CBN - A rádio que toca notícia

REFORMA

Juiz: Enfraquecimento dos sindicatos retrai negociação coletiva

Para desembargador do TRT paulista, que lançará livro amanhã, mudanças na lei vieram apenas para retirar direitos

03/12/18, 13:27

N

egociação coletiva em tempos de crise (LTr) é o nome do livro que será lançado nesta terça-feira (4), às 19h, na na Escola Paulista de Direito (EPD), no bairro da Liberdade, região central de São Paulo. O autor, o desembargador Davi Furtado Meirelles, observa que a chamada "reforma" trabalhista não trouxe, pelo menos até agora, incentivo à negociação direta, o que era um dos principais argumentos de seus idealizadores.

Ele também considera que a tendência de criação de vagas não formais, como vem detectando o IBGE, em sua Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, deve prosseguir. O que cria emprego é o crescimento econômico, lembra o desembargador, que está no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2) desde 2007. "Com isso, podemos constatar que essa reforma veio apenas para retirar direitos conquistados com anos de luta. É precarizante", afirma. 

Ex-advogado trabalhista e assessor jurídico de entidades sindicais, 53 anos, Meirelles sempre trabalhou com o tema. "A  negociação coletiva é a essência do direito sindical", diz, acrescentando que esse processo segue restrito a categorias mais organizadas. "Precisamos fazer com que ela se efetive em outros campos."

Ele também vê uma tentativa, com a "reforma", de retirar a Justiça do Trabalho "do campo de proteção do trabalhador". E contesta críticas costumeiras sobre a atuação dos juízes. "O princípio protetivo existe no nosso ordenamento para tentar equilibrar as relações de trabalho, já que o trabalhador comparece nessa relação de forma inferiorizada perante o empregador. O arcabouço doutrinário e legislativo brasileiro assim nos ensinou."
 
As mudanças na legislação trabalhista foram feitas sob o argumento de que era preciso incentivar a negociação direta. Isso aconteceu?
 
No meu modo de ver, ainda não percebemos essa mudança. Os números também não indicam que as negociações aumentaram. Provavelmente porque, num novo cenário, há sempre mais cautela em se alterar o que vem sendo negociado há anos. Por outro lado, com o enfraquecimento financeiro dos sindicatos, as negociações coletivas também se retraem.
 
Os dados do IBGE mostram até agora crescimento apenas do emprego sem carteira ou autônomo. É uma tendência?
 
Me parece que isso não vai mudar. A reforma trabalhista em si não gera empregos formais. O que gera emprego é crescimento econômico. Com isso, podemos constatar que essa reforma veio apenas para retirar direitos conquistados com anos de luta. Ela é precarizante.
 
Como fica a situação dos sindicatos, chamados à negociação coletiva, mas enfraquecidos financeiramente?
 
Os sindicatos que têm uma organização maior, uma força representativa mais consistente, aqueles que são organizados a partir do local de trabalho, não dependem tanto de uma contribuição obrigatória, de natureza tributária. São mantidos com contribuições associativas e provenientes das negociações coletivas que promovem. Esses não sentirão muita diferença. Já os sindicatos que dependiam bastante do imposto sindical, a tendência é que se enfraqueçam, a menos que se unam, num sentido inverso à fragmentação que vinha acontecendo nos últimos anos.
 
Em relação à Justiça do Trabalho, qual seu papel nessa nova realidade?
 
A Justiça do Trabalho também foi atingida com a reforma trabalhista. Há uma clara tentativa de retirá-la do campo de proteção do trabalhador, que é a parte mais fraca da relação. As mudanças vieram para inibir novas reclamações trabalhistas e para impedir que a Justiça do Trabalho interprete os instrumentos normativos (acordos e convenções coletivas) de forma mais favorável ao trabalhador. Penso que os juízes estão reagindo a tudo isso, na medida em que várias dessas mudanças esbarram em princípios e direitos e constitucionais.
 
Como o sr. vê a crítica costumeira de que a Justiça é "protecionista"?
 
Quem pensa assim não conhece o sistema brasileiro. O princípio protetivo existe no nosso ordenamento para tentar equilibrar as relações de trabalho, já que o trabalhador comparece nessa relação de forma inferiorizada perante o empregador. Nós, juízes, somos preparados para garantir essa proteção. O arcabouço doutrinário e legislativo brasileiro assim nos ensinou. Isso jamais vai deixar de existir. Não é uma simples reforma trabalhista que vai nos impedir de continuar agindo como sempre fizemos.
 
Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
16/12/18, 19:22 | PRÊMIO - Bolsonaro vence na França prêmio 'Racista do Ano' e 'Misógino do Ano'
16/12/18, 19:14 | POLÍTICA - Roberto Requião prevê “curta duração” para o governo Bolsonaro
16/12/18, 19:11 | HOMENAGEM - Lula ganha Prêmio Chico Mendes e ressalta a luta em defesa da Amazônia
16/12/18, 17:00 | ESCÂNDALO SEXUAL - Médium João de Deus se entrega à polícia em Goiás após ser considerado foragido
16/12/18, 16:41 | ESCÂNDALO - Filhos de Bolsonaro homenagearam ex-assessor por 'brilhantismo'
16/12/18, 16:26 | SAÚDE - Tratamento brasileiro contra Aids se consolida como referência mundial
16/12/18, 16:19 | ESCÂNDALO - Oposição quer CPI sobre caso de ex-assessor de Flávio Bolsonaro
16/12/18, 15:35 | CONTAS PÚBLICAS - Um terço dos municípios deve fechar o ano com contas no vermelho
16/12/18, 15:29 | ENTREVISTA - Ministro Edson Fachin: 'STF é muito maior do que a Lava Jato'
16/12/18, 15:25 | ESCÂNDALO - Polícia Civil já fez buscas por João de Deus em mais de 30 endereços
16/12/18, 14:18 | RELATÓRIO - Omissão do Judiciário leva à morte uma em cada 10 vítimas de tortura
16/12/18, 14:14 | POLÍTICA - Bolsonaro verá realidade se impor a discurso em sua relação com o Congresso
16/12/18, 13:09 | ARTIGO - Direitos Humanos, Direito à Vida e Pena de Morte
16/12/18, 12:35 | SAÚDE - Ministério da Saúde faz alerta para vacinação em período de férias
16/12/18, 12:30 | MEIO AMBIENTE - COP24: países definem regras para implementar Acordo de Paris
16/12/18, 12:21 | POLÍTICA - Bolsonaro reúne-se, na 4ª feira, pela 1ª vez com seus 22 ministros
16/12/18, 12:18 | POLÊMICA - Eduardo Bolsonaro quer plebiscito sobre pena de morte
16/12/18, 12:10 | POLÊMICA - Bolsonaro diz que pena de morte não será debatida em seu governo
15/12/18, 21:47 | CELEBRIDADE - Maisa é a adolescente com mais seguidores no Instagram no mundo
15/12/18, 21:16 | CRIMES - Ministério Público afirma que João de Deus já é considerado foragido
15/12/18, 21:05 | ECONOMIA - Aeroportos da Infraero devem receber 5 milhões de pessoas até janeiro
15/12/18, 20:58 | PROGRAMAÇÃO - Museu do Amanhã festeja 3 anos e mais de 3 milhões de visitantes
15/12/18, 20:13 | ANÁLISE - Queiroz precisa reaparecer e indicar para quem repassou o R$ 1,2 milhão
15/12/18, 16:02 | CRIMES - João de Deus retirou R$ 35 milhões de contas bancárias após primeiras denúncias, dizem investigadores
15/12/18, 15:24 | HISTÓRIA - Falsos profetas: relembre líderes espirituais metidos em escândalos
15/12/18, 15:10 | NOVO ESCÂNDALO - Funcionários doavam salários inteiros para campanha de Jair Bolsonaro
15/12/18, 14:47 | CRIMES - Caso João de Deus pode ser maior escândalo sexual do país, diz promotor
15/12/18, 13:50 | ESCÂNDALO - Jornal alemão diz que sombra da corrupção ronda clã Bolsonaro
15/12/18, 13:31 | INVESTIGAÇÃO - Ex-chefe de gabinete doava mais que o salário aos filhos de Bolsonaro
15/12/18, 13:24 | ENTREVISTA - Moro diz que Lula 'fez coisas boas' e lamenta condenação
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site