CBN - A rádio que toca notícia

JUDICÁRIO

Ministros do STJ divergem sobre foro privilegiado após decisão do STF

A Corte Especial do STJ tem 200 processos de pessoas com foro

16/05/18, 21:36

A

Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) começou hoje (16) a analisar se restringe sua competência para julgar casos relativos a governadores, desembargadores e outras autoridades, conforme previsto na Constituição. A dicussão foi interrompida por um pedido de vista e deve ser retomada em junho.

Dois ministros, João Otávio de Noronha e Maria Thereza de Assis Moura, votaram que o STJ pode, por iniciativa própria, também adotar algum tipo de restrição ao foro privilegiado, assim como fez o Supremo Tribunal Federal (STF) no caso de deputados federais e senadores.

Eles divergiram do relator da questão de ordem na qual o assunto foi trazido a julgamento, o ministro Mauro Campbell, para quem somente o Supremo poderia decidir sobre o foro privilegiado no STJ, por se tratar de assunto presente na Constituição.

Campbell ressaltou que o próprio STF restringiu sua decisão somente a parlamentares, não expandindo a decisão a outras autoridades, sejam aquelas julgadas no Supremo ou em qualquer outro tribunal.“Interpretação por arrastamento, se for o caso, deve ser feita pelo próprio Supremo Tribunal Federal”, afirmou.

O ministro Noronha divergiu: “Não posso concordar com a assertiva de que esta corte não possa promover a interpretação da Constituição para determinar a sua competência”, disse. “Como Corte Superior temos que evidentemente interpretar a Constituição para definir nossa competência”, afirmou.

A ministra Maria Thereza de Assis Moura concordou com Noronha e defendeu que o Supremo "diz o que é competência originária dele”. Segundo ela, o STJ “não só pode como deve” definir os limites de sua própria competência em relação ao foro privilegiado.

Composta pelos 15 ministros mais antigos do STJ, a Corte Especial é o colegiado a quem cabe julgar ações penais contra pessoas com foro no tribunal superior, onde tramitam atualmente 200 processos do tipo, sendo 93 inquéritos e 72 ações penais.

O caso concreto que levou o tema a debate na Corte Especial diz respeito a um conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal denunciado por estelionato pelo Ministério Público Federal (MPF). O crime teria sido cometido quando ele era deputado distrital, cargo que não tem foro no STJ.

Apesar de não ter votado, o ministro Herman Benjamin, que também trouxe para julgamento uma questão de ordem sobre o assunto, indicou que deve acompanhar Noronha. “Tenho toda simpatia” pela restrição do foro, disse ele.

Pedido de vista

O julgamento foi interrompido por um pedido de vista do ministro Luis Felipe Salomão, que no último dia 7 enviou para a Justiça estadual um inquérito contra o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, tendo como base o novo entendimento do STF. Ele disse que diante do voto do ministro Campbell precisaria robustecer seus argumentos e trará seu voto já na próxima sessão, prevista para o dia 6 de junho.

Além dos governadores, a Constituição prevê que o STJ é o foro responsável por julgar “desembargadores dos Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal, os membros dos Tribunais de Contas dos Estados e do Distrito Federal, os dos Tribunais Regionais Federais, dos Tribunais Regionais Eleitorais e do Trabalho, os membros dos Conselhos ou Tribunais de Contas dos Municípios e os do Ministério Público da União que oficiem perante tribunais”.

Procuradoria-Geral da República

Em parecer enviado nesta quarta-feira ao STJ, o vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, defendeu que o julgamento do STF em nada alterou o foro de governadores e não se deve dar aplicação automática para outras autoridades aquilo que ao que se decidiu em relação aos parlamentares.

Para Maia, mesmo com a alteração relativa a deputados e senadores, “continua válida e inalterada a competência do Superior Tribunal de Justiça” para julgar governadores e outras autoridades previstas na Cosntituição, independentemente de quando ou em que contexto os crimes imputados tenham sido cometidos.

Fonte: JL/Agência Brasil
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
17/11/18, 15:07 | ACIDENTE - Submarino argentino desaparecido 'implodiu', diz chefe de base naval
17/11/18, 15:02 | SAÚDE PÚBLICA - Com saída de cubanos, cerca de 600 cidades podem ficar sem médico, diz entidade
17/11/18, 14:49 | CAMPANHA ELEITORAL - Iracema Portella, Maia Filho e Margarete Coelho foram os que mais receberam recursos de partido na eleição 2018
16/11/18, 21:58 | PROCESSO DISCIPLINAR - Deputados entram no CNJ contra ilegalidade da exoneração de Sérgio Moro
16/11/18, 21:27 | TEATRO - Espetáculo baseado em fatos reais revive crime da década de 40 em Belém
16/11/18, 21:24 | PRESTAÇÃO DE CONTAS - Bolsonaro culpa sistema do TSE por falhas na prestação de contas
16/11/18, 21:18 | POLÍTICA - Sérgio Moro vai integrar equipe de transição de Bolsonaro
16/11/18, 21:14 | MEIO AMBIENTE - Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida
16/11/18, 21:06 | DISNEY - Veja curiosidades do Mickey Mouse, que completa 90 anos no domingo
16/11/18, 21:02 | TRANSIÇÃO - General desiste de ministério e leva crise ao QG de Bolsonaro
16/11/18, 20:59 | JUSTIÇA FEDERAL - Vaga de Moro na Lava Jato pode ser disputada por 232 juízes
16/11/18, 20:51 | ESPORTE - Com gol de pênalti de Neymar, seleção derrota Uruguai
16/11/18, 15:23 | CORRUPÇÃO - Propinas para Aécio Neves eram carregadas em caixas de sabão em pó
16/11/18, 14:47 | POLÊMICA - Presidente do TRF-4 assina exoneração de Sérgio Moro
16/11/18, 13:36 | POLÍTICA - Prefeitas brasileiras sofrem preconceito e desigualdade de gênero
16/11/18, 13:23 | POLÍTICA - Ignorado na composição de ministérios de Bolsonaro, PSL fica dividido
16/11/18, 13:16 | INVESTIGAÇÃO - Corregedor Nacional quer ouvir Sergio Moro e juízes do TRF-4
16/11/18, 12:30 | SAÚDE - Mulheres em situação de violência poderão contar com tratamento odontológico em Teresina
16/11/18, 12:24 | EDUCAÇÃO - Teresina organiza rematrícula dos bolsistas do Bolshoi e lança edital para nova Mãe Social
16/11/18, 12:20 | EVENTO - Teresina participa de Semana da Resiliência Urbana em Barcelona e prepara plano municipal
16/11/18, 10:03 | TRANSIÇÃO - Diretores do BC colocam-se à disposição para permanecer nos cargos
16/11/18, 10:01 | ECONOMIA - Distrito Federal registra desigualdade maior que restante do país
16/11/18, 09:57 | PESQUISA - Periferia das cidades concentra 87% das bibliotecas comunitárias
16/11/18, 09:24 | PEDOFILIA - Inocentado, homem torturado na prisão processa Magno Malta
16/11/18, 09:19 | SAÚDE - Suspensão do Mais Médicos pode elevar morte precoce no Brasil
16/11/18, 09:16 | INTERNACIONAL - Incêndios na Califórnia deixam 66 mortos e 631 desaparecidos
16/11/18, 08:47 | JUDICIÁRIO - STJ autoriza acréscimo de 25% na aposentadoria do INSS de pessoas que precisam de cuidadores
15/11/18, 21:07 | INCÓGNITA - O não-político em Brasília: o que Moro no Ministério da Justiça significa para a Lava Jato
15/11/18, 20:58 | SAÚDE - Prefeitos alertam: saída de cubanos é “desastrosa” para municípios
15/11/18, 20:54 | IMPOSTO - Receita paga amanhã sexto lote da restituição do Imposto de Renda
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site