JORNAL LUZILÂNDIA
Clipagem Eletrônica - Versão para impressão
FESTAS
Carnaval: Temer ‘vampirão’, pato da Fiesp e reforma trabalhista na Sapucaí
10/01/18, 15:50
O
desfile das escolas de samba do grupo especial do Rio de Janeiro de 2018 promete ser 1 dos mais críticos à política brasileira dos últimos anos. A menos de 1 mês do Carnaval, 3 agremiações levarão à Marquês de Sapucaí enredos mais incisivos sobre temas atuais.

Uma delas é a Paraíso do Tuiuti, que criticará as novas regras trabalhistas em vigor desde novembro. A escola também citará o decreto do Ministério do Trabalho que afrouxou as regras de fiscalização do trabalho escravo no país. No enredo “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?”, a escola do bairro de São Cristóvão dirá que o Brasil negligenciou a existência da escravidão moderna.

“Não atualizamos sua imagem e, assim, preservamos nossas consciências limpas sobre as marcas que deixou tempos atrás. [O Brasil] Segue vivendo espreitada no antigo pensamento de “nós” e “eles” e não nos permite enxergar que estamos todos no mesmo barco, no mesmo temeroso Tumbeiro, modernizando carteiras de trabalho em reformadas cartas de alforria”, diz o carnavalesco Jack Vasconcelos em sinopse enviada à imprensa.

O presidente Michel Temer será retratado como “vampiro” em uma das alegorias da escola. O peemedebista virá como 1 boneco gigante em cima de uma grande sacola de dinheiro.

A escola cutucará também o movimento pró-impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff. Uma das alas da Paraíso do Tuiuti será de “patos amarelos batedores de panelas” em alusão à Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). No rosto dos foliões, 1 nariz de palhaço. Acima deles, uma mão manipulando-os.

A Paraíso do Tuiuti será a 4ª escola a desfilar na Marquês de Sapucaí no domingo, 11 de fevereiro. Eis o samba-enredo deste ano:

NÃO À INTOLERÂNCIA

Beija-Flor de Nilópolis e Estação Primeira de Mangueira também terão enredos mais críticos neste ano.

No enredo “Monstro é aquele que não sabe amar – Os filhos abandonados da pátria que os pariu”, a azul e branco nilopolitana abordará a intolerância social, em crítica ao modelo social, político e religioso do país.

“Cabe a nós sambistas, historicamente marginalizados e excluídos, sempre olhados com estranheza e preconceitos, perseguidos pela cor de nossas peles, pelo colorido de nossas roupas, pela nossa fé ancestral e pela nossa batucada, o alerta, a resistência e o protesto.”

Já a Mangueira exaltará o Carnaval e alfinetará o prefeito do Rio de Janeiro e bispo licenciado da Igreja Universal, Marcelo Crivella (PRB). Em alusão ao corte de verbas destinadas aos desfiles das escolas de samba, o enredo da verde e rosa em 2018 é “Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco”.

Um dos trechos do samba diz que “pecado é não brincar o Carnaval”.

Fonte: JL/PODER 360
Reportagem publicada no site www.jornalluzilandia.com.br