CBN - A rádio que toca notícia

MINISTÉRIO PÚBLICO

Dodge pede que CNJ e STJ investiguem juiz que mandou soltar Lula

Suspeita de crime de prevaricação. PGR lembra histórica ligação com PT. ‘Conduta afrontou ética e imparcialidade’

11/07/18, 21:55

A

procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou nesta 4ª feira (11.jul.2018) ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) 1 pedido de abertura de investigação  para apurar a conduta do juiz do TRF-4 (Tribunal Regional da 4ª Região) que mandou soltar Lula em regime de plantão, Rogério Favreto.

Dodge também encaminhou uma reclamação disciplinar ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça) com o mesmo teor.

A procuradora-geral da República quer investigação sobre suposta prática indevida de ato de ofício (sem provocação) de Favreto para satisfazer interesses pessoais.

“A conduta do representado sequer se esgota nos atos formalmente jurisdicionais que praticou. Sem competência para praticá-los no plantão judiciário, o representado assumiu função judicial que não era sua, pretendendo desconstituir ordem judicial válida, emanada de juízo competente (a 8ª Turma do TRF4) e confirmada mais de uma vez pelos Tribunais Superiores”, diz o documento.

Para Dodge, a conduta de Favreto afrontou a ética e a imparcialidade do magistrado, além de desrespeitar normas do CNJ e decisões do STJ e do Supremo Tribunal Federal, que já haviam autorizado a execução provisória da pena do petista.

“O mais grave é que a miríade de atos de desrespeito à ordem jurídica pautou-se em premissas notoriamente artificiais e inverídicas, cuja consequência foi a exposição do Poder Judiciário brasileiro, nos planos nacional e internacional, a sentimentos generalizados que variaram da insegurança à perplexidade, da instabilidade ao descrédito”, segundo a procuradora.

No documento, Dodge lembra dos laços do juiz com o PT, partido ao qual foi filiado por quase 20 anos.

Durante o governo Lula, Favreto ocupou os cargos de 1) assessor especial da subchefia Jurídica da Casa Civil da Presidência da República; 2) chefe da consultoria jurídica do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; 3) chefe da assessoria especial da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República; 4) secretário nacional de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça.

“As notórias e estreitas ligações afetivas, profissionais e políticas do representado com o réu, cuja soltura ele determinou sem ter jurisdição no caso, explicam a finalidade de sua conduta para satisfazer interesses pessoais e os inexplicáveis atos judiciais que emitiu e os contatos que fez com a autoridade policial para cobrar urgência no cumprimento de suas decisões”, afirmou.

Dodge ressalta que a concessão de liminar no habeas corpus durante o plantão judiciário sugere que o ato foi orquestrado meticulosamente para conseguir a soltura do ex-presidente.

“O objetivo confessado dos impetrantes era afetar a credibilidade do Poder Judiciário, com consequente exposição da ordem pública e do processo eleitoral a risco quando a Corte viesse restabelecer a prisão do réu para cumprimento da pena, tal como fora determinado pela 8ª Turma e confirmado pelo STF”, diz o documento.

CNJ

Na reclamação disciplinar enviada ao CNJ, Dodge afirma que Favreto afrontou a Constituição e violou deveres do cargo.

“No sistema acusatório, o juiz deve manter-se neutro, equidistante, e decidir a causa de acordo com provas e argumentos suscitados pelas partes, de acordo com a lei”, escreveu a procuradora.

“A quebra da imparcialidade judicial também afronta um dos principais pilares da democracia, que é a obediência a leis e ao devido processo legal. O juiz natural é o único competente para julgar uma causa. Quem o identifica é a lei”. 

A pena máxima para esse tipo de infração é a aposentadoria compulsória do magistrado.

O TRF-4 informou na noite desta 4ª que o desembargador ainda não estava ciente do pedido de Dodge.

O caso

O juiz plantonista do TRF-4, Rogério Favreto, concedeu decisão liminar (provisória) na manhã de domingo (8.jul) para libertar o ex-presidente em 1 habeas corpus apresentado pelos deputados Wadih Damous, Paulo Pimenta e Paulo Teixeira, todos do PT.

No despacho o juiz afirma que o petista se apresentou como pré-candidato às eleições deste ano, o que configuraria fato novo para justificar sua soltura e garantir seu direito de fazer campanha.

Na sequência, Sérgio Moro se negou a cumprir imediatamente a ordem de soltura e pediu manifestação do relator da Lava Jato no Tribunal, João Pedro Gebran Neto. O relator cassou a decisão de Favreto e manteve da prisão de Lula.

Em novo despacho, o juiz plantonista rebateu Gebran e mandou soltar o ex-presidente em uma hora. O MPF (Ministério Público Federal), então, apresentou 1 pedido de suspensão de liminar (íntegra). O pedido foi aceito pelo presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson Flores, no começo da noite do domingo, encerrando a disputa judicial.

Fonte: JL/PODER 360
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
15/03/19, 15:41 | POLÊMICA - Parlamentares miram pacote anticrime de Moro contra decisão do STF sobre caixa dois
15/03/19, 15:30 | VIOLÊNCIA - Professor entra armado na Secretaria de Educação do DF e é preso
15/03/19, 15:27 | INVESTIGAÇÃO - MP-RJ apura depósito de R$ 100 mil para acusado de atirar em Marielle
15/03/19, 09:01 | ARTIGO - Nenhum minuto de silêncio
15/03/19, 08:53 | OPINIÃO - A culpa é do Bolsonaro
15/03/19, 08:44 | OPINIÃO - Com Bolsonaro, o Brasil ficou menor, avalia Míriam Leitão
14/03/19, 21:57 | PROJETO DE LEI - Primeiro projeto de Flávio Bolsonaro autoriza instalação de fábricas de armas no país
14/03/19, 21:28 | ÓDIO - Massacre em escola é comemorado na web e assassino chamado de 'herói'
14/03/19, 21:22 | REPERCUSSÃO NEGATIVA - Na internet, Bolsonaro diz não entender criminosos em escola de Suzano
14/03/19, 21:06 | PARLAMENTO - ‘Reforma’ da Previdência não teria hoje metade dos votos necessários para aprovação
14/03/19, 21:04 | REAÇÃO - Governadores nordestinos unem forças contra propostas do governo Bolsonaro
14/03/19, 20:52 | ACUSAÇÃO - Gilmar Mendes chama procuradores da Lava Jato de “cretinos” e diz que “combate à corrupção dá lucro”
14/03/19, 20:37 | JULGAMENTO - Decisão do STF pode anular sentenças já proferidas na Lava Jato, diz ministro
14/03/19, 16:46 | CRIMES - Lula e Bolsonaro contemplam Suzano e Marielle: visões opostas
14/03/19, 16:34 | ANÁLISE - Bolsonaro contamina jovens como o atirador de Suzano
14/03/19, 15:27 | ANÁLISE - A postura do clã do presidente Bolsonaro no caso Marielle Franco
14/03/19, 15:14 | CRIME - Estudante de Manaus é detido após fazer apologia à tragédia de Suzano
14/03/19, 15:09 | TENTATIVA - Aluno ameaça cometer atentado e polícia é acionada em Manaus
14/03/19, 14:23 | SAÚDE - Saúde alerta para prevenção e diagnóstico precoce de doença renal
14/03/19, 14:16 | TRAGÉDIA - Doria quer acelerar indenizações às famílias de vítimas de massacre
14/03/19, 13:57 | DECISÃO - Ministro vota por cassação integral de coligação com laranja no Piauí
14/03/19, 12:07 | REPERCUSSÃO - Manifestações no Brasil e no exterior cobram respostas do assassinato de Marielle
14/03/19, 11:58 | POSIÇÃO - Apologia ao Crime: Bolsonaro diz só conseguir dormir com arma de fogo ao lado
14/03/19, 10:57 | POLÊMICA - Flexibilização do porte de arma é 'barbárie', diz Rodrigo Maia
14/03/19, 10:36 | TRAGÉDIA - Atirador matou comparsa e depois se suicidou, diz PM
14/03/19, 10:28 | POLÊMICA - Massacre em escola de Suzano reacende debate sobre porte de armas
14/03/19, 10:15 | LUTO - Massacre de Suzano mostra 'que precisamos de paz e não de mais armas', diz Lula
14/03/19, 10:07 | POLÍTICA - Míriam Leitão diz que Bolsonaro vendeu 'ficção eleitoral', mas omite seu papel e o da Globo no filme
14/03/19, 10:00 | OPINIÃO - Um ano sem Marielle: seu legado para o Brasil esmaga seus assassinos
14/03/19, 09:24 | TRAGÉDIA - Atirador de Suzano era fã de pistolas, facas, games e Bolsonaro
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site