CBN - A rádio que toca notícia

VIOLÊNCIA

Senado avança para votar lei que pode liberar policiais para o 'matar' pessoas

Projeto de lei de José Medeiros (Podemos-MT) estabelece que soldados possam atirar em pessoas que estiverem segurando uma arma de uso restrito, mesmo sem que haja confronto

13/03/18, 16:01

"M

atança de animais para consumo" uma das definições nos dicionários, é, possivelmente, a primeira coisa que vem à cabeça quando ouvimos a palavra "abate". Mas um projeto de lei que tramita no Senado estabelece que policiais possam atirar em pessoas que estiverem segurando uma arma de uso restrito, mesmo que não haja confronto. A proposta foi apelidada pelo próprio autor, José Medeiros, do Podemos-MT, de "Lei do abate".

"O policial tem medo do enfrentamento porque não possui o equipamento ideal. Quando possui, não recebeu o treinamento adequado. E o que é pior: ele tem medo dessa política esquerdista instalada de vitimização do bandido, que protege criminosos e açoita policiais. Aquela velha máxima do Exército Brasileiro, de 'atirar primeiro, perguntar depois', foi trocada por 'fique parado', enquanto se gasta munição, atirando no chão. Isso porque, se ele mata um meliante, sofrerá sérias consequências administrativas e judiciais. Do contrário, se um policial morre, nada acontece. Simples assim!", afirma o senador, que trabalhou por cerca de 20 anos na Polícia Rodoviária Federal.

Atualmente, o Código Penal livra quem provar que agiu em legítima defesa. Ainda assim, o agente poderá responder na Justiça caso sejam constatados indícios de excesso. O projeto de Medeiros cria uma espécie de "legítima defesa da sociedade" e transforma o ato de portar uma arma de uso restrito (ainda que ela não esteja em uso) em motivo suficiente para que a pessoa seja "abatida".

Aos que pensam que essa é só mais uma iniciativa folclórica dos políticos que habitam Brasília, fica o alerta: a proposta de alteração no Código Penal foi apresentada em setembro do ano passado e, se aprovada pela CCJ, será enviada à Câmara dos Deputados. Segundo o autor, a votação na comissão deve acontecer ainda esta semana.

O relator do projeto na CCJ, senador Wilder Morais (PP-GO), aprovou com louvor a ideia, tecendo rasgados elogios em sua análise: "Frise-se de antemão, este projeto atende a uma necessidade urgente dos corajosos homens e mulheres policiais em todo o país, que estão amarrados pela burocracia na guerra ao tráfico de drogas".

Numa enquete feita no site do Senado, a proposta tem ampla maioria favorável entre os participantes. Até o início da tarde desta segunda-feira, havia pouco mais de 30 mil pessoas apoiando o projeto e apenas 696 contra.

A aparente empolgação com a ideia de um salvo-conduto para matar quem está com uma arma ilegal pode ser explicada pelos números da violência no país: em 2016, foram registradas no país 61.619 mortes intencionais – homicídios, latrocínios etc –, um recorde, de acordo com dados do Fórum de Segurança Pública.

Um ponto adicional, porém, é que 2016 também foi o ano em  policiais mais mataram na história: 4.224 vezes, um aumento de 25,8% em relação a 2015. Houve ainda 437 mortes de policiais no mesmo ano, um aumento de 17,5% em relação a 2015.

"Aberração"

Conselheiro do Fórum de Segurança Pública, economista e pesquisador do Ipea, Daniel Cerqueira considera o projeto uma "verdadeira aberração em um estado democrático de direito":

"Existem princípios universais consagrados, objetos de duas resoluções da ONU, de 1979 e de 1990, que vão completamente contra ao que diz esse projeto. Há que se seguir preceitos básicos de legalidade, legitimidade, de uso da força necessária e proporcional. A regra é só atirar e matar quando há situação iminente de risco de vida".

Para Cerqueira, um projeto como esse vai estimular os excessos e ainda tende a colaborar com o aumento da corrupção policial:

"Como vai estar legitimado a matar, a cometer uma ação extrema, o policial pode usar deste poder para se fortalecer no mercado de corrupção. Além disso, certamente será um estímulo a mais equívocos. Quem não lembra do caso no Rio de Janeiro em que uma pessoa foi morta porque segurava uma furadeira? Isso pode se tornar ainda mais comum se o policial tiver esse aval prévio para atirar".

Questionado se a aprovação do projeto também não estimularia policiais a "plantarem" armas para justificar homicídios – denúncias do tipo não são raras em operações da PM –, o senador José Medeiros diz que o inquérito policial e o Ministério Público continuariam seguindo normalmente seu trabalho de investigação para verificar se houve o uso de arma restrita. Ele ainda aposta na filmagem das mortes pelos próprios policiais, com câmeras acopladas à roupa ou aos capacetes:

"Não creio que essa guerra se torne mais sangrenta. É preciso que a sociedade, através dos agentes públicos, retome, a curto prazo, a área de segurança pública. Mas, para isso, nesse primeiro momento, o combate terá de acontecer de forma igual. Eles conseguem armamentos que a polícia não possui. Portanto, quem tem tornado a guerra sangrenta têm sido os traficantes e suas milícias, e não o policial".

Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
18/01/19, 17:19 | ESCÂNDALO - As principais contradições da família Bolsonaro no caso Queiroz
18/01/19, 17:09 | SUPREMO - ‘Foro só vale no cargo’, diz Marco Aurélio sobre pedido de Flávio
18/01/19, 17:05 | ESCÂNDALO - Heleno diz que Bolsonaro vê caso Queiroz como ‘assunto do Flávio’
18/01/19, 16:50 | POLÍTICA - Bolsonaro nomeia secretária acusada de improbidade e danos ao erário
18/01/19, 16:16 | INVESTIGAÇÃO CRIMINAL - Caso Fabrício Queiroz: origens, cronologia dos fatos e personagens
18/01/19, 15:08 | PRÊMIO - Unesco anuncia Rio como primeira Capital Mundial da Arquitetura
18/01/19, 15:05 | EDUCAÇÃO - Aumenta pela primeira vez desde 2011 nota máxima na redação do Enem
18/01/19, 15:02 | DECISÃO - Governo prorroga por um ano Operação Acolhida a venezuelanos
18/01/19, 14:35 | INTERNACIONAL - Apoio de Bolsonaro à oposição venezuelana coloca Brasil em risco de guerra
18/01/19, 14:32 | INVESTIGAÇÃO CRIMINAL - Para jurista, Bolsonaro ‘passou recibo’ sobre sua relação com caso Queiroz
18/01/19, 14:30 | PRESTAÇÃO DE CONTAS - Em duas campanhas, Onyx recebeu R$ 200 mil de fabricante de armas
18/01/19, 13:35 | PARLAMENTO - Senadores gastaram R$ 21 milhões da Cota Parlamentar em 2018
18/01/19, 13:16 | REPERCUSSÃO - Mourão sobre pedido de Flávio Bolsonaro: 'Vou aguardar esclarecer'
18/01/19, 13:14 | REPERCUSSÃO - Ministro diz que pedidos como o de Flávio Bolsonaro vão para o 'lixo'
17/01/19, 22:02 | INVESTIGAÇÃO CRIMINAL - Fux diz que “protege” processo ao suspender o caso Queiroz
17/01/19, 21:59 | REPERCUSSÃO - Líderes do MBL criticam Flávio Bolsonaro por caso Queiroz
17/01/19, 21:54 | INTERNACIONAL - Atentado com carro-bomba mata ao menos dez em Bogotá
17/01/19, 21:41 | POLÍTICA - Área militar do governo mostra desconforto com suspensão da investigação do caso Queiroz
17/01/19, 21:21 | POLÊMICA - Ministros do STF ficaram surpresos com pedido de Flávio Bolsonaro
17/01/19, 17:59 | CRIME - Bernardo Mello Franco: Flávio Bolsonaro diz que não é, mas age como investigado
17/01/19, 17:48 | CASO QUEIROZ - 'Eu não quero foro privilegiado', disse Jair Bolsonaro ao lado de Flávio em 2017
17/01/19, 17:40 | POLÊMICA - Desembargadora que atacou Marielle diz que Boulos vai ser 'recebido a bala'
17/01/19, 16:41 | ARTIGO JURÍDICO - Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica
17/01/19, 16:22 | POLÊMICA - Liberação da posse de armas é 'projeto de morte mal-intencionado'
17/01/19, 16:17 | POLÊMICA - Ativistas temem explosão da violência no campo com flexibilização da posse de armas
17/01/19, 16:12 | REPERCUSSÃO - Decreto sobre armas pode elevar feminicídios e suicídios, aponta Sou da Paz
17/01/19, 14:35 | DESCASO - Prefeito de Luzilândia comete crime de improbidade e Receita bloqueia recursos
17/01/19, 13:54 | DESCASO - Deputado defensor da liberação da caça de animais vai comandar órgão de proteção florestal
17/01/19, 13:46 | CRIME - Policiais prendem suspeito de ter participado de ataque a Martha Rocha
17/01/19, 13:41 | INVESTIGAÇÃO - BOMBA: Investigado preso por assassinato de Marielle incrimina vereador aliado de Bolsonaro
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site