JORNAL LUZILÂNDIA
Clipagem Eletrônica - Versão para impressão
PROPINA
Raquel Dodge pede arquivamento de investigação contra deputados do PP
13/04/18, 15:27
A
procuradora-geral da República, Raquel Dodge, não encontrou provas de um repasse de R$ 2,7 milhões a seis deputados do PP — incluindo o líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PB) — e um ex-parlamentar do partido nas eleições de 2010, e pediu que uma investigação contra eles seja arquivada. A solicitação foi enviada para o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator de um inquérito que investiga supostos pagamentos da empreiteira Queiroz Galvão a membros do partido, originao a partir da Operação Lava-Jato.

O pedido também beneficia os deputados Mário Negromonte Júnior (BA), Eduardo da Fonte (PE), Simão Sessim (RJ), Roberto Balestra (GO) e Jerônimo Goergen (RS) e Waldir Maranhão, que deixou o PP e está no PSDB. “Nada impede, entretanto, a retomada das investigações caso surjam novas evidências sobre os fatos”, ressaltou Raquel Dodge.
 
Para a procuradora-geral, só há provas de que um político participou do esquema: o vice-governador do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, que na época era presidente do PP. Dornelles não tem foro no STF e, por isso, Raquel Dodge solicitou que essa parte da investigação seja enviada para o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

O inquérito que está no Supremo investiga duas situações diferentes. O pedido de Dodge diz respeito apenas ao primeiro episódio: o suposto pagamento feito nas eleições de 2010. O outro fato investigado é a suspeita de realização de um contrato fictício em 2011. Aguinaldo Ribeiro e Eduardo da Fonte também são investigados nesse caso, ao lado do senador Ciro Nogueira (PI) e do deputado Arthur Lira (AL). Ou seja, mesmo que Fachin atenda ao pedido de Raquel Dodge de arquivamento da outra investigação, os dois deputados continuarão a fazer parte do inquérito.
 
Em relação a esse segundo episódio, a procuradora-geral considera que a investigação precisa continuar, e pediu para que ela seja prorrogada por 60 dias. Além disso, Raquel Dodge quer que sejam realizadas oitivas de diversas pessoas, incluindo os quatro parlamentares, o doleiro Alberto Yousseff, que mencionou o fato em seu acordo de delação premiada, e Idelfonso Colares, que era presidente da Queiroz Galvão na época. Todos os pedidos serão analisados por Fachin.
Fonte: JL/Globo
Reportagem publicada no site www.jornalluzilandia.com.br