CBN - A rádio que toca notícia

ARTIGO

A incitação e a apologia ao crime na internet

É, portanto, a incitação e a apologia na internet afetando a paz social, que nada mais é do que um estado de harmonia e de tranquilidade, uma ausência de perturbação, que sem instigação implica em ausência de violência

14/05/18, 10:55

Por Nixonn Freitas Pinheiro, advogado (foto)

I

ncitação ao crime está previsto no art. 286, do Código Penal. E apologia ao crime ou criminoso, no art. 287, do mesmo diploma penal. O primeiro é estimular a prática de crime; o segundo, elogiar, enaltecer ou louvar fato criminoso ou seu autor. Previstos e definidos na legislação penal epigrafada no rol “dos crimes contra a paz pública”.

Importante destacar que em nenhum dos ilícitos se admite a forma culposa. Somente a dolosa. Isto é, que o autor da infração tenha a intenção livre e consciente para estimular a prática de crime; e que haja o elogio a fato criminoso ou a seu autor, respectivamente.

A diferença fundamental e pouco percebida por muitos que labutam no meio forense é que na incitação ainda não ocorreu o crime. O autor instiga para que ele ocorra. Na apologia, ao contrário, o crime já foi praticado, onde, em cada caso concreto, há a exaltação do fato criminoso ou do autor da infração.

Segundo a ONG SaferNet, que monitora e desenvolve ações para coibir problemas relacionados ao uso indevido da internet e das redes sociais, há um número crescente e alarmante de incitação e de apologia ao crime por internautas. Para o advogado criminalista e professor de Direito Penal na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Rafael Soares, “atitudes motivadas pelo desejo de vingança ou de fazer justiça com as próprias mãos têm raízes na descrença da população quanto aos mecanismos de controle de repressão penal por parte do Estado”.

A propósito, em 2016, pelo Facebook, publicou-se a imagem de um homem atirando na cabeça de outro e com a seguinte mensagem: “Quem faz tal coisa merece isso”. Sobre o fato, o juiz paulista Adriano Ponce assim se expressou: “Curtir postagens desse tipo, como fizeram algumas pessoas, pode ser perigoso. Afinal, teoricamente, quando você curte, ajuda a incentivar o que está escrito. Além disso, quem incita responde também pelo crime que incitou, caso venha a ser praticado”.

É, portanto, a incitação e a apologia na internet afetando a paz social, que nada mais é do que um estado de harmonia e de tranquilidade, uma ausência de perturbação, que sem instigação implica em ausência de violência. Portanto, quando se pratica na internet tais crimes, está-se incentivando e contribuindo para a disseminação da violência, para a intranquilidade social.

Na literatura jurídico-penal entende-se por paz pública como sendo um sentimento coletivo de segurança que a sociedade precisa e deve ter. Por isso mesmo é que o legislador penal brasileiro consagrou os respectivos institutos entre os crimes contra a paz pública, dado que a ninguém é permitido ultrajá-la.

Hoje, infelizmente, convivemos com o dilema de ter uma “paz pública ameaçada”. De um lado, a insegurança genérica reinante; de outro, uma coletividade restrita instigando e elogiando o crime e o criminoso. Um almejado estado de ordem, de harmonia e de segurança para uma saudável convivência humana deformando-se completamente no tecido social.

Incitação e apologia são, para as Ciências Penais, crimes de perigo. Na medida em que se entende que paz pública é um sentimento de tranquilidade que deve imperar na coletividade para uma normal vida social. Crimes que na sua descrição típica não exigem um dano concreto, mas um dano em potencial, que se consuma com uma situação de risco.

Na visão do jurista, professor e procurador do Ministério Público de Minas Gerais, Rogério Greco, são crimes que “não exigem a produção efetiva de dano, mas, sim, a prática de um comportamento típico que produza um perigo de lesão ao bem juridicamente protegido, vale dizer, uma probabilidade de dano. O perigo seria, assim, entendido como probabilidade de lesão a um bem jurídico-penal”. São, digo eu, crimes que criam uma sensação de instabilidade, de medo e de insegurança social.

Fonte: JL
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
17/11/18, 22:29 | BRASILEIRÃO - Corinthians vence Vasco e dá passo importante contra o Z-4
17/11/18, 22:25 | ECONOMIA - Pagamento da segunda parcela do 13º pelo INSS começa no dia 26
17/11/18, 22:02 | IMBRÓGLIO - Justiça proíbe TV Globo de divulgar conteúdo de inquérito de Marielle
17/11/18, 17:58 | SAÚDE - SBU quer incluir times de futebol na prevenção ao câncer de próstata
17/11/18, 17:54 | INTERNACIONAL - Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
17/11/18, 17:49 | POLÊMICA - DPU ajuíza ação para manter atendimento regular do Mais Médicos
17/11/18, 15:07 | ACIDENTE - Submarino argentino desaparecido 'implodiu', diz chefe de base naval
17/11/18, 15:02 | SAÚDE PÚBLICA - Com saída de cubanos, cerca de 600 cidades podem ficar sem médico, diz entidade
17/11/18, 14:49 | CAMPANHA ELEITORAL - Iracema Portella, Maia Filho e Margarete Coelho foram os que mais receberam recursos de partido na eleição 2018
16/11/18, 21:58 | PROCESSO DISCIPLINAR - Deputados entram no CNJ contra ilegalidade da exoneração de Sérgio Moro
16/11/18, 21:27 | TEATRO - Espetáculo baseado em fatos reais revive crime da década de 40 em Belém
16/11/18, 21:24 | PRESTAÇÃO DE CONTAS - Bolsonaro culpa sistema do TSE por falhas na prestação de contas
16/11/18, 21:18 | POLÍTICA - Sérgio Moro vai integrar equipe de transição de Bolsonaro
16/11/18, 21:14 | MEIO AMBIENTE - Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida
16/11/18, 21:06 | DISNEY - Veja curiosidades do Mickey Mouse, que completa 90 anos no domingo
16/11/18, 21:02 | TRANSIÇÃO - General desiste de ministério e leva crise ao QG de Bolsonaro
16/11/18, 20:59 | JUSTIÇA FEDERAL - Vaga de Moro na Lava Jato pode ser disputada por 232 juízes
16/11/18, 20:51 | ESPORTE - Com gol de pênalti de Neymar, seleção derrota Uruguai
16/11/18, 15:23 | CORRUPÇÃO - Propinas para Aécio Neves eram carregadas em caixas de sabão em pó
16/11/18, 14:47 | POLÊMICA - Presidente do TRF-4 assina exoneração de Sérgio Moro
16/11/18, 13:36 | POLÍTICA - Prefeitas brasileiras sofrem preconceito e desigualdade de gênero
16/11/18, 13:23 | POLÍTICA - Ignorado na composição de ministérios de Bolsonaro, PSL fica dividido
16/11/18, 13:16 | INVESTIGAÇÃO - Corregedor Nacional quer ouvir Sergio Moro e juízes do TRF-4
16/11/18, 12:30 | SAÚDE - Mulheres em situação de violência poderão contar com tratamento odontológico em Teresina
16/11/18, 12:24 | EDUCAÇÃO - Teresina organiza rematrícula dos bolsistas do Bolshoi e lança edital para nova Mãe Social
16/11/18, 12:20 | EVENTO - Teresina participa de Semana da Resiliência Urbana em Barcelona e prepara plano municipal
16/11/18, 10:03 | TRANSIÇÃO - Diretores do BC colocam-se à disposição para permanecer nos cargos
16/11/18, 10:01 | ECONOMIA - Distrito Federal registra desigualdade maior que restante do país
16/11/18, 09:57 | PESQUISA - Periferia das cidades concentra 87% das bibliotecas comunitárias
16/11/18, 09:24 | PEDOFILIA - Inocentado, homem torturado na prisão processa Magno Malta
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site