CBN - A rádio que toca notícia

ENSINO

Educação Moral e Cívica pode voltar às salas de aula

Expectativa é que escolas do Distrito Federal comecem a incluir o conteúdo já no ano letivo de 2019; especialistas criticam nova lei

13/05/18, 16:11

U

ma nova lei aprovada no Distrito Federal incluirá a “Educação Moral e Cívica” no currículo das escolas a partir do ano letivo de 2019. 

Especialistas ouvidos pela reportagem, no entanto, afirmam que a medida indica um retorno à educação brasileira do regime militar e não oferece benefícios concretos para os estudantes. 

Histórico

A “Educação Moral e Cívica” foi parte do currículo obrigatório das escolas brasileiras durante o regime militar, com o decreto-lei número 869, de 1969, durante o governo do general Costa e Silva. O período é considerado um dos mais rígidos do regime, principalmente pela criação do AI-5, o Ato Institucional que garantia poder de exceção aos governantes. 

Na sua configuração original, o ensino de moral e cívica ocorria em duas etapas. A primeira, no ensino primário, ensinava a ética cristã e os valores tradicionais da família brasileira. A segunda etapa, já no ensino secundário, trabalhava conceitos históricos, geográficos, políticos e jurídicos. 

A disciplina se tornou optativa em 1992, sete anos após o fim do regime militar. Em 1993, o presidente Itamar Franco revogou o decreto-lei.

Presente

No Distrito Federal, a Câmara Legislativa aprovou uma nova lei que inclui a “Educação Moral e Cívica” como conteúdo obrigatório nas escolas públicas e privadas da capital federal. O objetivo é incluir como conteúdo transversal nas disciplinas já existentes ou em novas disciplinas incluídas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). 

O deputado Raimundo Ribeiro, relator do projeto, defende a disciplina como uma forma de ensinar valores morais e éticos e suplementar a educação feita pela família. 

“Hoje ninguém sabe o valor de um símbolo como o Hino Nacional Brasileiro. Noções básicas de direitos que devem ser transmitidas para todas as pessoas também não são repassadas. Tudo isso deveria compor uma gama de conteúdos que precisam ser transmitidos, para formar uma sociedade que adote como principio maior o da solidariedade”, afirma. 

A retomada do conteúdo, segundo o deputado, não é um retorno à educação brasileira da ditadura militar: para ele, que viveu o regime, trata-se de valorizar o amor à pátria – e isso inclui o patriotismo dos militares: 

Em momento algum, o que presidiu a minha ação tem relação com a questão militar. Agora, não posso deixar de elogiar os militares – e não me refiro à época do regime militar, mas sim a todos os momentos da história brasileira: eles remetem ao patriotismo, sentimento de pertencimento e entrega à pátria. 

Controvérsia 

Para o professor Célio da Cunha, docente na UnB e doutor em educação pela Unicamp, o retorno da disciplina pode reviver memórias do regime militar que ainda marcam a sociedade brasileira. 

“É um retrocesso. O Brasil já tem uma experiência de triste memória dos anos do regime militar. O retorno da educação moral e cívica não acrescenta nada ao sistema educacional. Pode até suscitar polêmicas que esperávamos que já estivessem superadas”, diz. 

Especialistas também consideram a proposta um retrocesso pedagógico; de acordo com Erasto Fortes, doutor em Educação pela Unicamp e professor aposentado da Universidade de Brasília (UnB), a experiência do Brasil com a “Educação Moral e Cívica” foi “terrível”. 

Existem inúmeros estudos e pesquisas mostrando que era um processo de adestramento da juventude para a doutrina de segurança nacional, de interesse do estado ditador. É um retrocesso. 

Consequências 

Entre os objetivos da disciplina estão promover a formação básica e levar aos alunos uma educação permeada por cidadania, patriotismo e bons costumes. Mas eles podem estar além do que a escola é capaz de oferecer hoje, de acordo com Verônica Branco, professora de Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR). 

“Se não conseguimos fazer as crianças aprenderem matemática e português, haja vista as avaliações que participamos em larga escala, não resolverá nossos problemas colocar uma disciplina de comportamento”, diz. 

“É uma medida muito simplória que parte de um político que acredita que saturar o currículo da escola resolverá o problema da educação brasileira”, completa.

Para Erasto Fortes, os objetivos da proposta do deputado Ribeiro – aumentar o patriotismo e incumbir valores morais nos estudantes – são válidos, mas redundantes, pois a escola já desempenha esse papel com o currículo atual. 

“Não há sentido que se crie outra disciplina ou um tema transversal para algo que já é feito na escola”, diz. 

Para Célio da Cunha, o ensino de valores morais positivos, defendido pelo deputado Ribeiro, não precisaria estar atrelado à educação moral cívica: esses assuntos já estão devidamente contemplados nas diretrizes curriculares do país e na grade comum curricular nacional. 

“O objetivo do deputado é válido: educação com valores humanos, educação cidadã, reconhecimento da diversidade. Mas esses assuntos já estão devidamente contemplados nas diretrizes curriculares do país e na grade comum curricular nacional”, diz Célio. 

“Fazer a criança cantar hino nacional e hastear a bandeira é algo que já existe nas escolas e nem por isso temos um maior patriotismo por parte dos alunos”, conclui Verônica Branco".

Fonte: JL/Gazeta do Povo
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
23/04/19, 15:40 | SAÚDE - Novo Código de Ética Médica entra em vigor na próxima terça-feira
23/04/19, 15:26 | POLÍTICA - Witzel: Fórum de Governadores passa da fase de debates para ações
23/04/19, 12:09 | CONFUSÃO - Filho de Bolsonaro ataca vice-presidente por palestra nos EUA
23/04/19, 12:05 | TOMA LÁ DÁ CÁ - Governo Bolsonaro promete ‘verba extra’ para deputado que aprovar Reforma da Previdência
23/04/19, 11:53 | DISCURSO - Se me dessem a mão, chamaria a polícia’, diz Kajuru sobre 4 ministros do STF
23/04/19, 11:50 | SENTENÇA - Coronéis e capitães do Exército são condenados por desvio de R$ 11 milhões
23/04/19, 11:29 | ARTIGO - Governo em autocombustão
23/04/19, 11:25 | ARTIGO - Lula não vai ser solto, porque a Justiça está presa
23/04/19, 10:54 | INTERNACIONAL - Sobe para 11 número de mortos após terromoto nas Filipinas
23/04/19, 10:51 | MOVIMENTO - Após reunião com governo, caminhoneiros descartam grave
23/04/19, 10:39 | MUDANÇAS - CCJ da Câmara deve votar hoje relatório da Reforma da Preidência
22/04/19, 21:23 | JULGAMENTO - Liberdade, prisão domiciliar ou continuar na cadeia: os possíveis desfechos do novo julgamento do ex-presidente Lula
22/04/19, 20:15 | EVENTO - Gilmar Mendes: Lula não deveria ter sido preso após condenação em 2ª instância
22/04/19, 20:07 | POLÊMICA - Verdadeiro dono do sítio de Atibaia pede autorização para vender a propriedade
22/04/19, 20:00 | POLÍTICA - Fernando Henrique Cardoso diz que Bolsonaro tem ideias 'muito atrasadas'
22/04/19, 16:09 | REFORMAS - Governo concorda em retirar pontos da Previdência para fazê-la passar na CCJ
22/04/19, 15:10 | REFORMA - Rodrigo Maia: Comissão só será instalada após fim da censura a dados da reforma da Previdência
22/04/19, 15:01 | REAÇÃO - Funcionalismo público articula para retirar trechos do projeto da Previdência
22/04/19, 14:55 | EDUCAÇÃO - Alunos que tiveram a isenção no Enem negada podem entrar com recurso
22/04/19, 14:45 | POLÍTICIA - É escandaloso como as instituições foram usadas no golpe contra Lula e Dilma, diz Ferrajoli
22/04/19, 14:36 | POLÊMICA - Teixeira critica sigilo sobre a Previdência: falta honestidade em Bolsonaro
22/04/19, 14:28 | REPERCUSSÃO - 'Impressão é que o Brasil é dirigido por um maníaco', diz jornal inglês
22/04/19, 14:02 | PREVIDÊNCIA - Previdência: compare como é a aposentadoria hoje e o que o governo propõe
22/04/19, 13:39 | MEDIDA - Bolsonaro reitera corte em patrocínios culturais da Petrobras
22/04/19, 13:32 | CONFUSÃO - Canal de Bolsonaro remove vídeo em que Olvao critica militares
22/04/19, 13:28 | ESTATÍSTICA - PRF registra queda de 50% no número de mortes durante feriado
22/04/19, 12:30 | ECONOMIA - Projeção de expansão da economia cai pela oitava vez e vai para 1,71%
22/04/19, 12:24 | POLÊMICA - Acordo para votar Previdência na CCJ não terá impacto fiscal
22/04/19, 12:15 | ECONOMIA - Prévia da confiança da indústria sinaliza aumento de 0,4 ponto
22/04/19, 07:54 | TRAGÉDIA - Prefeitura do Rio elabora cronograma para demolições de prédios
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site