CBN - A rádio que toca notícia

ARTIGO

Os valores sociais do trabalho diante da Carta Constitucional

A reforma trabalhista imposta e aprovada pelo atual governo, no mínimo, merece um confronto e um combate jurisdicional para adequá-la às conquistas constitucionais

12/07/17, 13:24
Por Nixonn Freitas Pinheiro, advogado (foto)
 
A
República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como um dos seus fundamentos os valores sociais do trabalho. A regra, insculpida no art. 1º, da nossa Carta Constitucional, deriva da máxima pétrea de que todo o poder emana do povo e em seu nome será exercido.

O art. 6º, da vigente Constituição, expressa que todos os direitos sociais devem ser respeitados. Quais sejam da educação, da saúde, da alimentação, do trabalho, da moradia, do transporte, do lazer, da segurança, da previdência social, da proteção à maternidade e da infância, e da assistência aos desamparados.

Com o advento do nosso Texto Maior, instituiu-se no Brasil um Estado Democrático destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, justa, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, acima de tudo, com a ordem interna e internacional.

Para garantir os valores sociais do trabalho, de um total de 189, o Brasil ratificou 82 Convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT). E que estão em pleno vigor. Com sede em Genebra, na Suíça, a OIT é uma agência multilateral da Organização das Nações Unidas (ONU) especializada nas questões do trabalho no que se refere ao cumprimento das normas (convenções e recomendações) internacionais. Tem por missão promover oportunidades para que homens e mulheres possam ter acesso a um trabalho decente e produtivo, em condições de liberdade, equidade, segurança e dignidade humanas, sendo considerado condição fundamental para a superação da pobreza, redução das desigualdades sociais, garantia da governabilidade democrática e desenvolvimento sustentável.

A reforma trabalhista imposta e aprovada pelo atual governo, no mínimo, merece um confronto e um combate jurisdicional para adequá-la às conquistas constitucionais. Em uma análise superficial, a reforma agride valores sociais reconhecidos internacionalmente. Entre os quais, valores por princípios concernentes à liberdade, à igualdade e à segurança nas relações de emprego, além de ignorar, constitucionalmente, as Convenções Internacionais atinentes à equidade, à dignidade humanas e às desigualdades sociais.

Exemplos claros de ofensa a princípios e fundamentos da República estão em obrigar que a gestante trabalhe em locais insalubres, comprometendo a saúde da mãe e do nascituro; e obrigar que o(a) empregado(a) tenha apenas meia hora de descanso para o almoço, ao invés de uma hora. Salvo melhor juízo, penso que isso macula a dignidade da pessoa humana como fundamentos e cláusulas pétreas da Constituição.

A dignidade do trabalho decorre da dignidade do(a) trabalhador(a) e não o contrário. Isso porque, como corolário, como consequência, o Estado Democrático de Direito foi fundado na dignidade da pessoa humana e nos valores sociais do trabalho, acima de todos os aspectos legais. Aliadas à liberdade e à igualdade, são as cláusulas mais importantes.

Paulo Bonavides nos ensina que, “sem a concretização dos direitos sociais não se poderá alcançar jamais a “sociedade livre, justa e solidária” contemplada constitucionalmente como um dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil”. Na mesma linha e lógica jurídica, o atual ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, diz que “os Direitos Sociais são direitos fundamentais do homem, caracterizando-se como verdadeiras liberdades positivas, de observância obrigatória num Estado Social de Direito, tendo por finalidade a melhoria de condições de vida aos hipossuficientes, visando à concretização da igualdade social”.

Destacamos as expressões “...por finalidade a melhoria de condições de vida aos hipossuficientes,...” trazidas à colação pelo professor e ministro Alexandre de Moraes para nos orientar sobre o seguinte fato concreto decorrente da atual reforma trabalhista: “obrigar a gestante a trabalhar em locais insalubres, comprometendo a saúde dela e do filho a nascer”, é uma norma, a meu ver, absolutamente inconstitucional.

A hipossuficiência ditada pelo ministro é um instituto jurídico encaminhado pelo Direito Civil relativo às relações comerciais de consumo e às relações de trabalho. A gestante, na qualidade de empregada em confronto com o empregador(a), impõe-se com uma condição de vida temporária de hipossuficiência, que representa aquela condição dependente, subalterna, subordinada e submissa.

Assim, é muito preocupante o "rebaixamento dos direitos" preconizados na reforma trabalhista. Sobretudo em acordo individual firmado diretamente entre patrão e empregado. Ou seja, entre o “hipossuficiente” e o “hiperssuficiente”. Isso porque não se pode rebaixar por meio de acordos coletivos ou individuais a proteção ao trabalho estabelecida nas normas e convenções da OIT, das quais o Brasil é signatário.

Os valores sociais do trabalho, decorrentes dos direitos fundamentais, consagrados no vigente texto constitucional, são normas de ordem pública. E, como tais, de obediência interna e internacional. São, portanto, imperativas, impositivas e invioláveis. Agredidas, podem desembocar em inconstitucionalidades, com a palavra final pelo STF.

Fonte: JL
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
20/11/17, 14:25 | FISCALIZAÇÃO - Receita passa a cobrar CPF de dependentes a partir de 8 anos de idade
20/11/17, 14:22 | EDUCAÇÃO - Prazo para renovação de contratos do Fies é prorrogado para 30 de novembro
20/11/17, 14:18 | ELEIÇÕES 2018 - TSE lança canal no Twitter para tirar dúvidas do eleitor
20/11/17, 14:15 | POLÍTICAS - Secretário da Igualdade defende mais políticas públicas para negros no país
20/11/17, 12:59 | CARGO - Segóvia toma posse ao lado de Temer, investigado pela Polícia Federal
20/11/17, 12:54 | CORRUPÇÃO - Indicado por Temer para Ministério foi citado em CPI como 'menino de ouro' de Cachoeira
20/11/17, 12:48 | POLÍTICA - Por reforma da Previdência, Temer autoriza Maia a negociar cargos
20/11/17, 12:40 | POLÊMICA - CPI da JBS é investida contra o Ministério Público Federal, diz Janot
20/11/17, 09:35 | OPINIÃO - Leia o artigo de Deusval Lacerda: Destroço do governo no Brasil,
19/11/17, 20:23 | OPERAÇÃO - Eletrobras fará cortes de energia de 9 mil inadimplentes na Zona Norte de Teresina
19/11/17, 16:22 | HISTÓRIA - Pelé celebra 48 anos do seu milésimo gol: ‘Mais do que um número’
19/11/17, 16:16 | POLÍTICA - Senador elogia Lava Jato e lança pré-candidatura à Presidência
19/11/17, 16:09 | ACIDENTE - Criança perde o dedo após acidente em escada rolante em Teresina
19/11/17, 14:40 | EMPREGO - Redação do concurso do Corpo de Bombeiros-PI tem como tema ‘preservação dos valores humanos’
19/11/17, 14:35 | ARTIGO - Direito à Saúde – a busca incessante da judicialização
19/11/17, 14:27 | VATICANO - Papa Francisco oferece almoço a milhares de excluídos na Jornada Mundial dos Pobres
19/11/17, 14:05 | INCLUSÃO - Só políticas de saúde, educação e cidadania promovem justiça ante o racismo
19/11/17, 13:57 | INCIDENTE - Marinha do Brasil e FAB auxiliam em buscas por submarino argentino
19/11/17, 13:38 | LOTERIA - Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 50 milhões
19/11/17, 13:07 | NOVA LEI - Total de ações trabalhistas cai mais de 90% após reforma
18/11/17, 22:27 | CONGRESSO - Governo libera quase R$ 600 milhões para emendas parlamentares
18/11/17, 22:24 | PROPINA - MP entra com ação para anular sessão que libertou Picciani, Melo e Albertassi
18/11/17, 22:16 | INVESTIGAÇÕES - Diretor-geral da PF revela data para fim da operação Lava Jato
18/11/17, 22:11 | CELEBRIDADE - Lívia Andrade curte passeio de barco e exibe corpão
18/11/17, 19:51 | INFRAESTRUTURA - Iniciado asfaltamento da Rodovia MA 110 entre São Bernardo e Luzilândia para impulsionar economia e turismo
18/11/17, 19:39 | VATICANO - Papa nomeia arcebispo de Brasília como relator geral do Sínodo de 2018
18/11/17, 19:33 | CASO DE ÓDIO - Por dizer que votaria em Lula, mulher é agredida por apoiador de Bolsonaro
18/11/17, 19:24 | POLÍTICA - Tucanos não garantem apoio incondicional à reforma da Previdência
18/11/17, 19:19 | ESPORTE - PSG goleia Nantes com dois gols de Cavani; Neymar passou em branco
18/11/17, 19:12 | DISCURSO - 'Povo não tem que pagar Imposto de Renda sobre salário', diz Lula
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site