CBN - A rádio que toca notícia

POLÊMICA

Para ministros do TST, pontos da lei trabalhista só valem em contrato novo

Na interpretação de uma comissão do Tribunal Superior do Trabalho, a legislação que entrou em vigor em novembro do ano passado não pode retirar direitos adquiridos

09/01/18, 16:27

U

ma comissão de ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) avalia que alguns pontos da reforma trabalhista, em vigor desde o dia 11 de novembro, valem apenas para novos contratos de emprego. O parecer, que ainda será votado no plenário do Tribunal, é contrário ao entendimento do governo, que defende a mudança para todos os trabalhadores.

Os ministros argumentam que a reforma não pode retirar direitos adquiridos. Entre os pontos que, na interpretação deles, devem valer apenas para contratos novos ou repactuados a partir do dia 11 de novembro, estão: o fim do pagamento pelo tempo de deslocamento entre a casa e a empresa; e a proibição de incorporar gratificações e diárias de viagem ao salário.

O parecer faz parte da proposta de revisão de 34 súmulas do Tribunal. As súmulas são interpretações sobre temas específicos, que servem para uniformizar o entendimento dos juízes.

O Estadão/Broadcast obteve parte da proposta elaborada pela Comissão de Jurisprudência do TST, onde foram sugeridas mudanças em oito súmulas. O projeto já foi distribuído aos 28 ministros da Casa, que começarão a discutir o texto no dia 6 de fevereiro.

A proposta obtida pela reportagem defende que o Tribunal deve aplicar a nova lei trabalhista apenas em contratos assinados após o dia 11 de novembro, em processos relacionados ao deslocamento entre a casa e o trabalho, às gratificações e às diárias de férias incorporadas ao salário. Se o contrato for anterior à nova lei, fica aberta a possibilidade para que o funcionário cobre da empresa na Justiça. O mesmo vale para a regra que permite a um não empregado representar a empresa na Justiça, o chamado “preposto”: só vale nas ações ajuizadas após 11 de novembro.

Composta por três ministros, a Comissão argumenta que a reforma deve ser aplicada imediatamente “desde que não afete o direito adquirido do empregado ou do empregador”. A interpretação é que há “direito adquirido dos atuais empregados” pela “sistemática da lei velha” para casos em que a nova legislação pode suprimir benefícios previstos em contrato anterior à mudança.

Para valer, esse entendimento precisa da aprovação de 18 ministros – dois terços do plenário. Súmulas do TST não têm efeito vinculante como em alguns casos do Supremo Tribunal Federal (STF). Ou seja, não obriga as demais instâncias a adotar o entendimento. O mundo jurídico, porém, encara uma súmula como um posicionamento sedimentado e que, por isso, influencia parte dos juízes.

Polêmica. O entendimento proposto pelo TST é oposto ao defendido pelo governo. Procurado, o Ministério do Trabalho reafirmou que a reforma vale para todos os contratos e cita como argumento a Medida Provisória 808. Assinado em novembro, o texto afirma que a reforma “se aplica, na integralidade, aos contratos de trabalho vigentes”. “Ou seja, vale tanto para os novos contratos, quanto para os que já estavam vigentes”, defende o Ministério.

Fonte: JL/Estadão
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
24/05/18, 15:00 | CRISE - Jungmann não descarta uso das Forças Armadas se greve não for suspensa
24/05/18, 14:49 | POLÊMICA - Cássio Cunha Lima sugere demissão de presidente da Petrobras
24/05/18, 14:12 | REIVINDICAÇÃO - Servidores de Teresina realizam audiência com vereadores para reivindicar reajuste salarial
24/05/18, 13:44 | PROTESTOS - Wellington Dias: Decisão de Temer de acabar com a Cide é
24/05/18, 13:39 | SOCIAL - Cortes no Bolsa Família e outros podem matar a mais 20 mil crianças no Brasil
24/05/18, 13:08 | PROTESTOS - Greve dos caminhoneiros desbastece Ceasa e afeta aeroporto de Teresina
24/05/18, 13:03 | PROTESTOS - Sem combustível, frotas de ônibus são reduzidas em várias cidades
24/05/18, 12:29 | ELEIÇÕES - Senadores do MDB atacam candidatura de Meirelles
24/05/18, 12:21 | MOVIMENTO - Há 330 pontos de rodovias interditados em 23 Estados
24/05/18, 12:17 | ELEIÇÕES 2018 - TSE aprova regras para distribuição do fundo que vai financiar campanhas
24/05/18, 11:58 | REFORMA E AMPLIAÇÃO - Alderico Tavares comandará reforma de R$ 5 milhões no Hospital de Luzilândia
24/05/18, 11:45 | CORRUPÇÃO & PROPINA - Gilmar Mendes prorroga por mais 60 dias investigação contra Aécio e Anastasia
23/05/18, 19:30 | DESASTRE ECONÔMICO - Protesto de caminhoneiros afeta fornecimento e gasolina chega a R$ 8,99 no Recife
23/05/18, 19:23 | DECISÃO - Gilmar Mendes manda soltar mais dois corruptos em fraudes no Rio
23/05/18, 19:10 | PROTESTO - Representante dos caminhoneiros: governo Temer foi irresponsável
23/05/18, 19:00 | MOVIMENTO - Sem combustível, maior empresa de alimentos paralisa 13 fábricas
23/05/18, 16:20 | POLÍTICA - Em sabatina, Alckmin tenta se afastar de tucanos com problemas na Justiça
23/05/18, 16:16 | CORRUPÇÃO - Ex-governador de MG, Azeredo se entrega à polícia em Belo Horizonte
23/05/18, 14:37 | CONFLITO - Prefeito de Luzilândia invade Joca Marques e pratica conflito institucional e crime de responsabilidade
23/05/18, 14:17 | INVESTIGAÇÃO - Aretha disse em mensagem que tentou denunciar ex à polícia
23/05/18, 14:13 | MOVIMENTO - Caminhoneiros do PI protestam contra aumento dos combustíveis
23/05/18, 13:42 | MOVIMENTO - Greve dos caminhoneiros faz Correios suspenderem envio de Sedex
23/05/18, 13:39 | ECONOMIA - Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
23/05/18, 13:32 | POLÊMICA - Prefeitos cobram compensação por perda de arrecadação com fim da Cide
23/05/18, 12:27 | POLÍTICA - 'Não vou sair do partido e ninguém me tira', afirma Eunício
23/05/18, 12:25 | SUPREMO - Fachin autoriza visita da comissão externa da Câmara a Lula
23/05/18, 10:50 | CORRUPÇÃO - Eduardo Azeredo é considerado foragido, diz Polícia Civil
23/05/18, 08:09 | INFRAESTRUTURA - Governo corta verba, e pesquisa que mede desemprego e desalento está ameaçada
23/05/18, 07:54 | AVALIAÇÃO - Reforma compromete mercado de trabalho e a própria economia, diz professor
23/05/18, 07:35 | POLÊMICA - Acordo entre Maia e oposição derruba privatização da Eletrobras e derrota Temer
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site