JORNAL LUZILÂNDIA
Clipagem Eletrônica - Versão para impressão
CRIME
Nova fase da Lava Jato mira operadores em fundos de pensão
12/04/18, 13:48

A

gentes da Polícia Federal e do MPF (Ministério Público Federal) estão nas ruas do Rio, São Paulo e Brasília, para cumprir 10 mandados de prisão contra suspeitos de fraudar os fundos de pensão Postalis (dos Correios) e Serpros (Serpro – empresa pública de tecnologia da informação).

A operação, batizada de Rizoma na Botânica, deflagrada nesta 5ª feira (12.abr.2018), é mais 1 desdobramento da Lava Jato no Rio –a 1ª concentrada em ações sobre os fundos de pensão.

Entre os alvos da operação estão o lobista Milton Lyra, citado em operações anteriores como operador de políticos e cujo mandado será cumprido em Brasília; Marcelo Sereno, ex-secretário nacional de comunicação do PT; e Arthur Pinheiro Machado, empresário que tenta criar a Nova Bolsa, e que, segundo a PF, recebeu aportes financeiros dos 2 fundos de pensão.

Os suspeitos são acusados de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção.

Segundo informações do jornal O Globo, a empresa de Machado recebia dinheiro dos fundos de pensão e mantinha 1 contrato de câmbio com empresa de fachada, que pertence a Edward Penn, operador que trabalha nos Estados Unidos. Machado fez 1 contrato de câmbio para importação de softwares da empresa de Penn. No entanto, essas importações eram fraudulentas.

A compra simulada por Machado era uma forma de enviar dinheiro no exterior. Segundo as investigações, também participaram do esquema os doleiros Vinicius Claret, conhecido como Juca Bala, e seu sócio, Cláudio Fernando Barbosa, o Tony. Ambos são acusados de envolvimento em operações de lavagem de dinheiro do esquema do ex-governador do Rio Sérgio Cabral.

Também salvos de mandado de prisão Patrícia Iriarte, apontada como operadora do esquema junto a Machado; Adeilson Ribeiro Telles e Henrique Barbosa, da Postalis; Ricardo Siqueira Rodrigues, operador financeiro; e Carlos Alberto Valadares Pereira, da Serpro.

Segundo o jornal, as investigações apontam Sereno como operador de Cabral. O operador teria recebido no esquema cerca de R$ 900 mil e Milton Lyra, 1 total de US$ 1 milhão entre 2013 e 2014 e Gandola, o valor de R$ 400 mil.

Nome da operação

Rizoma na botânica é uma espécie de caule que se ramifica sob a terra, tratando-se de uma alusão ao processo de lavagem de dinheiro e ao entrelaçamento existente entre as empresas investigadas.

Milton Lyra e Panama Papers

Documentos da série Panama Papers apontam Milton Lyra como beneficiário da offshore Venilson Corp, aberta em fevereiro de 2013 no Panamá.

A empresa foi usada para abrir uma conta numa agência do UBS na Alemanha. O banco encerrou as relações com o brasileiro cerca de 2 meses depois, quando houve uma tentativa de movimentar uma alta quantia pela conta sem que estivesse esclarecida a origem do dinheiro.

O Poder360 (que na época se chamava Blog do Fernando Rodrigues, no UOL) soube da tentativa de transação –da ordem de US$ 90 milhões– por meio de informações internas do UBS. A identidade de Milton foi confirmada por 3 pessoas dentro do banco.

Fonte: JL/PODER 360
Reportagem publicada no site www.jornalluzilandia.com.br