CBN - A rádio que toca notícia

POLÊMICA

'Se burlarem direitos sociais, vamos agir', diz procurador-geral

"Aprovada a reforma, nosso papel constitucional é defender os direitos sociais", afirma Ronaldo Fleury

11/11/17, 13:19
 
C
om a entrada em vigor da nova lei trabalhista, o MPT (Ministério Público do Trabalho) vai monitorar a legislação que pode ser utilizada para prejudicar trabalhadores, segundo o procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury.

"Se a lei estiver sendo usada como forma de burlar os direitos sociais, vamos aplicar os direitos sociais, que estão previstos na Constituição e nas normas internacionais."

Fleury disse que vale a pena para as empresas descumprir a legislação trabalhista no Brasil e, por isso, argumenta que a reforma não reduzirá a quantidade de processos.

Crítico ferrenho da reforma, disse ter certeza de que a nova lei terá como efeito uma grande demissão e "formas alternativas", de trabalho, como o contrato intermitente.

Como o MPT, que se posicionou contra a reforma, pretende agir após a nova lei entrar em vigor?

Ronaldo Fleury - No processo legislativo, fornecemos elementos técnicos para o Congresso, mostrando inconstitucionalidades, violações a normas internacionais, e não fomos considerados. Aprovada a reforma, nosso papel constitucional é defender os direitos sociais. Não se trata de combater a reforma ou de não aplicá-la. É uma lei: óbvio que tem que ser aplicada, só que, como qualquer lei nova, tem que ser interpretada.

Como isso será feito?

Fleury - Nosso trabalho será justamente buscar, em cada caso, onde a legislação está sendo utilizada para prejudicar os trabalhadores, para precarizar, para levar a indignidade ao trabalho e atuar nesses casos. Se a lei estiver sendo usada como forma de burlar os direitos sociais, vamos aplicar os direitos sociais, que estão previstos na Constituição e nas normas internacionais.

Quais pontos da nova lei precisam ser interpretados?

Fleury - Vários. Por exemplo, reforma acaba com a Justiça gratuita. A inconstitucionalidade nessa parte é tão flagrante que procuramos o procurador-geral da República da época, Rodrigo Janot, e ele ajuizou ação direta de inconstitucionalidade. Está lá no Supremo.Outra coisa: pelo texto, posso contratar minha empregada doméstica como microempresária. A hora em que eu fizer isso, ela perde 100% dos direitos trabalhistas. Aí vem a pergunta: no caso do empregado doméstico, que tem uma legislação específica, é aplicável a reforma? Está aí um exemplo clássico em que quem vai dizer é o Judiciário.

Quais serão os efeitos imediatos da nova lei?

Fleury - Haverá uma demanda muito grande para contratação por jornada intermitente. Não tenho dúvida de que haverá demissão grande de trabalhadores e a contratação por formas alternativas –microempresa, contrato intermitente.Defensores da reforma argumentam que Justiça do Trabalho tem muita demanda.

Qual será o efeito da nova lei?

Fleury - Disseram que a reforma diminuiria o número de ações e criaria segurança jurídica. O fato de estarmos discutindo praticamente há um ano posições tão díspares mostra que não há. Ao contrário. Medidas muito graves foram adotadas e precisarão de muito tempo para maturar a interpretação.

Com relação ao número de processos muito grande, não vai diminuir nada. O número de ações trabalhistas no Brasil só existe porque vale a pena, para as empresas, descumprir a legislação trabalhista aqui. É uma coisa meio grave de falar, né? Vale.

A reforma não muda isso?

Fleury - Quem tem a intenção de não cumprir a legislação continuará tendo. O Brasil tem hoje um terço das vagas que deveria ter de auditores fiscais do trabalho. Qual é a chance de eu ou você abrirmos uma empresa e sermos fiscalizados? Quase zero. Não há efetivo para isso.

O que precisa ser feito, então?

Fleury - O governo tem que fiscalizar e punir com rigor. Na França, se a fiscalização chegar a uma empresa e ela não tiver pagando salário dos trabalhadores, vai fechá-la. Em outros países, o empregador é preso. No Brasil, o que acontece na remota hipótese de a fiscalização chegar? Ele vai tomar uma multa muito baixa e terá um prazo para pagar.

O argumento é que ficou mais fácil contratar e demitir.

Fleury - A empresa terá, de qualquer jeito, obrigações. Quem hoje não contrata e admite trabalhar numa ilegalidade está predisposto a ficar na ilegalidade. O contador vai dizer: contrate para não ter problema. Esse empresário prefere atuar na ilegalidade. Ele sabe que o risco é baixo. O que a reforma vai fazer é criar uma massa salarial baixíssima.

Os defensores dizem que será mais gente com emprego.

Fleury - Serão salários muitos baixos e, com isso, você acaba com o consumo interno. As empresas, por exemplo, de eletrodomésticos, carros"¦ Como os trabalhadores podem fazer um empréstimo de 12 ou 24 parcelas se não sabem se estarão empregados e, caso estejam, quanto eles vão ganhar no fim do mês? É um ciclo vicioso em que a Espanha entrou, o México entrou e nós vamos entrar também.

O argumento é o de que o trabalho intermitente já existe na prática, mas não tinha lei.

Fleury - O trabalho intermitente era proibido e hoje é permitido, então foi institucionalizada uma fraude. Não houve proteção de trabalhadores. Isso não proteger ninguém, a não ser o mau empregador, que já estava fraudando. Com relação ao terceirizado, foi quem tomou o maior tombo na reforma. Antes, ele tinha um pouco de garantia. Agora, fala que pode haver negociação coletiva garantindo os mesmo direitos. Sabe quando vai haver negociação coletiva? Nunca.

Qual é a influência do contexto de crise econômica?

Fleury - A Constituição já permite negociação coletiva para diminuir direitos. Crise econômica se resolve com medidas pontuais, não com medidas permanentes. A Constituição já permite que até o salário seja diminuído por negociação coletiva.

Fonte: JL/Folha
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
23/01/18, 21:50 | JULGAMENTO HISTÓRICO - As armas de Lula e Moro: os principais argumentos de cada lado
23/01/18, 19:49 | POLÊMICA - Conselho da Caixa destitui três vice-presidentes afastados e um volta ao cargo
23/01/18, 19:33 | MANDATO - PGR denuncia vice-líder do governo Temer por omitir depósitos do IR
23/01/18, 19:28 | JUDICÁRIO - Saiba como será o julgamento de Lula em Porto Alegre
23/01/18, 19:21 | DESCONFIANÇA - Procuradoria investiga troca na chefia da Polícia Federal de Santos
23/01/18, 19:13 | ARTIGO - O que está por trás da campanha da Globo
23/01/18, 19:00 | ARTIGO - TJ-PI – Um colegiado com número par e não ímpar!
23/01/18, 14:12 | SAÚDE - OMS vem ao Brasil para acompanhar fracionamento da vacina contra febre amarela
23/01/18, 13:45 | VIOLÊNCIA - Homem é preso após alugar arma e matar rival com tiros e pauladas em Teresina
23/01/18, 13:38 | CORRUPÇÃO - Ex-secretário de Obras do Rio é preso em operação da PF e do Ministério Público
23/01/18, 13:28 | POLÍTICA - Odorico Paraguaçu completa 45 anos e segue atual na política brasileira
23/01/18, 12:05 | REPERCUSSÃO - New York Times: partidário, Moro jogou a democracia brasileira no abismo
23/01/18, 12:01 | ECONOMIA - IBGE: gastos maiores com alimentos e transportes pressionam inflação
23/01/18, 11:58 | VÍRUS - Ministro da Saúde diz que febre amarela está 'sob controle'
23/01/18, 11:29 | BENEFÍCIOS - Rombo na Previdência revela que militar pesa 16 vezes mais que segurado do INSS
23/01/18, 11:18 | LAVA JATO - Defesa de Lula pede prescrição de crimes no caso do triplex
23/01/18, 11:13 | POLÍTICA - Mulheres são apenas 9,9% dos pré-candidatos aos governos estaduais
23/01/18, 11:08 | POLÊMICA - ‘PL da Eletrobras, como está, não passa em 2018 nem nunca’, diz Aleluia
23/01/18, 10:27 | CLT - Lula a sindicalistas: FHC prometeu, mas foi Temer que acabou com 'Era Vargas'
23/01/18, 10:23 | ACIDENTE - Globocop cai e deixa pelo menos dois mortos no Recife
23/01/18, 10:07 | CRIMES - Com ficha polical imensa, ex-prefeito Ronaldo Lages é preso em Esperantina
23/01/18, 09:39 | HISTÓRIA - Primeira negra diplomata no Itamaraty é filha do Piauí
22/01/18, 18:32 | INVESTIGAÇÃO - FAB: avião que caiu com Teori não registrou pane ou mau funcionamento
22/01/18, 18:28 | POLÊMICA - Pré-candidata à presidência, ex-apresentadora da Globo chama Bolsonaro de mentiroso e o desafia para um debate público
22/01/18, 16:26 | DESMANDOS - TCE-PI investigará gastos de carnaval em municípios com dificuldades financeiras
22/01/18, 15:59 | VIOLÊNCIA - Jovem baleada em praia do Rio continua internada em estado grave
22/01/18, 15:54 | POLÊMICA - Governo encaminha ao Congresso projeto com regras para privatizar Eletrobras
22/01/18, 15:50 | LAVA JATO - Moro pede que PF justifique uso de algemas durante transferência de Cabral
22/01/18, 13:35 | VIOLÊNCIA - Jovem é assassinado e namorada morre por engano com tiro na cabeça em Teresina
22/01/18, 13:23 | MANIFESTAÇÃO - Temer é xingado durante caminhada, sorri e ignora protesto
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site