JORNAL LUZILÂNDIA
Clipagem Eletrônica - Versão para impressão
INUNDAÇÕES
Barragem do Bezerro em José de Freitas tem redução de 60 cm no nível da água
12/04/18, 08:05
 
N
o fim da tarde desta quarta-feira (11) o governo do Piauí divulgou que o nível da Barragem do Bezerro, em
José de Freitas, Norte do Piauí, já teve uma redução de 60 cm no nível da água após a abertura de desvios, por causa do risco de rompimento do reservatório. O governo informou também que a recuperação da barragem já foi iniciada, porém as famílias devem continuar em abrigos até que sejam efetivadas as correções na barragem.

Segundo o diretor geral do Instituto de Desenvolvimento do Piauí (Idepi), Geraldo Magela, a barragem se mantém com redução do nível da água. “A situação da barragem é estável. Baixou mais de 60 cm e na situação atual não existe risco. Agora saiu dessa fase e, como já sangrou, parou a infiltração”, relatou.

Magela explicou ainda que o trabalho no momento já se volta para a reconstrução da barragem. “Vamos providenciar a restauração da barragem que já começa a partir do trabalho de controle do risco”, disse o diretor do Idepi. Segundo o governo do Piauí 15 mil pessoas residem em áreas de risco de inundação e o alerta segue para os municípios de José de Freitas, Lagoa Alegre, Cabeceiras, Esperantina, Batalha, Barras, Joca Marques, Madeiro, Luzilândia, Campo Maior e Pimenteiras.

O geólogo e engenheiro geotécnico Ediberto Monteiro Vasconcelos, que participa da reconstrução da barragem, explicou que a situação da Barragem do Bezerro foi normalizada, contudo merece atenção. “Nas condições atuais não tem, mas se vier chuva pesada tem risco. Para isso a gente tomou as precauções de fazer um reforço no talude com sacos de areia e cimento para evitar que o talude irrompa”, comentou o geólogo.

Segundo o engenheiro geotécnico os serviços para reparar o talude já foram iniciadas e na próxima terça-feira começa o margeamento da barragem, uma análise detalhada das condições do local. “Vamos verificar o comportamento do maciço de terra e saber por onde a água passou, que caminhos ela tomou para chegar àquele ponto e com isso definir as correções”, explicou.

Contudo, Edilberto Monteiro Vasconcelos descartou que as famílias possam voltar às residências até a conclusão dos reparos no local. “A população deve ser afastada e seguir o plano da Defesa Civil para a evacuação das áreas porque dentro das condições a gente tem uma tranquilidade, mas com a vida humana não se brinca”, finalizou.

Fonte: JL/G1PI
Reportagem publicada no site www.jornalluzilandia.com.br