, 07:32 | CRIME - Dodge denuncia ministro do TSE por agressão contra a mulher
16/11/17, 07:23 | MUNDO - Em 2016, terrorismo atingiu recorde de países em 17 anos
16/11/17, 07:09 | ESPORTE - É campeão: Corinthians vence o Flu e 'proclama a República do Timão’
14/11/17, 16:56 | CRISE - Reforma ministerial atingirá 17 pastas, diz Romero Jucá
14/11/17, 16:18 | OPINIÃO PÚBLICA - Pesquisa constata que 85% dos brasileiros são contra Reforma da Previdência
14/11/17, 14:14 | LEGISLAÇÃO - Brasil poderá proibir celular no trabalho, com direito a punições
14/11/17, 14:12 | ESTATÍSTICA - Brasil registra queda no número de casamentos e aumento de divórcios em 2016
14/11/17, 14:07 | ESTATÍSTICA - Número de mortes aumenta 24,7% em dez anos no Brasil
14/11/17, 13:51 | INVESTIGAÇÃO - Homem é encontrado morto em Teresina e família suspeita de vingança de militares
14/11/17, 13:26 | CRIME - PF desmonta quadrilha que desviou quase R$ 400 milhões da Caixa
14/11/17, 13:15 | NEGOCIATA - Para atender Centrão, Temer vai lotear Ministério entre partidos
14/11/17, 13:02 | POLÍCIA - Executivo, Legislativo e TCE do RJ formaram grupo criminoso
14/11/17, 11:59 | ESPORTE - Pela décima vez, Copa do Mundo não terá todas as campeãs
14/11/17, 00:30 | OPINIÃO - LEIA O ARTIGO: O ódio deve morrer
14/11/17, 00:23 | OPINIÃO - LEIA O ARTIGO: Justiça não é diletantismo
13/11/17, 22:27 | REPERCUSSÃO - Trabalhador é condenado a pagar R$ 8,5 mil em honorários com nova Lei Trabalhista
13/11/17, 22:01 | LEVANTAMENTO - 68% dos brasileiros acham que saúde está piorando, diz pesquisa
13/11/17, 21:55 | PUNIÇÃO - STF nega mandado de segurança de juíza punida por ligação com traficante
13/11/17, 21:53 | REAÇÃO - 'Reforma' trabalhista será alvo de disputa nas ruas e nos tribunais
13/11/17, 21:39 | SEGURANÇA - Secretários de segurança querem ações para barrar entrada de fuzis no país
13/11/17, 21:11 | POLÍCIA - Novo diretor-geral da PF defende integração contra crime organizado
13/11/17, 20:38 | REFORMA - Maia critica mudanças na nova lei trabalhista por medida provisória
13/11/17, 20:34 | ACUSAÇÃO - 'O PSDB já não é um partido sério desde Fernando Henrique', diz Ciro
13/11/17, 20:30 | POLÍTICA - PSDB deve formalizar saída do governo até 9 de dezembro
13/11/17, 20:21 | ESPORTE - Tite sobre ‘lista final’ da Copa: ‘Não adianta eu querer ser bonzinho'
13/11/17, 20:17 | RACHA POLÍTICO - Ministro Bruno Araújo, do PSDB, entrega carta de demissão a Temer
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site