JORNAL LUZILÂNDIA
Clipagem Eletrônica - Versão para impressão
POLÍTICA
Em carta, Lula diz que PEC do teto inviabilizará gestão dos municípios
13/06/18, 14:42

P

reso há 2 meses em Curitiba (PR), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) enviou uma carta (íntegra) para o Congresso de Prefeitos da Fecam (Federação Catarinense de Municípios). Ele foi representado pelo secretário nacional do PT, Emídio de Souza.

No documento, Lula critica o teto dos gastos aprovado em 2016 pelo Congresso e defendido pelo presidente Michel Temer (MDB).

“Ela irá, de forma crescente, inviabilizar a gestão pública não só no governo federal, mas também nos municípios. Sejam vocês do partido que forem, apoiem o candidato que quiserem, vocês sabem que essa medida não pode ser mantida se a gente quer um futuro viável para o Brasil”, escreveu.

Para o petista, o atual governo está destruindo o futuro do país ao realizar cortes nos investimentos públicos e nas políticas sociais. Lula disse que, se eleito, poderá promover uma retomada do crescimento no país.

“Não é fácil, mas eu sou o único candidato que pode dizer que já fez exatamente isso quando foi presidente.”

Na carta, o ex-presidente diz que crise iniciada em 2014 foi instaurada pela oposição como uma forma de sabotar o governo do PT. O foco seria a volta ao poder.

Realizado nesta 4ª feira (13.jun.2018), o evento conta a presença de 7 pré-candidatos à Presidência. No ato, eles apresentam suas propostas a 1 público de cerca de 1,5 mil pessoas.

Lula não pode comparecer ao evento, já que está preso em Curitiba desde 7 de abril. Ele cumpre o início da pena de 12 anos e 1 mês de reclusão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo o MPF (Ministério Público Federal), Lula teria favorecido a construtora OAS em contratos com a Petrobras e, em troca, recebeu da empresa 1 triplex no Guarujá (SP). O ex-presidente nega as acusações.

No documento, Lula reafirmou sua inocência e disse que foi condenado “para evitar que o povo brasileiro mande eu passar mais 4 anos no Palácio do Planalto”. No entanto, ele se disse confiante.

“Os dias atuais podem parecer difíceis, podem parecer querer destruir toda a esperança, mas como canta Chico Buarque, amanhã há de ser outro dia. Um dia que virá quando o povo expressar a sua vontade sobre o Brasil de forma democrática nas urnas”, escreveu.

Fonte: JL/PODER 360
Reportagem publicada no site www.jornalluzilandia.com.br