CBN - A rádio que toca notícia

REAÇÃO

'Reforma' trabalhista será alvo de disputa nas ruas e nos tribunais

Para representantes de trabalhadores e especialistas em direito, em debate no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, país já provou que é possível criar empregos sem reduzir direitos

13/11/17, 21:53

A

nova legislação trabalhistas sancionada pelo governo Temer, que entrou em vigor no último sábado (11), não está consolidada, e será alvo de disputa jurídica, nos tribunais do trabalho e instâncias superiores, e política, nas ruas, nas fábricas e nas eleições do ano que vem. Essas foram as impressões compartilhadas por especialistas do direito, sindicalistas e políticos, em debate promovido pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, realizado nesta segunda-feira (13), em São Bernardo do Campo. 

As mudanças na legislação, segundo os debatedores, foram feitas sem que os trabalhadores fossem consultados, e atendem, portanto, somente aos interesses da classe patronal, que pretende enfraquecer os sindicatos durante as negociações e criar obstáculos para o acesso à Justiça do Trabalho. O debate sobre o dia seguinte à reforma trabalhista também foi acompanhado de perto pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defende a realização de um referendo revogatório sobre essa e outras medidas do governo Temer. 

Ao contrário do discurso oficial do governo, que alega que as novas regras estimularão a criação de novas vagas de emprego, os participantes foram unânimes em dizer que o que, de fato, vai aumentar com a reforma trabalhista é a precarização das relações do trabalho e a queda dos rendimentos gerais dos salários. 

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, o efeito geral é que, se essa nova legislação não for revogada, todos os trabalhadores com o atual modelo de contratação serão demitidos, e recontratados de maneira precarizada, na forma de terceirizado, autônomo ou intermitente. 

Ele também criticou o dispositivo que consta da nova lei que considera que as negociações coletivas terão prevalência sobre a legislação, até mesmo quando retirarem direitos. Segundo Freitas, negociação sem a presença do sindicato, como legítimo representante dos trabalhadores, não pode ser considerada com uma negociação coletiva. "Não há negociação coletiva sem um sindicato forte", ressaltou. 

Vagner defendeu a união de sindicatos em macro-setores, que reúna todo um determinado seguimento de trabalhadores, para, assim, terem maior poder de negociação e menores custos de manutenção de estruturas de assistência jurídica, por exemplo. 

Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
06/12/18, 22:01 | PESQUISAS - Doze pesquisadores brasileiros estão entre os mais influentes do mundo
06/12/18, 14:25 | VIOLÊNCIA - Homem surdo entrega bilhete em posto anunciando assalto
06/12/18, 14:21 | INDICADORES - Fernando Brito: a dor dos pobres não sai nos jornais
06/12/18, 14:01 | INDICADORES - Mello Franco: tem brasileiro sobrevivendo com R$ 7 reais por dia
06/12/18, 13:33 | ESPORTE - Pelé fala sobre seu estado de saúde e afirma que tem 'receio de morrer'
06/12/18, 13:15 | VIOLAÇÕES - Relatório traz panorama das violações de direitos humanos no Brasil
06/12/18, 13:11 | TRANSIÇÃO - Futuros ministros mostram desenho de estrutura para Bolsonaro
06/12/18, 13:06 | LEGISLAÇÃO - Senador propõe aumentar pena para maus-tratos conta animais
05/12/18, 22:11 | VIOLÊNCIA - Bolsonaro parabeniza policial por matar homem que fez idosa refém no Rio
05/12/18, 21:49 | LEGISLAÇÃO - Comissão especial da Câmara aprova proposta de nova Lei das Licitações
05/12/18, 21:46 | POLÍTICA - Câmara aprova projeto que amplia possibilidade de repasse a municípios
05/12/18, 21:37 | POLÍTICA - Onyx terá de deixar governo se for comprovada ‘ilicitude’, diz Mourão
05/12/18, 21:03 | ARTIGO - O legítimo pecado da impaciência
05/12/18, 18:25 | LUTO - Reis, príncipes, presidentes e ex-presidentes se despedem de Bush
05/12/18, 17:52 | EDUCAÇÃO - MPF quer que estudantes possam recorrer das notas do Enem
05/12/18, 17:48 | DISCURSO - Bolsonaro quer votar reforma da Previdência no primeiro semestre
05/12/18, 17:41 | ARTIGO JURÍDICO - Resistência injustificada no Processo Civil
05/12/18, 16:42 | TRANSIÇÃO - Bolsonaro reitera que alvos de denúncias comprovadas serão afastados
05/12/18, 16:29 | POLÊMICA - Médica que vaiou cubanos chefiará Mais Médicos em 2019
05/12/18, 16:26 | PARLAMENTO - Deputados aprovam quatro projetos que ampliam proteção e direito à saúde das mulheres
05/12/18, 16:10 | RELATÓRIO - Mundo tem que reduzir consumo de carne para alimentar 10 bi em 2050
05/12/18, 16:04 | POLÍTICA - Huck diz não ser hora de oposição a Bolsonaro em evento com eleitos
05/12/18, 12:56 | ECONOMIA - Extrema pobreza aumenta e chega a 15,2 milhões de pessoas
05/12/18, 12:50 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Lava Jato prende seis no Brasil e emite alertas para Interpol
05/12/18, 12:39 | CRIMES - Lava Jato investiga pagamento de propinas de US$ 31 milhões
04/12/18, 17:08 | INVESTIGAÇÃO - Moro diz que quer ‘eliminar vestígios de corrupção nos sindicatos’
04/12/18, 17:00 | EDUCAÇÃO - CNE aprova nova base nacional curricular para o ensino médio
04/12/18, 16:47 | LEVANTAMENTO - De 154 réus, Lula teve o julgamento mais severo no TRF-4, demonstra revista da Rede Globo
04/12/18, 16:42 | CONFUSÃO - Advogado diz a Lewandowski ter vergonha de STF e é retido pela PF
04/12/18, 16:35 | CRIME - STF abre processo preliminar contra Onyx Lorenzoni por caixa dois
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site