CBN - A rádio que toca notícia

ELEIÇÕES 2018

Requisitos para aplicação da Ficha Limpa nas condenações por improbidade administrativa

"O julgador não é obrigado a aplicar todas as medidas quando condena um acusado, podendo, por critérios de dosimetria, definir uma ou mais penas diante do caso concreto"

16/05/18, 12:13

Q

uando um ator político está envolvido em algum escândalo de corrupção, sua função pública acaba perdendo espaço para o exercício do direito de defesa e isso, por si só, já causa um prejuízo enorme à sua imagem e atividade pública. Nesse sentido, a Lei Complementar nº 135/2010 (Lei da Ficha Limpa), muito criticada em sua criação, acaba cumprindo papel positivo indireto quando retira do jogo político aqueles cidadãos que já estão inseridos no sistema punitivo. A norma tem papel decisivo no filtro de possíveis candidatos indicados pelos partidos.

A Lei da Ficha Limpa modificou as espécies de inelegibilidade de candidatos por meio de novos elementos proibitivos à participação no pleito, incluindo aí a condenação em ação de improbidade mesmo que não direcionada à finalidade eleitoral. Tratou, pela primeira vez, a condenação por ato de improbidade como impedimento ao direito de se candidatar, ainda que o processo não tenha transitado em julgado e a perda dos direitos políticos não seja definitiva.

Para a caracterização da inelegibilidade por condenação em ato de improbidade, o artigo 1º, I, da LC 64/90 expõe o seguinte texto: “os que forem condenados à suspensão dos direitos políticos, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, por ato doloso de improbidade administrativa que importe lesão ao patrimônio público e enriquecimento ilícito, desde a condenação ou o trânsito em julgado até o transcurso do prazo de 8 (oito) anos após o cumprimento da pena”.

Ao contrário do que muitos pensam, a lei não foi tão abrangente ou impôs a impossibilidade de candidatura a qualquer condenação por ato de improbidade. A Lei 8.429/1992, Lei de Improbidade Administrativa, define três modalidades de atos de improbidade: enriquecimento ilícito (art. 9º), dano ao erário (art. 10) e atos atentatórios aos princípios da Administração Pública (art. 11).

A opção feita pelo legislador da Ficha limpa foi tornar inelegível apenas o agente estatal que cometa ato de improbidade nas modalidades, somadas, dos artigos 9º e 10, excluindo as condenações com base na ofensa aos princípios da Administração Pública, do artigo 11 da Lei de Improbidade, ou quando houver prática de apenas uma dessas espécies.

O segundo requisito para aplicação da Lei da Ficha Limpa em condenação por ato ímprobo está relacionado à pena aplicada. O artigo 12 da Lei 8.429/1992 define que poderão ser aplicadas ao agente público ímprobo, as seguintes sanções: perda de bens, ressarcimento integral do dano, destituição da função pública, suspensão dos direitos políticos, multa e proibição de contratar ou receber incentivos da Administração Pública.

O julgador não é obrigado a aplicar todas as medidas quando condena um acusado, podendo, por critérios de dosimetria, definir uma ou mais penas diante do caso concreto. Para fins de inelegibilidade, a pena que precisa estar presente da decisão condenatória é a suspensão dos direitos políticos. Sem essa sanção é impossível a implicação da inelegibilidade.

O terceiro elemento indispensável para a inelegibilidade por condenação de improbidade diz respeito ao status da decisão. Não basta ser uma sentença proferida por juízo singular ainda pendente de julgamento de recurso. Deve ser oriunda de órgão colegiado ou possuir status de coisa julgada, já que o trânsito em julgado do processo é central para a aplicação da Ficha Limpa.

Já em quarto lugar, mas não menos importante, o ato de improbidade precisa ser configurado com o elemento subjetivo do dolo. Somente os atos de improbidade dolosos são capazes de atrair os efeitos da inelegibilidade. Se a condenação, por exemplo, for por ato de improbidade em razão de dano ao erário (art. 10 da LIA), mas na modalidade culposa, não será possível a incidência da proibição de candidatura.

Como vem decidindo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a inexigibilidade do art. 1º, inciso I, alínea l, da Lei da Ficha Limpa, exige como impedimento de candidatura que as condenações por ato de improbidade necessitam preencher os quatro requisitos cumulativamente: (a) Condenação por ato de improbidade com aplicação da pena de suspensão dos direitos políticos; (b) Decisão definida por órgão colegiado ou transitada em julgado; (c) Ato de improbidade doloso, não incidindo aqueles cometidos apenas por culpa; e (d) Resultado de lesão ao erário somado ao enriquecimento ilícito do agente, estando os dois efeitos presentes na condenação.

Apenas a soma de todos esses quatro elementos poderá retirar um cidadão condenado por ato de improbidade da disputa eleitoral. Ao menos nesse aspecto, a escolha da lei para aplicação da inelegibilidade foi bem específica e, ao menos por enquanto, a jurisprudência tem demonstrado segurança aos interessados em participar das eleições, ainda que condenados na esfera cível sancionadora. Espera-se que o clima de criminalização da política não modifique esse cenário de interpretação objetiva da norma (por Antonio Rodrigo Machado, colunista)

Fonte: JL/Congresso em Foco
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
19/10/18, 21:02 | CRIME - WhatsApp exclui contas com mentiras para prejudicar Haddad
19/10/18, 19:09 | PESQUISA - Vox Populi coloca Bolsonaro e Haddad quase empatados: 53% x 47%
19/10/18, 19:03 | ELEIÇÕES - Prefeitos saem do PSDB após declararem apoio a França
19/10/18, 18:51 | POLÍTICA - Maioria dos eleitores considera debates importantes, aponta Datafolha
19/10/18, 18:38 | POLÊMICA - TSE e PGR foram omissos diante de atos violentos e fake news, diz CNDH
19/10/18, 18:34 | REAÇÃO - Manifestantes criticam propostas de Bolsonaro para meio ambiente
19/10/18, 18:32 | SAÚDE - Estudo relaciona 12% das mortes por câncer de mama ao sedentarismo
18/10/18, 21:56 | ANÁLISE POLÍTICA - É hora de se debruçar sobre a propaganda em rede de Bolsonaro
18/10/18, 21:50 | ELEIÇÕES NO BRASIL - Empresas compram pacotes ilegais de envio de mensagens contra o PT no WhatsApp, diz jornal
18/10/18, 21:15 | CRIME - PDT vai pedir anulação das eleições por fraude de Bolsonaro contra Haddad
18/10/18, 21:08 | CRIME ELEITORAL - Diretor do Datafolha: salto de Bolsonaro nas pesquisas indica fraude
18/10/18, 20:49 | LEVANTAMENTO - Brasil tem 477 grávidas e lactantes no sistema carcerário
18/10/18, 20:47 | POLÍTICA - Bolsonaro não vai participar de debates com Haddad
18/10/18, 20:43 | CRIME - MPE vai apurar suspeita de doações ilegais à campanha de Bolsonaro
18/10/18, 12:55 | EDUCAÇÃO - Cartões do Enem serão liberados na segunda-feira, dia 22
18/10/18, 12:51 | DIEESE - Pagamento do 13º salário injeta R$ 211,2 bilhões na economia
18/10/18, 12:45 | MOVIMENTO - Com juristas, Haddad chama campanha anti-PT de “tentativa de fraude
18/10/18, 09:44 | FUTEBOL - Cruzeiro 2 x 1 Corinthians: hexacampeão da Copa do Brasil
18/10/18, 09:39 | POLÊMICA - Em casos anteriores, STF suspendeu indiciamento de autoridades pela PF
18/10/18, 08:59 | AGENDA - Dia é de definições para os candidatos à Presidência da República
17/10/18, 19:11 | ECONOMIA - Um em cada três clientes ignora valor da fatura do cartão de crédito
17/10/18, 19:08 | POLÍTICA - Pesquisa constata só 8% de imagens verdadeiras no WhatsApp
17/10/18, 19:04 | BENEFÍCIO - Nascidos em outubro já podem sacar abono do PIS de 2017
17/10/18, 18:47 | JUDICIÁRIO - STF decide que imóveis de programa habitacional não pagam tributos
17/10/18, 16:43 | POLÍTICA - De salto alto, Bolsonaro e filhos já cantam vitória antes da hora
17/10/18, 16:00 | POLÍTICA - Haddad diz que Igreja Universal tem pretensões de governar o país
17/10/18, 15:39 | REAÇÃO - Mais de mil juristas assinam manifesto em apoio a Haddad
17/10/18, 15:33 | AGRESSÃO - Dom Mauro Morelli sobre Bolsonaro: 'Desequilibrado e vulgar'
17/10/18, 15:27 | POLÍTICA - Bancada feminina na Câmara terá maior número da história: 77 deputadas eleitas
17/10/18, 15:20 | PARLAMENTO - Congresso derruba veto de Temer a piso salarial de agentes de saúde
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site