CBN - A rádio que toca notícia

POLÊMICA

'Se burlarem direitos sociais, vamos agir', diz procurador-geral

"Aprovada a reforma, nosso papel constitucional é defender os direitos sociais", afirma Ronaldo Fleury

11/11/17, 13:19
 
C
om a entrada em vigor da nova lei trabalhista, o MPT (Ministério Público do Trabalho) vai monitorar a legislação que pode ser utilizada para prejudicar trabalhadores, segundo o procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury.

"Se a lei estiver sendo usada como forma de burlar os direitos sociais, vamos aplicar os direitos sociais, que estão previstos na Constituição e nas normas internacionais."

Fleury disse que vale a pena para as empresas descumprir a legislação trabalhista no Brasil e, por isso, argumenta que a reforma não reduzirá a quantidade de processos.

Crítico ferrenho da reforma, disse ter certeza de que a nova lei terá como efeito uma grande demissão e "formas alternativas", de trabalho, como o contrato intermitente.

Como o MPT, que se posicionou contra a reforma, pretende agir após a nova lei entrar em vigor?

Ronaldo Fleury - No processo legislativo, fornecemos elementos técnicos para o Congresso, mostrando inconstitucionalidades, violações a normas internacionais, e não fomos considerados. Aprovada a reforma, nosso papel constitucional é defender os direitos sociais. Não se trata de combater a reforma ou de não aplicá-la. É uma lei: óbvio que tem que ser aplicada, só que, como qualquer lei nova, tem que ser interpretada.

Como isso será feito?

Fleury - Nosso trabalho será justamente buscar, em cada caso, onde a legislação está sendo utilizada para prejudicar os trabalhadores, para precarizar, para levar a indignidade ao trabalho e atuar nesses casos. Se a lei estiver sendo usada como forma de burlar os direitos sociais, vamos aplicar os direitos sociais, que estão previstos na Constituição e nas normas internacionais.

Quais pontos da nova lei precisam ser interpretados?

Fleury - Vários. Por exemplo, reforma acaba com a Justiça gratuita. A inconstitucionalidade nessa parte é tão flagrante que procuramos o procurador-geral da República da época, Rodrigo Janot, e ele ajuizou ação direta de inconstitucionalidade. Está lá no Supremo.Outra coisa: pelo texto, posso contratar minha empregada doméstica como microempresária. A hora em que eu fizer isso, ela perde 100% dos direitos trabalhistas. Aí vem a pergunta: no caso do empregado doméstico, que tem uma legislação específica, é aplicável a reforma? Está aí um exemplo clássico em que quem vai dizer é o Judiciário.

Quais serão os efeitos imediatos da nova lei?

Fleury - Haverá uma demanda muito grande para contratação por jornada intermitente. Não tenho dúvida de que haverá demissão grande de trabalhadores e a contratação por formas alternativas –microempresa, contrato intermitente.Defensores da reforma argumentam que Justiça do Trabalho tem muita demanda.

Qual será o efeito da nova lei?

Fleury - Disseram que a reforma diminuiria o número de ações e criaria segurança jurídica. O fato de estarmos discutindo praticamente há um ano posições tão díspares mostra que não há. Ao contrário. Medidas muito graves foram adotadas e precisarão de muito tempo para maturar a interpretação.

Com relação ao número de processos muito grande, não vai diminuir nada. O número de ações trabalhistas no Brasil só existe porque vale a pena, para as empresas, descumprir a legislação trabalhista aqui. É uma coisa meio grave de falar, né? Vale.

A reforma não muda isso?

Fleury - Quem tem a intenção de não cumprir a legislação continuará tendo. O Brasil tem hoje um terço das vagas que deveria ter de auditores fiscais do trabalho. Qual é a chance de eu ou você abrirmos uma empresa e sermos fiscalizados? Quase zero. Não há efetivo para isso.

O que precisa ser feito, então?

Fleury - O governo tem que fiscalizar e punir com rigor. Na França, se a fiscalização chegar a uma empresa e ela não tiver pagando salário dos trabalhadores, vai fechá-la. Em outros países, o empregador é preso. No Brasil, o que acontece na remota hipótese de a fiscalização chegar? Ele vai tomar uma multa muito baixa e terá um prazo para pagar.

O argumento é que ficou mais fácil contratar e demitir.

Fleury - A empresa terá, de qualquer jeito, obrigações. Quem hoje não contrata e admite trabalhar numa ilegalidade está predisposto a ficar na ilegalidade. O contador vai dizer: contrate para não ter problema. Esse empresário prefere atuar na ilegalidade. Ele sabe que o risco é baixo. O que a reforma vai fazer é criar uma massa salarial baixíssima.

Os defensores dizem que será mais gente com emprego.

Fleury - Serão salários muitos baixos e, com isso, você acaba com o consumo interno. As empresas, por exemplo, de eletrodomésticos, carros"¦ Como os trabalhadores podem fazer um empréstimo de 12 ou 24 parcelas se não sabem se estarão empregados e, caso estejam, quanto eles vão ganhar no fim do mês? É um ciclo vicioso em que a Espanha entrou, o México entrou e nós vamos entrar também.

O argumento é o de que o trabalho intermitente já existe na prática, mas não tinha lei.

Fleury - O trabalho intermitente era proibido e hoje é permitido, então foi institucionalizada uma fraude. Não houve proteção de trabalhadores. Isso não proteger ninguém, a não ser o mau empregador, que já estava fraudando. Com relação ao terceirizado, foi quem tomou o maior tombo na reforma. Antes, ele tinha um pouco de garantia. Agora, fala que pode haver negociação coletiva garantindo os mesmo direitos. Sabe quando vai haver negociação coletiva? Nunca.

Qual é a influência do contexto de crise econômica?

Fleury - A Constituição já permite negociação coletiva para diminuir direitos. Crise econômica se resolve com medidas pontuais, não com medidas permanentes. A Constituição já permite que até o salário seja diminuído por negociação coletiva.

Fonte: JL/Folha
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
17/11/17, 20:29 | CORRUPÇÃO - Lava Jato no Rio já denunciou 134 pessoas e pediu devolução de R$ 2,3 bilhões
17/11/17, 20:18 | PESQUISA - Só 7,4% dizem que apoio de FHC aumentaria a chance de voto
17/11/17, 19:56 | REAÇÃO - ‘Zombaria’, diz Renan Calheiros sobre propaganda da reforma da Previdência
17/11/17, 19:51 | PROPINA - Por 39 votos a 19, Alerj anula prisão de Picciani e dois deputados
17/11/17, 19:46 | PROTESTO - Manifestante tenta invadir Palácio do Planalto atirando tomates
17/11/17, 19:34 | EVENTO - Em entrevista, FHC diz ter medo da direita e de Bolsonaro: 'Matando 30 mil, e começando por FHC'
17/11/17, 19:12 | ARTIGO - Prisões processuais e prisão por condenação criminal
17/11/17, 14:53 | OPINIÃO PÚBLICA - Em nova pesquisa Vox Populi, Lula segue líder da corrida presidencial
17/11/17, 13:44 | PEDIDO - TSE pede que governo mude início do horário de verão de 2018 devido às eleições
17/11/17, 13:34 | INVESTIGAÇÃO - Procuradoria quer que Fachin assuma investigação contra Maia
17/11/17, 13:08 | CORRUPÇÃO - Condenado a 72 anos de cadeia, Cabral completa 365 dias preso no Rio
17/11/17, 12:59 | INVESTIGAÇÃO - Juiz manda Cunha de volta para a prisão de Curitiba
17/11/17, 09:54 | CORRUPÇÃO - Fachin vai levar ao plenário do STF recursos do ‘quadrilhão do PMDB da Câmara’
16/11/17, 19:40 | POLÊMICA - Em parecer ao STF, Raquel Dodge defende prisão após condenação em 2ª instância
16/11/17, 19:35 | FUTEBOL - Messi recebeu dinheiro para jogar amistoso pela Argentina, diz delator
16/11/17, 19:31 | PROPINA - Desembargadores votam pela prisão de Picciani, Albertassi e Melo
16/11/17, 19:26 | PROPAGANDA - Temer lança campanha de R$ 20 mi para defender reforma da Previdência
16/11/17, 19:17 | POLÍTICA - Eleição antecipada na Câmara de Teresina gera disputa entre partidos
16/11/17, 18:59 | CRIME - Jovem é espancado e agressores tentam queimá-lo vivo no interior do Piauí
16/11/17, 13:10 | CRIME - Brasileira é morta por engano pela polícia em Lisboa
16/11/17, 13:02 | POLÊMICA - 'Há elementos para cassar concessão da Globo', diz deputado federal
16/11/17, 12:52 | ECONOMIA - PIB caiu em todos os Estados em 2015, revela IBGE
16/11/17, 12:48 | POLÍTICA - Ex-assessor de Cunha e Geddel é cotado para Secretaria do Governo
16/11/17, 12:43 | DEFESA - Política antidrogas no Brasil apenas destrói vidas, diz ministro do STF
16/11/17, 12:08 | ARTIGO - JVC e os suspicácias geradores de repugnância
16/11/17, 08:18 | CRIME - Atirador dos EUA matou esposa horas antes de tiroteio perto de colégio
16/11/17, 08:13 | FUTEBOL - Peru vence Nova Zelândia e volta à Copa após 36 anos
16/11/17, 08:03 | ESTUDO - Gêmeos de Cocal dos Alves recebem prêmios da Olimpíada de Matemática 2016
16/11/17, 07:55 | MEIO AMBIENTE - Brasil se oferece para sediar a Conferência do Clima em 2019
16/11/17, 07:50 | CONTRIBUINTE - Receita paga hoje o sexto lote de restituição do Imposto de Renda 2017
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site