CBN - A rádio que toca notícia

INVESTIGAÇÃO

Temer, Padilha e Moreira prarticaram crime de corrupção, diz Raquel Dodge

Procuradora pede que caso seja enviado para a Justiça Federal

03/12/18, 23:56

A

procuradora-geral da República, Raquel Dodge , afirmou ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin que os pagamentos da empreiteira Odebrecht ao presidente Michel Temer e seus aliados configuraram o crime de corrupção , e não o de caixa dois. Com isso, Dodge pede que Fachin reveja sua decisão de enviar o caso para a Justiça Eleitoral, tomada após argumento das defesas dos ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco de que os repasses seriam apenas crime eleitoral de caixa dois, que tem penalidades mais brandas previstas em lei.

A PGR argumenta que se trataram de pagamentos de propina com o objetivo de conseguir benefícios na área da Aviação Civil, comandada à época por Moreira Franco, dentre elas um edital de concessão do aeroporto do Galeão (RJ).

“O primeiro esquema criminoso que foi revelado ao longo das investigações verificou-se da seguinte forma: no início do ano de 2014, em Brasília, Moreira Franco solicitou vantagem indevida, em razão da função pública que ocupava na Secretaria da Aviação Civil, no montante de R$ 4 milhões, por beneficiar o grupo Odebrecht no contrato de concessão do Aeroporto do Galeão/RJ de responsabilidade daquela secretaria. Eliseu Padilha e Michel Temer receberam, após cobrança efetuada a executivos da Odebrecht, os valores acima referidos, atuando em unidade de desígnios com Moreira Franco e cientes, portanto, da origem ilícita dos valores”, afirmou a PGR.

Sobre Temer, Dodge argumenta: “Michel Temer recebeu, por meio de João Baptista Lima Filho, vantagem indevida no montante de R$ 1.438.000,00, nos dias 19, 20 e 21/03/2014, em São Paulo”.

A Polícia Federal já havia concluído a investigação do caso, mas Dodge ainda não apresentou denúncia contra Temer, porque a Constituição proíbe a responsabilização penal de um presidente por crime anterior ao seu mandato. A PGR, então, solicitou a suspensão do inquérito, para enviá-lo à primeira instância depois que Temer perder o mandato. Como Fachin havia decidido enviar o caso à Justiça Eleitoral referente aos ministros Padilha e Moreira Franco, a parte referente a Temer possivelmente também seria transformada em investigação eleitoral. Com a manifestação, Dodge deixa claro que quer processá-los pelo delito de corrupção passiva, e não pelo de caixa dois. O crime de corrupção prevê pena de reclusão de dois a doze anos, enquanto o de caixa dois é de reclusão de até cinco anos.

Para Dodge, apesar do argumento das defesas, não há nenhuma prova de que os pagamentos da Odebrecht foram para campanhas eleitorais. “Veja-se que, em relação a esse primeiro esquema criminoso, não há nos autos qualquer elemento probatório que dê suporte à afirmação de que, além do crime de corrupção passiva praticado em conluio por Moreira Franco, Eliseu Padilha e Michel Temer, eles também praticaram o crime eleitoral previsto no art. 350 do Código Eleitoral”, escreveu.

Por isso, ao fim da manifestação, a PGR solicita que o ministro Edson Fachin reveja sua decisão e envie o caso à Justiça Federal ou, caso negue o pedido, submeta o caso à deliberação do plenário do STF.

Tanto Temer quanto Moreira e Padilha já negaram terem cometido irregularidade no caso. O GLOBO procurou a defesa dos citados. A assessoria de Temer afirmou que “o próprio relato dos delatores trata da conversa como pedido de ajuda para campanha eleitoral. E isso esclarece os fatos, sem necessidade de interpretação”. As defesas de Padilha e Moreira Franco já argumentaram ao STF que o caso não configura corrupção.

“Não existe sequer hipótese de corrupção nos autos, e todos os delatores são claros em afirmar que jamais receberam solicitações em tal sentido. Espera-se, portanto, que tal ponto, de caráter exclusivamente especulativo, não seja aceito pela Suprema Corte como causa de decidir”, afirmou o advogado de Padilha, Daniel Gerber.
 
Fonte: JL/OGlobo
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
24/04/19, 16:54 | CONFUSÃO - Governador do DF dá vexame supostamente bêbado e é advertido em voo da TAP
24/04/19, 16:50 | POLÍTICA - Moro cita ex-primeiro-ministro, que rebate: 'ativista político disfarçado de juiz'
24/04/19, 16:43 | POLÍTICA - Ex-presidente Lula será entrevistado por Florestan e Mônica Bergamo na sexta-feira
24/04/19, 16:15 | DENÚNCIA - Governo Bolsonaro oferece R$ 40 milhões a cada deputado para comprar voto na Reforma da Previdência
24/04/19, 15:23 | ACUSAÇÃO - "Virou uma instituição, um partido político", diz Gilmar Mendes sobre Lava Jato
24/04/19, 15:19 | CONTESTAÇÃO - Ministro do STF diz ter "dúvidas" sobre condenação do ex-presidente Lula
24/04/19, 15:15 | TRIBUTO - ISS para sociedades de advogados deve ser por valor fixo, decide STF
24/04/19, 15:06 | POLÊMICA - Eduardo Bolsonaro defende Carlos e dispara: "Função de vice não é dar opinião"
24/04/19, 14:06 | IBOPE/CNI - Aprovação do governo Bolsonaro cai para 35%, diz pesquisa
24/04/19, 11:02 | REFORMA - Novas mudanças cobradas pelo Centrão comprometem economia pretendida pelo governo na Previdência
24/04/19, 10:42 | ECONOMIA - Março registra queda no número de empregos, revela pesquisa
24/04/19, 10:30 | INVESTIGAÇÃO - Conselho Nacional do Ministério Público Federal abre processo contra Dellagnol
24/04/19, 10:28 | VIOLÊNCIA - Megaoperação nacional cumpre mandados contra suspeitos de crimes graves
24/04/19, 10:23 | POLÍTICA - 'Essa é uma vitória da Câmara', diz Maia sobre aprovação da reforma na CCJ
23/04/19, 20:42 | EVENTO - Gilmar Mendes: Eleições decididas pela polícia, MP ou juízes não é normal e precisa ser denunciada
23/04/19, 20:31 | POLÊMICA - Filho de Bolsonaro diz que 'jogo' do general Mourão está muito claro
23/04/19, 20:24 | POSIÇÃO - Para juristas, STJ perdeu chance histórica de fazer justiça no Caso Lula
23/04/19, 20:21 | CASO TRIPLEX - Lula desabafa: 'Ainda não tive direito a julgamento justo'
23/04/19, 20:11 | JULGAMENTO - STJ reduz pena de Lula: o que acontece agora com o ex-presidente?
23/04/19, 20:06 | JULGAMENTO - Defesa de Lula diz que vai recorrer para garantir absolvição
23/04/19, 20:01 | CASO TRIPLEX - STJ reduz pena de Lula de 12 para 8 anos na condenação por Sérgio Moro
23/04/19, 19:40 | ARTIGO - Lula – Erro jurídico anunciado
23/04/19, 16:42 | EDUCAÇÃO - MEC analisa programa de fomento ao ensino médio integral
23/04/19, 16:35 | DIREITOS HUMANOS - Plataforma para combater violência doméstica é lançada na Câmara
23/04/19, 16:20 | MOVIMENTO - STF é vítima de onda populista e autoritária, diz manifesto em defesa do tribunal apoiado por quase 500 juristas
23/04/19, 16:18 | SOLIDARIEDADE - Carpinteiro já fez e doou mais de 10 mil muletas em 48 anos: 'É do fundo do meu coração'
23/04/19, 15:49 | INTERNACIONAL - Número de mortes em atentados no Sri Lanka sobe para 310
23/04/19, 15:40 | SAÚDE - Novo Código de Ética Médica entra em vigor na próxima terça-feira
23/04/19, 15:26 | POLÍTICA - Witzel: Fórum de Governadores passa da fase de debates para ações
23/04/19, 12:09 | CONFUSÃO - Filho de Bolsonaro ataca vice-presidente por palestra nos EUA
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site