JORNAL LUZILÂNDIA
Clipagem Eletrônica - Versão para impressão
VIOLÊNCIA
Escola em Teresina cria código de segurança para alunos entrarem na sala de aula e evitar assaltos
13/04/18, 15:30

N

o bairro Poti Velho, Zona Norte de Teresina, duas unidades de educação do estado resolveram adotar uma iniciativa inovadora para tentar diminuir a quantidade de assaltos contra estudantes e funcionários: adotar um código para entrar nas salas onde acontecem mais assaltos. A medida foi aplicada após um aluno ser agredido por criminosos na última semana.

A Secretaria Estadual de Educação (Seduc) disse que avalia a possibilidade de disponibilizar segurança armada no prédio e a Polícia Militar do Piauí informou que intensificou o policiamento na rede escolar.

De acordo com a comunidade escolar os assaltos costumam acontecer nas salas que ficam em um mesmo corredor. A escola então adotou a estratégia de trancar as salas por dentro após a chegada dos alunos. Se um aluno precisar sair deve na volta tem de informar o nome completo e o número que está na chamada.

“A gente vem para escola para estudar, na intenção de um futuro melhor, mas a gente não está conseguindo pela falta de segurança. Fica a sensação de que qualquer hora pode acontecer novamente”, desabafou a estudante Kelly de Oliveira após a adoção da ideia na escola. O Piauí registra 48 casos de violência nas escolas a cada mês, segundo dados do Sindicato dos Trabalhadores na Educação Básica.

A decisão pela adoção do código aconteceu após cinco homens entrarem na Unidade Escolar Petrônio Portela armados e renderem professores e alunos nas salas de aula. Um estudante foi agredido na cabeça. "Mandou o pessoal ficar calado, baixar a cabeça e começou a recolher os objetos da sala. Eu estava com as mãos na cadeira e ele veio com o cabo da arma e bateu na minha cabeça. Mandou eu ficar quieto e depois saíram", contou o estudante Antônio Oliveira, sobre a agressão.

No mesmo prédio da Unidade Escolar Petrônio Portela funciona o Centro de Educação de Jovens e Adultos Gayoso e Almendra e não é a primeira vez que funcionários e alunos foram assaltados. Em uma mesma semana foram três registros de roubos no prédio. “Eles vem sempre no mesmo local, pulando o muro, por uma árvore que tem porque o muro está baixo. Tem gente que já não vem mais para a escola pela quantidade de assaltos ”, disse o estudante Thalisson Sousa.

Estudantes fazem coleta para ajudar a aumentar muro

O conselho escolar se reuniu para discutir a possibilidade de aumentar o muro da escola e colocar arames, mas faltam recursos. Os próprios alunos estão doando o material e mão de obra para realizar o serviço. "Nós vamos levantar o muro com parte dos recursos que veio da Seduc e outra parte com doações. Alunos estão doando sacos de cimento, mão de obra. Temos alunos que doam concertinas e hastes. Acreditamos que não vai resolver o problema, mas vai amenizar", comentou a secretária escolar Mauricéia Amaral.

A Secretaria Estadual de Educação informou que a Unidade Escolar Petrônio Portela fica situada em uma área vulnerável e que algumas medidas para ampliar a segurança da escola já foram tomadas. A secretaria avalia a possibilidade de disponibilizar segurança armada no prédio.

A Polícia Militar do Piauí informou que a Companhia Independente de Policiamento Escolar, juntamente com os batalhões da área vem intensificando o policiamento em toda a rede escolar. Ainda de acordo com a estatística da PM as prisões dos infratores tem sido feitas na área e geralmente são reincidentes em vários crimes.

Fonte: JL/G1PI
Reportagem publicada no site www.jornalluzilandia.com.br