CBN - A rádio que toca notícia

ARTIGO

Os valores sociais do trabalho diante da Carta Constitucional

A reforma trabalhista imposta e aprovada pelo atual governo, no mínimo, merece um confronto e um combate jurisdicional para adequá-la às conquistas constitucionais

12/07/17, 13:24
Por Nixonn Freitas Pinheiro, advogado (foto)
 
A
República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como um dos seus fundamentos os valores sociais do trabalho. A regra, insculpida no art. 1º, da nossa Carta Constitucional, deriva da máxima pétrea de que todo o poder emana do povo e em seu nome será exercido.

O art. 6º, da vigente Constituição, expressa que todos os direitos sociais devem ser respeitados. Quais sejam da educação, da saúde, da alimentação, do trabalho, da moradia, do transporte, do lazer, da segurança, da previdência social, da proteção à maternidade e da infância, e da assistência aos desamparados.

Com o advento do nosso Texto Maior, instituiu-se no Brasil um Estado Democrático destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, justa, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, acima de tudo, com a ordem interna e internacional.

Para garantir os valores sociais do trabalho, de um total de 189, o Brasil ratificou 82 Convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT). E que estão em pleno vigor. Com sede em Genebra, na Suíça, a OIT é uma agência multilateral da Organização das Nações Unidas (ONU) especializada nas questões do trabalho no que se refere ao cumprimento das normas (convenções e recomendações) internacionais. Tem por missão promover oportunidades para que homens e mulheres possam ter acesso a um trabalho decente e produtivo, em condições de liberdade, equidade, segurança e dignidade humanas, sendo considerado condição fundamental para a superação da pobreza, redução das desigualdades sociais, garantia da governabilidade democrática e desenvolvimento sustentável.

A reforma trabalhista imposta e aprovada pelo atual governo, no mínimo, merece um confronto e um combate jurisdicional para adequá-la às conquistas constitucionais. Em uma análise superficial, a reforma agride valores sociais reconhecidos internacionalmente. Entre os quais, valores por princípios concernentes à liberdade, à igualdade e à segurança nas relações de emprego, além de ignorar, constitucionalmente, as Convenções Internacionais atinentes à equidade, à dignidade humanas e às desigualdades sociais.

Exemplos claros de ofensa a princípios e fundamentos da República estão em obrigar que a gestante trabalhe em locais insalubres, comprometendo a saúde da mãe e do nascituro; e obrigar que o(a) empregado(a) tenha apenas meia hora de descanso para o almoço, ao invés de uma hora. Salvo melhor juízo, penso que isso macula a dignidade da pessoa humana como fundamentos e cláusulas pétreas da Constituição.

A dignidade do trabalho decorre da dignidade do(a) trabalhador(a) e não o contrário. Isso porque, como corolário, como consequência, o Estado Democrático de Direito foi fundado na dignidade da pessoa humana e nos valores sociais do trabalho, acima de todos os aspectos legais. Aliadas à liberdade e à igualdade, são as cláusulas mais importantes.

Paulo Bonavides nos ensina que, “sem a concretização dos direitos sociais não se poderá alcançar jamais a “sociedade livre, justa e solidária” contemplada constitucionalmente como um dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil”. Na mesma linha e lógica jurídica, o atual ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, diz que “os Direitos Sociais são direitos fundamentais do homem, caracterizando-se como verdadeiras liberdades positivas, de observância obrigatória num Estado Social de Direito, tendo por finalidade a melhoria de condições de vida aos hipossuficientes, visando à concretização da igualdade social”.

Destacamos as expressões “...por finalidade a melhoria de condições de vida aos hipossuficientes,...” trazidas à colação pelo professor e ministro Alexandre de Moraes para nos orientar sobre o seguinte fato concreto decorrente da atual reforma trabalhista: “obrigar a gestante a trabalhar em locais insalubres, comprometendo a saúde dela e do filho a nascer”, é uma norma, a meu ver, absolutamente inconstitucional.

A hipossuficiência ditada pelo ministro é um instituto jurídico encaminhado pelo Direito Civil relativo às relações comerciais de consumo e às relações de trabalho. A gestante, na qualidade de empregada em confronto com o empregador(a), impõe-se com uma condição de vida temporária de hipossuficiência, que representa aquela condição dependente, subalterna, subordinada e submissa.

Assim, é muito preocupante o "rebaixamento dos direitos" preconizados na reforma trabalhista. Sobretudo em acordo individual firmado diretamente entre patrão e empregado. Ou seja, entre o “hipossuficiente” e o “hiperssuficiente”. Isso porque não se pode rebaixar por meio de acordos coletivos ou individuais a proteção ao trabalho estabelecida nas normas e convenções da OIT, das quais o Brasil é signatário.

Os valores sociais do trabalho, decorrentes dos direitos fundamentais, consagrados no vigente texto constitucional, são normas de ordem pública. E, como tais, de obediência interna e internacional. São, portanto, imperativas, impositivas e invioláveis. Agredidas, podem desembocar em inconstitucionalidades, com a palavra final pelo STF.

Fonte: JL
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
23/01/18, 21:50 | JULGAMENTO HISTÓRICO - As armas de Lula e Moro: os principais argumentos de cada lado
23/01/18, 19:49 | POLÊMICA - Conselho da Caixa destitui três vice-presidentes afastados e um volta ao cargo
23/01/18, 19:33 | MANDATO - PGR denuncia vice-líder do governo Temer por omitir depósitos do IR
23/01/18, 19:28 | JUDICÁRIO - Saiba como será o julgamento de Lula em Porto Alegre
23/01/18, 19:21 | DESCONFIANÇA - Procuradoria investiga troca na chefia da Polícia Federal de Santos
23/01/18, 19:13 | ARTIGO - O que está por trás da campanha da Globo
23/01/18, 19:00 | ARTIGO - TJ-PI – Um colegiado com número par e não ímpar!
23/01/18, 14:12 | SAÚDE - OMS vem ao Brasil para acompanhar fracionamento da vacina contra febre amarela
23/01/18, 13:45 | VIOLÊNCIA - Homem é preso após alugar arma e matar rival com tiros e pauladas em Teresina
23/01/18, 13:38 | CORRUPÇÃO - Ex-secretário de Obras do Rio é preso em operação da PF e do Ministério Público
23/01/18, 13:28 | POLÍTICA - Odorico Paraguaçu completa 45 anos e segue atual na política brasileira
23/01/18, 12:05 | REPERCUSSÃO - New York Times: partidário, Moro jogou a democracia brasileira no abismo
23/01/18, 12:01 | ECONOMIA - IBGE: gastos maiores com alimentos e transportes pressionam inflação
23/01/18, 11:58 | VÍRUS - Ministro da Saúde diz que febre amarela está 'sob controle'
23/01/18, 11:29 | BENEFÍCIOS - Rombo na Previdência revela que militar pesa 16 vezes mais que segurado do INSS
23/01/18, 11:18 | LAVA JATO - Defesa de Lula pede prescrição de crimes no caso do triplex
23/01/18, 11:13 | POLÍTICA - Mulheres são apenas 9,9% dos pré-candidatos aos governos estaduais
23/01/18, 11:08 | POLÊMICA - ‘PL da Eletrobras, como está, não passa em 2018 nem nunca’, diz Aleluia
23/01/18, 10:27 | CLT - Lula a sindicalistas: FHC prometeu, mas foi Temer que acabou com 'Era Vargas'
23/01/18, 10:23 | ACIDENTE - Globocop cai e deixa pelo menos dois mortos no Recife
23/01/18, 10:07 | CRIMES - Com ficha polical imensa, ex-prefeito Ronaldo Lages é preso em Esperantina
23/01/18, 09:39 | HISTÓRIA - Primeira negra diplomata no Itamaraty é filha do Piauí
22/01/18, 18:32 | INVESTIGAÇÃO - FAB: avião que caiu com Teori não registrou pane ou mau funcionamento
22/01/18, 18:28 | POLÊMICA - Pré-candidata à presidência, ex-apresentadora da Globo chama Bolsonaro de mentiroso e o desafia para um debate público
22/01/18, 16:26 | DESMANDOS - TCE-PI investigará gastos de carnaval em municípios com dificuldades financeiras
22/01/18, 15:59 | VIOLÊNCIA - Jovem baleada em praia do Rio continua internada em estado grave
22/01/18, 15:54 | POLÊMICA - Governo encaminha ao Congresso projeto com regras para privatizar Eletrobras
22/01/18, 15:50 | LAVA JATO - Moro pede que PF justifique uso de algemas durante transferência de Cabral
22/01/18, 13:35 | VIOLÊNCIA - Jovem é assassinado e namorada morre por engano com tiro na cabeça em Teresina
22/01/18, 13:23 | MANIFESTAÇÃO - Temer é xingado durante caminhada, sorri e ignora protesto
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site